Victória Holzbach: “Na missão em sinodalidade, o leigo não é mão de obra na missão, mas protagonista na tomada de decisões”

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Novembro 2023

A missão ad gentes se concretiza na vida, no sair de homens e mulheres que enviados pela Igreja anunciam o Evangelho nos confins do mundo. Na Igreja do Brasil existem testemunhos dessa concretude da missão, como foi relatado por Victória Holzbach, coordenadora do Conselho Missionário Regional Sul 3 e a Ir. Eliane Santana, religiosa da Congregação de São José de Chambery e assessora da Comissão Missionária da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, no 5º Congresso Missionário Nacional que está sendo realizado em Manaus de 10 a 15 de novembro de 2023.

A reportagem é de Luis Miguel Modino

A Igreja local responsável pelos missionários que envia

É a Igreja que envia, enfatizou a Ir. Eliane Santana, dizendo que “a Igreja local é responsável por cada comunidade que foi enviada”. Essa Igreja local tem que se sentir parte, ter empatia, pois “a missão é forte se ela está dentro de uma proposta eclesial”, lembrando que ela foi enviada pela CNBB e a CRB para a missão em Timor Leste.

Uma responsabilidade da Igreja local que segundo Victória Holzbach precisa de madurez para compreender essa responsabilidade, “uma Igreja que se coloca em saída, mas que também precisa acolher”, falando do missionário que volta da missão com a sacola cheia dos frutos que colheu no caminho e traz uma novidade para sua terra. Uma Igreja que envia para a missão o melhor que ela tem, que mesmo em sua pobreza não partilha a roupa rasgada e manchada, e sim a roupa de ir à missa no domingo, enfatizou a missionária leiga.

Victória Holzbach, coordenadora do Conselho Missionário Regional Sul 3. (Foto: enviada por Luis Miguel Modino)

Protagonismo feminino na missão

Victória, que foi missionária em Moçambique no projeto missionário do Regional Sul 3, que em 29 anos já enviou 70 missionários e missionárias, contou a experiência de uma missão em sinodalidade, da qual fazem parte leigas, leigos, religiosos, religiosas e padres. O fato de viver em uma única casa, como equipe missionária, “é um sinal profético de uma Igreja disposta efetivamente à missão, onde se unem forças”, destacou. Isso porque uma Igreja sinodal não acontece por acaso, e sim a partir de estruturas para isso. Nessa missão em sinodalidade, o leigo não é mão de obra na missão, mas protagonista dos processos de tomadas de decisão, em pé de igualdade, destacando a importâncias das leigas nesse tempo de missão como Regional Sul 3. Uma perspectiva sinodal na missão que incomoda, “o protagonismo laical é desconfortante, especialmente se feminino”, ressaltou.

Um protagonismo laical feminino que também foi enfatizado pela Ir. Eliane Santana, que insistiu em que a presença missionária não é só para os cristãos católicos e sim para todos, o que ela experimentou na missão em Moçambique, em uma região onde 80 por cento da população eram muçulmanos, algo que viveu como “uma partilha constante de vivência, de respeito, de integração, de luta por mais vida em conjunto”, afirmando que a pobreza do islâmico é a mesma do que a do cristão, e testemunhando que era bem melhor partilhar do que fazer pequenos guetos.

Se inserir nas periferias

Uma missão desafiada a se inserir nas periferias, e que tem que levar a descobrir que “somos enviados para amar aqueles que não se sentem amados, incluir aqueles que não são incluídos e chorar com aqueles que precisam chorar”, segundo a assessora da Comissão Missionária da CNBB. Ela chamou a ter a humildade de descobrir juntos, a não cair na resposta fácil, a buscar a unidade, que não é ser todo mundo igual e sim aceitar o diferente como ele é. Um desafio que tem a ver com a inclusão dos pobres, chamando a dar uma perspectiva de esperança para todos e para todas.

Partindo da ideia de que Deus é ser em relação, Holzbach vê isso como algo que tem que levar a entender que “não existe missão só comigo”, o que demanda “se colocar como caminhante ou como aprendente”, que renuncia aos seus saberes para compreender que “o povo é que nos ensina”. Isso se aprende sentando-se com o povo, esquecendo do relógio, pois “não é o tempo que regula a missão”. Segundo a assessora de comunicação do Regional Sul 3, “é a vulnerabilidade que nos permite compreender e viver a experiência da providência”, superando a autossuficiência que impossibilita a providência agir.

Estar junto com o povo

Uma missão que é mais ser do que fazer, ressaltou Vitória, que destacou a importância de “estar junto com o povo e compreender o dia a dia”, algo que o fato de ser leiga lhe facilita, pois tem mais liberdade para passar um dia com uma família conversando, dado que o fato de ser leiga leva a conhecer mais as histórias do povo, dado que os padres muitas vezes têm que se dedicar a celebrar.

Uma experiência do ser que é o que “também mais nos toca como consagradas”, segundo a Ir. Eliane. O que o povo recorda “é aquele momento que a gente estava chorando junto, ou que a gente simplesmente se sentou, abraçou e acolheu o sofrimento”, de viver momentos em que “a presença faz a pessoa se sentir importante, se sentir gente”, pois “ser Igreja é acolher”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Victória Holzbach: “Na missão em sinodalidade, o leigo não é mão de obra na missão, mas protagonista na tomada de decisões” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU