Sistema de sentido e trabalho de base. Artigo de Frei Betto

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Fevereiro 2024

"Desenvolver o pensamento crítico através da arte, da academia, dos veículos de comunicação, como as redes digitais e, sobretudo, do trabalho de base no meio popular, me parece ser a tarefa prioritária na atual conjuntura", escreve Frei Betto, escritor, autor de “Tom vermelho do verde” (Rocco), entre outros livros.

Eis o artigo.

O que mobiliza multidões? A resposta está no sionismo do governo de Israel. Está também nos fundamentalismos cristão e muçulmano. O que mobiliza multidões são narrativas religiosas que imprimem sentido à vida e, inclusive, à pós-vida.

Os judeus sionistas estão convencidos de que são o povo eleito por Deus, preferidos a todos os outros povos, e que a Palestina é territorialmente a área reservada a eles pela promessa de Javé de que haveriam de habitar a Terra Prometida onde “corre o leite e o mel” (embora ali corra mais vinho e azeite). Do mesmo modo, os católicos pré-Vaticano II estavam convencidos de que “fora da Igreja não há salvação”.

Nas páginas revestidas de sacralidade da Torá, da Bíblia e do Alcorão, sucessivas gerações encontraram um sentido pelo qual vale a pena viver... e até mesmo morrer. Vide o panteão de mártires cristãos e de santos e santas que teriam seguido à risca a vontade divina e, por isso, merecem ser elevados aos altares, aglomerar devotos, suscitar efemérides e erguer santuários alvos de incessantes peregrinações.

Por mais que o sistema capitalista tente nos incutir a mercadoria como valor supremo, as narrativas religiosas, com suas abordagens mistéricas, transcendentes, miraculosas e enigmáticas, conseguem suscitar devotos que trocam o conforto de suas famílias ricas pela vida sacrificada de padres e pastores inseridos no meio dos pobres. Induziram o multimilionário Bin Laden a abandonar o luxo de sua família saudita por uma existência arriscada nas sendas do terrorismo. Convencem um governo teocrático, como o de Israel (que não possui Constituição), de que os palestinos devem ser expulsos a ferro e fogo das terras de seus ancestrais cananeus.

É esta apropriação do sentido que empodera, hoje, as Igrejas pentecostais e neopentecostais, e tornam muitas delas surdas à teologia de amplitude social da Teologia da Libertação. Enquanto as Comunidades Eclesiais de Base leem a Bíblia como proposta de transformação da sociedade, as Igrejas evangélicas, com raras exceções, o fazem como uma proposta de mudança pessoal (metanoia). Não há que combater o opressor, e sim o diabo. Se alguém acumula fortuna é porque Deus o abençoou por ter sabido evitar vícios como fumo, bebida e prostituição e, assim, galgar os degraus da meritocracia.

Se a esquerda e os setores progressistas pretendem, hoje, conquistar adeptos e neutralizar os avanços da direita, não vejo outro caminho senão ganhar a guerra das narrativas, como ocorreu em décadas passadas. Desenvolver o pensamento crítico através da arte, da academia, dos veículos de comunicação, como as redes digitais e, sobretudo, do trabalho de base no meio popular, me parece ser a tarefa prioritária na atual conjuntura. Promover educação política segundo a pedagogia e a metodologia de Paulo Freire se impõe como desafio urgente.

Políticas sociais angariam votos dos beneficiários, mas não mudam necessariamente consciências e atitudes. Isso só se consegue quando se abraça um novo sistema de sentido, como as narrativas historicamente produzidas pelo marxismo e pela Teologia da Libertação. Investir em educação popular deveria ser, inclusive, prioridade de governo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sistema de sentido e trabalho de base. Artigo de Frei Betto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU