EUA: Dom Timothy Broglio fala sobre o Papa Francisco, Cardeal Pierre, Sínodo e Dom Joseph Strickland

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Novembro 2023

Dom Timothy P. Broglio está apenas começando seu segundo ano de seu mandato de três anos como presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA. Ele conversou com o OSV News durante um intervalo na assembleia geral de bispos de outono em Baltimore, no dia 15 de novembro, para responder a perguntas sobre seu relacionamento com o Papa Francisco e o Núncio Apostólico Cardeal Christophe Pierre; Comentários do Papa Francisco sobre a Igreja americana; como ajudar os feridos que enfrentam a guerra e a violência em todo o mundo; o status atual do Dom Joseph E. Strickland e muito mais. A entrevista foi editada para maior clareza.

A entrevista é de Michael R. Heinlein, publicada por OSV News, 16-11-2023.

Eis a entrevista. 

Quando conversamos no ano passado, você disse que queria continuar o bom trabalho de Dom José H. Gomez para promover a unidade na Igreja. Quais continuam a ser as questões que mais dividem e como você vê o caminho a seguir?

Acredito que sempre há questões que, só pela diferença na forma como as pessoas abordam as coisas, podem ser uma fonte de divisão. Embora eu tenha notado certamente nestes dois dias de sessão pública – se olharmos para as votações, e especialmente as votações para perguntas que são “sim” ou “não” – elas foram esmagadoramente de uma forma ou de outra. Então acho que isso é indicativo de uma certa unidade de pensamento. E outra coisa que considero muito marcante: com poucas exceções, todas as votações dos candidatos aos diferentes cargos foram muito próximas umas das outras. Então, quero dizer que não há sentimentos tremendamente desequilibrados na conferência. Então acho que é um sinal positivo daqui para frente.

Penso que haverá sempre uma diferença de abordagem entre questões como o papel da dignidade da pessoa humana e a forma como isso é interpretado – desde a protecção da criança no útero até às questões sociais. Isso sempre será, você sabe, onde você coloca a ênfase? Como você enfatiza os dois ao mesmo tempo? E acho que isso sempre será uma fonte de preocupação, ou uma possível fonte de divisão, ou pelo menos uma divergência na forma como as pessoas abordam as questões.

Também quando conversamos no ano passado, alguns afirmavam na mídia que você era anti-Papa Francisco, o que você recusou. Dado o seu último ano de trabalho mais próximo com o Santo Padre, você poderia comentar um pouco sobre como tem sido essa relação de trabalho?

É claro que o vi logo após a eleição, porque houve uma reunião do Sínodo sobre a fase continental dos preparativos sinodais, e por isso tive a oportunidade de estar com ele. E ele foi realmente muito encorajador. Ele imediatamente disse - você sabe, conversamos um com o outro em espanhol - que, ah, você sabe, você tem um grande trabalho agora, além do grande trabalho que já tinha. Ele me disse para não desanimar e, nesse sentido, foi muito encorajador.

Agora, quando fomos em abril – vocês sabem, o presidente sempre tem audiência com o papa – ele estava muito atento às questões que levantamos. Obviamente não quero entrar em detalhes, mas ele passou quase uma hora conosco, o que certamente foi extremamente generoso da parte dele. E ele foi muito receptivo a qualquer coisa que quiséssemos conversar com ele. Ele nos deixou realmente liderar o diálogo e depois respondeu às diferentes questões sobre o Sínodo e a fase continental norte-americana, que já havia sido concluída naquela época, e foi uma troca muito positiva. Então, acho que o mito de estarmos de alguma forma em lados opostos do espectro é… um mito.

Há uma crítica subjacente entre alguns católicos americanos de que o Papa Francisco não entende os católicos nos EUA. Você acha que há algum mérito nisso, e poderia explicar o que isso realmente significa, em sua experiência ao lidar com ele ?

Acredito que o Papa Francisco é certamente alguém que está sempre aberto a ouvir os outros. Isso é sempre incrível. A quantidade de tempo que ele dedicará às audiências, creio eu, certamente foi uma marca registrada de seu pontificado – e tenho muita experiência na qual basear essa afirmação. Mas lembremo-nos que a única experiência do Papa Francisco (fora da América do Sul) até se tornar Bispo de Roma foi ter vivido três anos na Alemanha. Caso contrário, toda a sua experiência é Argentina. Você não pode esperar que ele tenha uma experiência ou uma visão experiencial de lugares diferentes. A Argentina, em certo sentido, é um país muito parecido com os Estados Unidos. Existem muitas, muitas possibilidades. Eles simplesmente não foram desenvolvidos da mesma forma que foram aqui nos Estados Unidos. Então, acho que todos esses são fatores que influenciariam sua visão e também seu entendimento até mesmo da igreja em uma realidade diferente.

Acredito que a primeira vez que ele veio aos Estados Unidos foi quando veio aqui em sua, até agora, única visita papal aqui. E, você sabe, mesmo que você tenha ido a alguns lugares, os Estados Unidos são um país grande. Você não vai descobrir isso em cinco dias. Então, acho que todos esses são fatores que podem levar as pessoas a dizer que ele não conhece os Estados Unidos ou que não conhece a igreja nos Estados Unidos. Mas acho que ele está muito aberto a aprender sobre isso. E acho que isso é algo que talvez deva ser enfatizado.

Quando os novos alunos chegaram ao North American College – o seminário pontifício nos Estados Unidos – ele lhes concedeu uma audiência privada. Deixe-me assegurar-lhe que nenhum papa na história moderna, com exceção de Pio IX, que fundou o colégio, alguma vez fez algo assim. Então, acho que há vontade de aprender mais sobre o país.

Na segunda-feira (13 de novembro), em sua homilia, você pregou que os bispos estão implorando por sabedoria para que os católicos possam abraçar o modo de vida que Cristo nos oferece. Qual é, na sua opinião, a questão sobre a qual os bispos dos EUA mais precisam de sabedoria e orientação?

Acho que é basicamente a forma como atraímos as pessoas para o Evangelho de Jesus Cristo. Obviamente temos algumas ideias, mas tentamos continuamente alcançá-las porque reconhecemos que, especialmente com os jovens, temos de encontrar formas de atraí-los para uma experiência do Evangelho, uma experiência de Jesus Cristo. Você sabe, no Documento de Aparecida (o documento conclusivo da Quinta Conferência Geral do Episcopado da América Latina e do Caribe em 2007, que o Papa Francisco, então cardeal, ajudou a redigir), há uma declaração ali de que a melhor coisa que Nunca – e estou parafraseando – a melhor coisa que já aconteceu a um católico é conhecer Jesus Cristo. E o melhor presente que ele pode dar a outra pessoa é compartilhar essa experiência com ela. E então acho que é isso que todos nós estamos nos esforçando para fazer.

Reconhecemos que não temos todas as respostas. Nem sempre sabemos como chegar a todos. E então isso é um desejo. Sei certamente, pela minha própria experiência com a arquidiocese mais jovem dos Estados Unidos, que estou continuamente à procura de formas – e não estou a falar de programas – mas de formas de chegar a estes jovens. E, você sabe, posso reunir centenas deles em uma missa em uma base de treinamento porque é o único momento do dia em que eles não gritam com você. Mas a verdadeira questão é como fazê-los crescer na sua fé e continuar na prática dessa fé. E acho que é disso que realmente precisamos, de uma infusão de sabedoria divina.

O senhor retornou recentemente de um mês em Roma com o Sínodo sobre a Sinodalidade. E você mencionou algumas das formas pelas quais a sinodalidade já existe na conferência. O que você acha que aprendeu com essa experiência que pode ser digno de consideração para se candidatar à conferência?

Rezamos juntos, mas creio que a invocação intencional do Espírito Santo foi um fator importante nas reuniões sinodais. E penso que isso pode ser algo que podemos, pelo menos nas nossas reuniões de grupos mais pequenos, certamente podemos fazer isso. Também estou entusiasmado com o novo processo de planeamento estratégico, que se baseia na missão. E acho que acabamos de aprovar algo que é muito mais flexível do que o modelo que tínhamos antes. E então penso que é mais sinodal, e penso que será algo que fará a diferença na forma como abordamos as questões e preocupações da Igreja nos Estados Unidos de uma forma diferente, de uma nova forma.

No tocante à sinodalidade, tanto a revista America quanto o blog The Pillar mencionaram que você está em desacordo com o núncio apostólico sobre uma visão. Há algum comentário ou esclarecimento que você gostaria de acrescentar?

Não concordo necessariamente com a avaliação do núncio tal como foi apresentada na revista America. E penso que ele seria o primeiro a dizer que a sua visão seria muito mais matizada do que aquela entrevista pretendia apresentar. Também penso que os Estados Unidos são muito diferentes da América Latina, e são muito diferentes em termos de como vivenciamos e praticamos a nossa fé. Parte disso pode vir do fato de que por muito tempo estivemos no gueto. E saímos disso, mas isso não significa que não possamos aprender coisas novas. Acho que a diferença entre a visão do núncio sobre a Igreja nos Estados Unidos e a minha foi exagerada.

Você mencionou que a delicadeza do momento atual no Oriente Médio é de grande preocupação para você e para os bispos, onde a guerra eclodiu e pessoas inocentes estão pagando um preço tão alto. E você também mencionou em seu discurso (14 de novembro) os muitos lugares ao redor do mundo que enfrentam conflitos. O que você acha que os bispos dos EUA e os católicos dos EUA em geral podem fazer para responder à crescente violência e agitação no mundo de hoje?

De três maneiras. Em primeiro lugar, rezando pela paz. Acho que nunca podemos superestimar o poder da oração. Em segundo lugar, penso que temos de ser líderes no nosso país na promoção do discurso civil. É deplorável que não se possa discordar de forma civilizada neste país – que as pessoas não leiam algo que acham que será contra as suas opiniões. É quase o cultivo de uma visão de túnel. E a violência com que as pessoas respondem verbalmente umas às outras quando discordam é deplorável. E penso que temos de mudar isso na nossa própria casa antes de podermos partir e depois tentarmos ser pacificadores noutros lugares.

E então a terceira via, penso eu, é obviamente – e os católicos dos Estados Unidos são tremendamente generosos – mas penso que apenas o apoio financeiro às vítimas destes conflitos daqueles que são deixados para trás. E temos feito isso principalmente desde a Segunda Guerra Mundial com os Catholic Relief Services, mas é uma agência tremenda e um tremendo tributo ao interesse da Igreja Católica dos EUA no resto do mundo. E por isso penso que também precisamos de continuar a apoiar esse tipo de esforços, porque muitas áreas de conflito no mundo também se baseiam em situações de pobreza e de incapacidade das pessoas para sobreviver. E acho que se pudermos ajudar nisso, então ajudaremos, também seremos criadores da paz.

Dom Joseph Strickland, que foi destituído de seu cargo de líder episcopal da Diocese de Tyler há poucos dias, está aqui em Baltimore e disse que não tem voz na reunião da USCCB. Qual é o status de Strickand como membro da USCCB?

No que diz respeito à Conferência dos Bispos Católicos, ele é um bispo emérito, o que significa que tem voz na conferência, mas não pode votar. E não tenho conhecimento de nenhum convite para ele não vir a esta reunião. Não veio de nós.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA: Dom Timothy Broglio fala sobre o Papa Francisco, Cardeal Pierre, Sínodo e Dom Joseph Strickland - Instituto Humanitas Unisinos - IHU