A revolta da Polônia contra o Papa Francisco. A corrente racista dos bispos de Varsóvia

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

16 Outubro 2017

Uma das frentes anti-Francisco passa pela Polônia, onde o único papa por enquanto considerado pela maioria dos fiéis católicos é São João Paulo II. O alarme tocou no último dia 7 de outubro, o aniversário da vitória naval dos católicos contra o Islã em Lepanto, em 1571. Por iniciativa de dois leigos católicos convertidos e nostálgicos de uma igreja que brandia a espada, um milhão de católicos dispuseram-se ao longo de 3500 quilômetros de fronteiras para recitar todos ao mesmo tempo o Rosário "para a paz e para proteger a pátria e resto da Europa da secularização e principalmente da islamização".

A reportagem é de Carlo Di Cicco, publicado por Tiscali, 13-10-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

Uma forma talvez articulada e pomposa demais para esconder a realidade do verdadeiro objetivo: uma palavra de ordem contra imigrantes e refugiados, na maioria muçulmana de acordo com a opinião dos católicos poloneses, estão invadindo a Europa e colocando em risco a identidade católica do continente e da própria Polônia. Vinte e duas dioceses polonesas de um total de 42 participaram. A iniciativa, que envolveu um milhão de pessoas moveu-se na direção oposta do empenho contínuo e lúcido de Francisco para o acolhimento de refugiados e imigrantes necessitados, foi apoiada pelo governo polonês, por uma parte dos bispos e pela cúpula da Conferência Episcopal, além da poderosa Rádio Maria de orientação tradicionalista e da televisão pública polonesa.

A iniciativa foi publicamente criticada pelo bispo Tadeusz Pieronek, ex-secretário da Conferência Episcopal que, entrevistado pela "Famiglia Cristiana", quis esclarecer que o rosário "não é uma arma ideológica", denunciando o apoio de uma parte dos bispos para a corrente racista do governo de Varsóvia. Em sua opinião, parece que os bispos não estão conscientes "da manipulação da Igreja pelo governo" e que parte da Igreja foi, no mínimo, gravemente ingênua nessa circunstância. Na opinião do prelado todos os poloneses que participaram do rosário "são contra o pensamento e ensinamento do Papa Francisco", mostrando que na Polônia "está ocorrendo uma batalha para convencer as pessoas de que cada refugiado é um bandido que ataca a identidade polonesa e é uma ameaça grave e real para a saúde e a vida de poloneses".

Os laicos católicos progressistas são uma minoria entusiasta pelo Papa Francisco e estão preocupados com a esperteza com que tantos sacerdotes e bispos do país deixam entender que concordam com Francisco, mas depois pregam e atuam contra as suas orientações pastorais e doutrinais. Escondem-se por trás de uma falsa preocupação segundo a qual a melhor coisa a fazer é ajudar os refugiados em suas casas. Boa parte da população segue os bispos, mas quase parece que os conservadores mais determinados estejam entre os leigos.

No entanto, a Igreja na Polônia desfruta de um considerável bem-estar econômico desde que, além da disponibilidade de dinheiro, foi acrescentada a restituição do patrimônio imobiliário confiscados na época do comunismo. Até mesmo na Polônia é tempo de nacionalismo que se alimenta do populismo que - segundo alguns - desloca o centro do país e da Igreja para um terreno perigoso para a própria democracia.

Em várias ocasiões, já há algum tempo, perguntamo-nos onde estão os críticos do Papa Francisco. Na Polônia manifestaram-se abertamente com o mal-entendido de uma oração clara e evidentemente manipulada. Resistências similares podem ser registradas em outros países, especialmente ocidentais.

O papa tem ciência disso, mas não desiste do compromisso de mudar o paradigma da consciência que a Igreja tem de si mesma e da tradicional presença pastoral. Obra gigantesca lançada pelo Concílio que o papa pretende levar adiante sem hesitação, contudo, (em respeito com a misericórdia) com luvas de pelica, deixando aos seus críticos as inúteis polêmicas e esclarecendo cada vez mais decididamente a necessidade de passar de uma Igreja que celebra a batalha de Lepanto para uma Igreja que manifesta claramente e sempre a misericórdia de Deus. Com todas as consequências, inclusive nas tradicionais relações com o poder político e econômico.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A revolta da Polônia contra o Papa Francisco. A corrente racista dos bispos de Varsóvia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU