Francisco pede aos padres de Roma “estilo sinodal nas suas paróquias”

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Novembro 2023

  • Na tarde desta quinta-feira, 16 de novembro, Francisco dirigiu-se à Paróquia Maria Mãe da Hospitalidade, localizada no bairro romano de Villa Verde. Uma área repleta de situações de pobreza e marginalização.

  • O principal objetivo da visita do Bispo de Roma foi encontrar “seus” sacerdotes, dando continuidade ao ciclo de visitas às diferentes prefeituras, inaugurado em setembro passado.

  • O diálogo durou aproximadamente uma hora, centrado em questões pastorais. O Papa conversou com os sacerdotes que, por sua vez, lhe fizeram perguntas. O Pontífice Romano tomou notas e respondeu a cada pergunta.

  • Foi “um diálogo muito aberto, cordial e familiar”, afirma Dom Lamba. O Papa “encorajou todos a continuarem com o bom trabalho que já fazem, a continuarem a estar entre o povo, a proporem continuamente o Evangelho, mesmo que haja dificuldades”.

A reportagem é de Salvatore Cernuzio, publicada por Religión Digital, 17-11-2023.

“Quantos padres!” Sob uma chuva fraca, depois de cerca de uma hora de viagem num carro pequeno, no meio de um trânsito de automóveis e ciclomotores, sem saber que se desviavam para deixar passar o carro com o Papa a bordo, Francisco chegou à paróquia Igreja de Santa Maria Madre dell'Ospitalità ontem à tarde, 17 de novembro, pouco depois das 16h.

Freguesia situada nos arredores de Roma, situada na XVII prefeitura, que abrange as zonas de Tor Bella Monaca, Torre Angela, Torre Gaia e outros bairros vizinhos. É uma grande área, Due Torri - Villa Verde, pontilhada por situações de pobreza e marginalização; áreas onde, no entanto, a Igreja intervém ativamente no tecido social, trabalhando em estreito contato com os habitantes dos edifícios de apartamentos e das habitações sociais em “belas iniciativas de solidariedade e colaboração”.

Um centro acolhedor

Particularmente em Santa Maria Mãe da Hospitalidade, construída em 1985, a hospitalidade não está apenas no nome, mas também no ADN da freguesia. No bairro (a chamada “aldeia”), situado numa grande área verde, longe do centro da cidade, existe de facto um complexo de doze andares onde vivem famílias em situação de emergência habitacional, tanto italianas como estrangeiras.

Pessoas pobres, refugiados ou famílias que sofreram um despejo: “Quando perdem a casa”, explicou ao Papa o pároco, Padre Rocco Massimiliano Caliandro: “Acolhemos toda a família: mãe, pai, filhos. eles perdem a casa: "Eles se separam. Nós os mantemos juntos por um ano ou dois, depois eles vão embora por conta própria." No final da visita, o Pontífice cumprimentou algumas destas famílias, incluindo refugiados da África e da Ucrânia.

O principal objetivo da visita do Bispo de Roma, porém, foi encontrar os “seus” sacerdotes, dando continuidade ao ciclo de visitas às diferentes prefeituras, inaugurado com o encontro na paróquia de Santa María de la Salud, no dia 29 de Setembro, no bairro Primavalle, conhecido na mídia pelo assassinato de duas mulheres: a jovem Michelle Caruso e a enfermeira Rossella Nappini. Naquela tarde, o Papa falou com 35 sacerdotes.

A saudação a um casal casado há 50 anos e a oração diante do Santíssimo Sacramento

Hoje em Santa María Madre de la Hospitalidad havia pelo menos quarenta sacerdotes, dispostos em semicírculo na entrada do grande edifício amarelo. Apresentado pelo Bispo Auxiliar Riccardo Lamba, o Papa apertou a mão de cada um: “Saudei a todos?”, disse ele, distribuindo rosários.

Por alguns minutos parou dentro da paróquia, onde Rosário e Anna, um casal que comemorava 50 anos de casamento, o esperavam. “Quem foi mais paciente?”, perguntou Francisco. “Eu!”, exclamou Ana e entregou o filho, o mais novo dos quatro, pai de um dos oito netos do casal. Francisco também lhes deu um rosário: “Rezem por mim”, pediu-lhes. Em seguida, dirigiu-se à capela do Santíssimo Sacramento, onde, sentado numa cadeira de rodas, permaneceu alguns momentos em oração, fazendo finalmente o sinal da Cruz.

Depois de um café (“Obrigado, não vou adormecer assim”, brincou), atravessando o pórtico de alvenaria, o Pontífice dirigiu-se para uma pequena sala onde, juntamente com os sacerdotes, rezou a oração ao Espírito Santo escolhido para o ano pastoral de 2023-2024. A partir daí, ele conversou com os padres que, por sua vez, lhe fizeram perguntas. Sentado a uma escrivaninha, o Pontífice Romano fazia anotações e respondia a cada pergunta.

Hora e meia de diálogo

Entre brincadeiras, instruções e reflexões, o diálogo durou aproximadamente uma hora, totalmente voltado para temas pastorais: trabalho, primeira comunhão, sacramentos, pobreza, hospitalidade, assistência aos grupos socialmente mais desfavorecidos, evangelização.

Foi “um diálogo muito aberto, cordial e familiar”, afirma Dom Lamba. O Papa “encorajou todos a continuarem o bom trabalho que já fazem, a continuarem no meio do povo, a proporem continuamente o Evangelho, mesmo que haja dificuldades”. “Disse para continuar a ter este estilo sinodal nas paróquias, que envolve uma colaboração contínua entre leigos e sacerdotes”.

A anedota da velha encontrada em San Pedro

O sol já havia se posto atrás do denso arvoredo em frente à paróquia quando Bergoglio terminou seu diálogo confidencial. Uma anedota para selar o encontro que decorreu num clima de “grande familiaridade”, como dizem os presentes, que já partilhou noutras ocasiões. Certa vez, uma senhora de 87 anos, na Praça de São Pedro, no final de uma Audiência Geral, pediu-lhe que rezasse por ele: “Claro que farei”. "Por favor faça!" “Sim”, respondeu a mulher, segundo o Santo Padre, “eu rezo por isso. Eles estão lá rezando contra isso”, disse a mulher com um sorriso, apontando para a Cúpula.

Aplausos e risadas, depois “obrigado” de todos e também de Bergoglio que disse aos sacerdotes: “Obrigado pela paciência”. "Venha quando quiser! Claro... não é fácil", exclamou um padre. O Bispo de Roma quis saudar também os presentes, um por um. Alguns pediram-lhe uma selfie de recordação ou que rezasse por um familiar ou assinaram um cartão: “É para os paroquianos”.

Com as famílias anfitriãs da freguesia

A última etapa da visita foi o encontro com as famílias acolhidas na paróquia. Entre eles estavam uma mãe e um pai com dois filhos que fugiram da guerra na Ucrânia e chegaram a Roma há um mês. Dispostos em círculo, os convidados acolheram com aplausos a chegada do Papa. “Aqui está!”, exclamou uma jovem de origem africana, segurando nas mãos uma foto sua com o Sucessor de Pedro na Praça de São Pedro. “Você era pequeno aqui, agora é grande”, sorriu a mãe. A cena do aperto de mão entre o Papa, sentado numa cadeira de rodas, e um jovem asiático de 20 anos, também numa cadeira de rodas devido às pernas amputadas, foi comovente. Com ele não houve palavras, apenas um olhar e um sorriso. Obrigado pelo acolhimento", comentou o Papa. Agradeceu também ao pequeno grupo de jornalistas que permaneceu fora da paróquia à espera do final da visita: "Obrigado pelo vosso trabalho!".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco pede aos padres de Roma “estilo sinodal nas suas paróquias” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU