O anúncio em um mundo em mudança. Artigo de Rinaldo Paganelli

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Fevereiro 2024

"Confiar a tarefa da evangelização nas mãos de Deus não leva ao quietismo nem ao esperar para ver. Não diminui em nada a necessidade e a necessidade de planejar as coisas, de nos doarmos a projetos pastorais inteligentes e ousados. Por isso, hoje somos convidados a pensar e a viver a tarefa da evangelização não só como um projeto a realizar, mas também com uma atitude receptiva, a de fazer germinar os sonhos. Abrir-se para surpresas felizes, deixando de dividir as pessoas entre aquelas que estão no centro, na soleira e na periferia", escreve Rinaldo Paganelli, padre dehoniano, doutor em Catequese e Pastoral Juvenil pela Universidade Pontifícia Salesiana de Roma, em artigo publicado por Settimana News, 07-02-2024.

Eis o artigo.

A última consulta do Escritório Catequético Nacional (Roma, 15-16 de dezembro de 2023) viu a apresentação pelos diretores das iniciativas que estão sendo implementadas para promover conferências regionais, ativadas para dar um novo impulso ao caminho catequético.

Aleatório

O Trivêneto, através de várias etapas, orienta-se a repensar um anúncio que vai ao encontro da vida, na consciência da fé a ser acolhida. A Basilicata tratará da ministerialidade para um serviço gerador de fé. O Lácio está empenhado em preparar um novo caminho para a Iniciação Cristã. Piemonte e Vale d'Aosta refletirão sobre passagens de vida, passagens de fé. A Calábria pretende ajudar as comunidades a promover testemunhos adultos que gerem fé. Abruzzo e Molise pretendem interceptar as necessidades dos catequistas.

Puglia deseja identificar coordenadas relativas à Iniciação Cristã nas comunidades. Marche e Umbria querem aprofundar-se no Kerygma e no seu impacto no mundo adulto. A Ligúria pensa revisitar os documentos da catequese, em particular o Diretório da Catequese. A Toscana pretende ler a realidade para interpretar e preparar um guia para o catecumenato. A Sicília questiona-se sobre que tipo de comunicação é necessária para a evangelização no contexto. A Lombardia lança um olhar de atenção para iniciar a vida cristã. A Sardenha já realizou uma conferência sobre “Catequista testemunha credível”. Na Emília pretendemos criar uma plataforma online para criar propostas catequéticas. A Campânia concentra a atenção nos ministérios.

A revisão rápida e esquemática diz que todas as iniciativas são louváveis ​​e cheias de perspectivas mas, ao mesmo tempo, revela a ordem dispersa que caracteriza todo o movimento.

O movimento catequético nem sempre é acompanhado com a devida atenção pelos bispos, que são absorvidos em diversas ocasiões pela gestão ordinária das realidades diocesanas.

Esta nota não pretende ser um julgamento sobre os pastores, os primeiros evangelizadores, mas um estímulo para que a catequese volte a ser uma atenção de privilégio e de redescoberta do que pode ser feito para não nos resignarmos a ver as dificuldades.

O processo de envolvimento dos catequistas e dos agentes pastorais, longe de ser um fato ocasional, se se tornar um estilo, permitirá desencadear processos que perduram no tempo.

A experiência cristã e eclesial deve ser repensada segundo o Evangelho e, portanto, segundo a redescoberta das relações. A catequese não pode acontecer dentro de um camarote, na igreja, sentado num banco. A experiência religiosa deve voltar a ser uma emoção, uma experiência do corpo, um encontro com uma comunidade que se lembra daquilo a que se é chamado.

Para estabelecer algo duradouro são necessárias atenção e alguns passos que propomos como uma reflexão útil para valorizar o planejamento das conferências propostas.

Fazendo os sonhos germinarem

Evangelizar sempre foi difícil e torna-se mais complicado hoje no Ocidente, onde o cristianismo já não parece ter recursos e energia suficientes para se renovar. Pode sentir-se em todo o lado: as forças estão a esgotar-se, o pessoal está a envelhecer, os recursos estão a diminuir no preciso momento em que os desafios, as urgências e as dificuldades se multiplicam. E os esforços empreendidos para superar a crise, apesar de alguns resultados encorajadores, revelam-se incapazes de deter a lenta erosão que afeta a Igreja.

As investigações dizem que há cada vez menos cristãos, que a sociedade encontra dificuldades precisamente porque não é tocada pela Igreja, uma área onde uma vida bela que vale a pena viver está cada vez mais desaparecendo. Falta às pessoas o horizonte da vida: que existe, isto é, algo grande além das coisas belas que produz e além dos limites humanos.

Ninguém fala dos apelos éticos da Igreja. São cada vez menos os que aguardam estas declarações e os que as ouvem. A Igreja parece não conseguir mais encontrar a sua verdadeira identidade, as pessoas que não a frequentam ficam completamente alheias à sua realidade. Qualquer apelo feito cai em ouvidos surdos.

Confiar a tarefa da evangelização nas mãos de Deus não leva ao quietismo nem ao esperar para ver. Não diminui em nada a necessidade e a necessidade de planejar as coisas, de nos doarmos a projetos pastorais inteligentes e ousados.

Por isso, hoje somos convidados a pensar e a viver a tarefa da evangelização não só como um projeto a realizar, mas também com uma atitude receptiva, a de fazer germinar os sonhos. Abrir-se para surpresas felizes, deixando de dividir as pessoas entre aquelas que estão no centro, na soleira e na periferia.

É importante reconhecer que Deus se tornou próximo de todos, acolher com espanto que a figura de Jesus permaneça intacta na nossa cultura e que o ser humano continue capaz de Deus hoje como ontem, sem que os catequistas tenham que criar esta capacidade. Deixar-se surpreender pelo Evangelho significa também preparar-se para acolher aliados inesperados, especialmente quando se sente exausto, no exílio, como se estivesse numa terra estrangeira. Hoje não é possível imaginar exatamente ou planejar totalmente o que está acontecendo. Nem é possível incentivar o crescimento. Assim, o cristianismo que virá não será apenas o resultado dos nossos esforços, mas o fruto inesperado do Espírito no mundo.

É verdade que a situação exige o anúncio daquilo em que se acredita, uma prática de caridade e uma celebração do mistério que une todos. Para sobreviver, a nossa sociedade precisa também daquilo que está presente na Igreja visível.

Ressuscite um amanhecer de esperança

A passagem do tempo envelhece a Igreja e também os métodos de ação propostos. Certamente a sua idade é medida a partir da data da fundação, e este período constitui um precioso património de experiência.

Na verdade, a Igreja recomeça sempre, é chamada a ser jovem, renasce com os recém-batizados, em cada projeto que arranca, nos sonhos que se renovam. A sua força não reside sobretudo nas respostas de ontem, mas na pergunta sobre a verdade que pode ser formulada hoje, reside no compromisso que assume para inaugurar uma visão do ser humano e da vida que represente uma razão de esperança.

Qualquer que seja a forma como se organizará no futuro a transmissão do Evangelho, ela continuará a ser uma ação essencialmente humana, que não pode ser realizada sem o dom de si mesmo, sem uma dedicação de amor.

Em 2.000 anos, não conseguimos compreender que o cristianismo é uma boa notícia, e esta boa notícia, apesar dos esforços, das incoerências e dos desvios, continua a ser um presente para a humanidade. Não necessita dos desempenhos morais dos crentes, mas os torna possíveis. Porque quanto mais alguém é amado, mais responsável ele é por não desperdiçar o amor do qual foi objeto gratuito.

Muitas pessoas dizem hoje que é possível viver humanamente bem sem aquela fé cristã que tira a sua força do dever e das normas. O fato de já não termos a exclusividade da espiritualidade não é apenas uma questão cultural, é provavelmente um próprio traço do rosto de Deus que somos chamados a redescobrir.

Se assim for, muda também o sentido de missão que os locutores são chamados a carregar. Não será proselitismo, mas anúncio gratuito. Você entra em um espaço de gratuidade e liberdade. A Igreja vive da qualidade das relações.

Desperte visões e profecias

Cada vez mais vemos que estamos caminhando para um cristianismo de escolha. Ter isso em mente muda a atitude dos anunciadores e dá um sentido diferente a cada proposta pastoral.

Isto significa também que devemos aceitar, a partir de agora, ser minoria, o sal e o fermento dentro da massa, para não coincidir com a massa.

Muitas pessoas no campo religioso hoje caminham na indecisão, na confusão, a meio caminho entre o tudo e o nada, sem adesão firme a um compromisso decisivo: “Não sei se sou um descrente; Acredito em alguma coisa, mas nem sei o quê; Gostaria de tornar adulta a minha fé, mas há demasiadas contradições nas propostas; as coisas mudam muito rapidamente e não conseguimos ver onde está o bem."

Essas dúvidas, e muitas outras que surgem, marcam a dificuldade de encontrar o seu lugar e, ao mesmo tempo, uma grande sede de sentido e de espiritualidade.

Evangelização não é conquista. Segundo as palavras de Jesus, a imagem mais adequada para expressar a evangelização é a da sementeira. O anunciador do Evangelho é chamado a semear abundantemente e sem medo, mas também a abandonar qualquer desejo de controlar os efeitos da sua palavra, por respeito ao outro e à ação de Deus. Na verdade, não é o anunciador quem produz o crescimento, mas a liberdade dos outros e a liberdade de Deus que surpreende sempre (Mc 4,26-27).

A evangelização hoje passa por múltiplos caminhos. Mas há um que parece particularmente oportuno. É o caminho de pequenos grupos à escala humana, nos quais as questões da vida e da mensagem evangélica podem ser discutidas com inteligência, numa cordialidade incondicional e no respeito pelo caminho de cada um.

A comunidade cristã é chamada a propor o Evangelho com alegria, sem esperar nada do outro lado. É hora de doar de graça. Se esta modalidade se tornar estilo, então mudam as modalidades de toda a pastoral. 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O anúncio em um mundo em mudança. Artigo de Rinaldo Paganelli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU