Patriarca Kirill: O cristianismo não tem a ver com o pacifismo

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

30 Janeiro 2020

Cristianismo e a ideologia da não resistência não são a mesma coisa, disse o chefe da Igreja Ortodoxa Russa.

A reportagem é publicada por La Croix International, 29-01-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O Patriarca Kirill, de Moscou e de Toda a Rússia, disse que o cristianismo e a ideologia da não resistência não são a mesma coisa.

É essencial resistir ao mal, mas de um modo que o mal não nos domine, disse o líder ortodoxo de 73 anos, no dia 27 de janeiro, durante a reunião plenária das XXVIII Leituras de Natal.

“O cristianismo não tem nada a ver com a chamada ideologia do pacifismo. Cristo falou sobre as virtudes do perdão, do amor aos inimigos e de não retribuir o mal com o mal como obra pessoal e trabalho espiritual interior da pessoa”, disse o patriarca.

O chefe da Igreja Ortodoxa Russa alertou que “o pacifismo (...) exige renunciar à resistência ao mal nos níveis social e estatal, comprometendo o sistema de relações sociais e os princípios da justiça e do acordo civil”.

“E quando as pessoas, inadvertida e submissamente, aceitam o mal, concordam com ele e inclinam a cabeça diante dele, é inevitável que ele vença”, acrescentou Kirill.

“É impossível pôr fim às guerras em um mundo cheio de ódio e raiva. Mas devemos resistir ao mal para que esse mal não nos capture, não escravize nossa consciência, não cegue nossos corações com ódio, crueldade e temeridade”, disse o patriarca.

Kirill disse que o problema demográfico na Rússia pode ser resolvido através da imposição de restrições ao aborto.

O patriarca disse que o aborto realizado não por razões médicas deve ser excluído do termo “assistência médica”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Patriarca Kirill: O cristianismo não tem a ver com o pacifismo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU