Itália. O Vaticano não se casa com Salvini e diz não a casamentos subsidiados na igreja

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

22 Novembro 2022

  • "O matrimônio cristão é uma escolha de amor para formar uma família, uma escolha de fé, gratuita. O matrimônio para a Igreja é um sacramento e um sacramento não se compra", responde Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida;

  • “Dada a crise dos casamentos, sejam religiosos ou civis, é oportuno pensar num sistema de apoio às uniões estáveis”, acrescentou Paglia, mas alertando que “se o Estado quer ajudar as famílias, deve fazê-lo, mas todas as famílias”.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 22-11-2022.

“O casamento cristão é uma escolha de amor para formar uma família, uma escolha de fé, gratuita. O casamento para a Igreja é um sacramento e um sacramento não se compra” . Essa é a resposta que deu ao arcebispo Vincenzo Paglia sobre a polêmica iniciativa lançada por Matteo Salvini -líder da Liga de extrema-direita, que faz parte do governo recém-constituído de Giorgia Meloni- de dar um bônus de até 20.000 euros para os casais que optam por se casar na Igreja.

O presidente da Pontifícia Academia para a Vida pediu ao Governo que se “comprometa a apoiar as famílias” sobretudo nos momentos “mais difíceis” como a atual crise energética, sublinhando que esta ajuda “deve dizer respeito a todos os cidadãos, obviamente, não apenas alguns, independentemente de terem ou não fé".

“Dada a crise dos casamentos, sejam religiosos ou civis, é oportuno pensar num sistema de apoio às uniões estáveis”, acrescentou Paglia, mas alertando que “se o Estado quer ajudar as famílias, deve fazê-lo, mas todas as famílias”. .

"Casar é coisa séria"

"Muitas pessoas que não têm intenção de celebrar o sacramento estão, no entanto, convencidas do valor da fidelidade e da força do vínculo: sabem que casar é um assunto sério", acrescentou.

A formação de Salvini -ex-ministro do Interior que lutou contra a chegada de imigrantes em solo italiano- contempla que esta ajuda, que permitiria deduzir até 20% das despesas do casamento, com um máximo de 20.000 euros, só seria oferecida às cerimônias oficiadas pela Igreja , se tiver menos de 35 anos, nacionalidade italiana há pelo menos 10 anos e que o casal tenha baixa renda.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Itália. O Vaticano não se casa com Salvini e diz não a casamentos subsidiados na igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU