Papa Francisco tem seu último ‘momento Lear’ na aquisição da Caritas

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • As esquerdas, Nicarágua e o caso Dora María Téllez. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • A luta de um jesuíta alemão para ajudar a salvar o planeta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Novembro 2022

No final dos anos 1960 e 1970, os detratores de São Paulo VI o apelidaram de “Papa Hamlet” por sua alegada tagarelice e pela forma como ele agonizava com decisões difíceis. Quer a imagem do pontífice fosse justa ou não, ela pegou, tanto que apareceu nos parágrafos iniciais de muitos obituários papais.

O comentário é de John L. Allen Jr., publicado por Crux, 23-11-2022.

Hoje, às vezes nos perguntamos por que Francisco, de maneira igual e oposta, ainda não foi chamado por seus próprios críticos de “Papa Lear”, significando um líder que não hesita em agir – que, de fato, pode parecer talvez um pouco precipitado ou impetuoso, mas nunca indeciso.

O último “momento Lear” de Francisco ocorreu na terça-feira, quando o Vaticano anunciou que ele essencialmente colocou a organização católica mundial voltada à caridade, a Caritas Internationalis, em liquidação judicial. Ele demitiu toda a equipe de liderança e nomeou seu próprio administrador interino, o consultor organizacional italiano Pier Francesco Pinelli, que gerenciará as coisas antes da próxima Assembleia Geral da Caritas marcada para maio de 2023.

As mudanças surpreenderam até a maioria dos funcionários da instituição, que se reuniram em Roma para sua primeira reunião em pessoa desde o início da pandemia de Covid-19. Uma coletiva de imprensa com líderes da Caritas de várias partes do mundo foi realizada na manhã de terça-feira com nenhuma menção ao iminente decreto papal, que saiu no momento em que o briefing estava terminando.

A Caritas, com sede no Vaticano, é uma federação de organizações caritativas católicas que operam em mais de 200 países. Em 2020, relatou receitas de $ 5,2 milhões e despesas de $ 4,5 milhões, embora seja apenas o orçamento de Roma e não reflita as receitas e despesas de seus vários membros.

Nenhuma explicação real foi dada para a abrupta aquisição papal, a não ser uma espécie de via negativa – ou seja, sabemos quais não foram as razões, pois uma declaração do Vaticano disse que não havia evidências de impropriedade financeira ou sexual.

(É revelador sobre a Igreja Católica em 2022 que se alguém for demitido, é preciso dizer em voz alta que não foi por causa de dinheiro ou sexo – porque se não for dito, todos irão supor que uma dessas duas coisas tinha que ser a razão.)

Além de excluir esses dois fatores, a declaração simplesmente disse que uma revisão interna havia revelado “deficiências reais” na gestão, levando a danos no “espírito de equipe e moral dos funcionários”.

Muitos observadores tendem a acreditar que os problemas, pelo menos em parte, giravam em torno do ex-secretário-geral da Caritas, ou seja, seu CEO do dia a dia, um leigo indiano com cidadania francesa chamado Aloysius John.

John chegou ao poder em 2019 depois que outros candidatos ao cargo principal desistiram, e rumores sugerem acusações de liderança opressiva e gerenciamento suspeito sob seu comando. Em um possível sinal de descontentamento, o Vatican News, a plataforma oficial de notícias do Vaticano, informou na terça-feira que, quando o cardeal Luis Antonio Tagle leu o decreto em voz alta para os membros da Caritas, foi recebido com aplausos.

Falando em Tagle, sua reputação provavelmente sofrerá um golpe após a revolta. Ele atuou como presidente eleito da Caritas desde 2015 e foi reeleito em 2019, o que significa que quaisquer falhas internas que levaram à decisão ocorreram em seu mandato. Tagle também perdeu seu cargo como resultado do decreto, embora continue a servir de ligação entre os membros da Caritas durante a administração interina.

Tagle tem sido um importante aliado e leal a Francisco, então o fato de o papa estar disposto a permitir que ele afundasse com o navio, por assim dizer, é uma medida de quanto Francisco acredita que está em jogo.

Vale a pena notar que esta não é a primeira vez na memória recente que o Vaticano essencialmente forçou uma mudança no topo da Caritas.

Onze anos atrás, a Secretaria de Estado bloqueou a renomeação da leiga britânica Lesley-Anne Knight como secretária-geral, em parte devido a reclamações de que ela não era suficientemente sensível às preocupações do papa Bento XVI de que as atividades de caridade católicas não deveriam ser parceiras de organizações que promovem atividades contrárias ao ensino da Igreja, como o uso de controle de natalidade.

Ironicamente, o grande perdedor do confronto foi o cardeal hondurenho Oscar Rodriguez Maradiaga, que implorou a seu colega salesiano, o então secretário de Estado, cardeal Tarcisio Bertone, em nome de Knight, mas sem sucesso. Sob Francisco, é claro, Maradiaga se tornou um membro central do círculo íntimo do pontífice.

Uma década atrás, as tensões sobre Knight levaram a um novo conjunto de estatutos que esclarecem o papel de supervisão do Vaticano em relação à Caritas, entre outras coisas, enfatizando a autoridade da Secretaria de Estado.

Hoje, as questões envolvidas parecem menos sobre doutrina do que sobre administração.

Ainda assim, a única coisa que as mudanças sob Bento XVI e agora Francisco têm em comum é o seguinte: ambas são lembretes de que, embora o pessoal da Caritas possa se mover em círculos muito diferentes dos funcionários do Vaticano, e o fluxo de trabalho diário na Caritas pode promover um senso de autonomia, a organização ainda está sob a autoridade papal.

A história recente nos diz que os papas encontrarão maneiras, por bem ou por mal, de fazer com que essa autoridade permaneça.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco tem seu último ‘momento Lear’ na aquisição da Caritas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV