Deus não está em crise

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Mai 2022

 

A leitura que a Igreja propõe para este domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo João,10,27-30, que corresponde ao 4° domingo de Páscoa, ciclo C, de Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto.

 

Eis o texto.

 

É mais frequente do que pensamos. Nós, os crentes, dizemos acreditar em Deus, mas na prática vivemos como se não existisse. Este é também o risco que temos hoje ao abordar a atual crise religiosa e o futuro incerto da Igreja: viver estes momentos de forma «ateia».

 

Já não sabemos caminhar no «horizonte de Deus». Analisamos as nossas crises e planejamos o futuro pensando apenas nas nossas possibilidades. Esquecemo-nos que o mundo está nas mãos de Deus, não nas nossas. Ignoramos que o «Grande Pastor» que cuida e guia a vida de cada ser humano é Deus.

 

Vivemos como «órfãos» que perderam o seu Pai. A crise domina-nos. O que nos é pedido parece-nos excessivo. Temos dificuldade em perseverar com ânimo numa tarefa sem ver o êxito em lado algum. Sentimo-nos sós, e cada um defende-se como pode.

 

Segundo o relato do Evangelho, Jesus está em Jerusalém para comunicar sua mensagem. É inverno e, para não arrefecer, passeia por um dos pórticos do Templo, rodeado de judeus, que o assediam com as suas perguntas. Jesus vai falar das «ovelhas» que ouvem a sua voz e o seguem. A certa altura, diz: «O meu Pai, que mais deu, supera a todos e ninguém as pode arrebatar da mão do meu Pai».

 

Segundo Jesus, «Deus supera a todos». Que nós estejamos em crise não significa que Deus esteja em crise. Que nós, cristãos, percamos o ânimo não quer dizer que Deus tenha ficado sem força para salvar. Que não saibamos dialogar com o homem de hoje não significa que Deus já não encontre caminhos para falar com o coração de cada pessoa. Que as pessoas deixem as nossas Igrejas não quer dizer que se escapem a Deus das suas mãos protetoras.

 

Deus é Deus. Nenhuma crise religiosa e nenhuma mediocridade da Igreja poderão «arrebatar-lhe das mãos» esses filhos e filhas que ama com amor infinito. Deus não abandona ninguém. Tem os seus caminhos para cuidar e guiar cada um dos seus filhos, e os seus caminhos não são necessariamente o que nós lhe pretendemos traçar.

 

Leia mais:

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Deus não está em crise - Instituto Humanitas Unisinos - IHU