Mudança climática acidifica o Oceano Ártico e afeta a cadeia alimentar

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Outubro 2022

Nas últimas décadas, a taxa de acidificação do Oceano Ártico foi 3 a 4 vezes mais rápida do que em outros oceanos.

O Ártico está se aquecendo a uma taxa mais rápida do que qualquer região comparável da Terra, com uma consequentemente rápida perda de gelo marinho lá. Qi et ai. descobriram que essa perda de gelo marinho está causando mais absorção de dióxido de carbono atmosférico pelas águas superficiais e levando à rápida acidificação do Oceano Ártico ocidental, a uma taxa três a quatro vezes maior do que a de outras bacias oceânicas. Eles atribuem essa descoberta à adição de água doce impulsionada pelo derretimento e às mudanças resultantes na química da água do mar.

A reportagem é da Universidade de Gotemburgo e reproduzido por EcoDebate, 22-10-2022. A tradução é de Henrique Cortez.

As mudanças climáticas estão causando o derretimento do gelo marinho do Oceano Ártico. Quando o oceano polar perde sua cobertura de gelo marinho, a absorção de dióxido de carbono aumenta, interrompendo a cadeia alimentar na água, de acordo com um estudo publicado na revista Science, em coautoria de pesquisadores da Universidade de Gotemburgo.

Ao comparar dados de uma longa lista de expedições ao Ártico, os pesquisadores conseguiram ver como o pH do oceano ao norte do Alasca e da Sibéria diminuiu rapidamente.

Nas últimas décadas, a taxa de acidificação do Oceano Ártico foi 3 a 4 vezes mais rápida do que em outros oceanos. Isso ocorre porque mais dióxido de carbono é absorvido pela água do mar quando a superfície está em contato direto com a atmosfera sem uma barreira de gelo. No passado, o gelo marinho impedia que a água do mar perto do Pólo Norte ficasse saturada com dióxido de carbono.

“A série temporal de medições de pH feitas no Oceano Ártico é longa. As mais antigas são de uma expedição em 1994, quando o manto de gelo era extenso e espesso, e as medições foram feitas nas ligações entre os blocos de gelo. Na expedição de 2014, o quebra-gelo Oden conseguiu viajar em mar aberto a meio caminho da Sibéria ao Pólo Norte”, diz Leif Anderson, pesquisador de química marinha da Universidade de Gotemburgo e um dos autores do estudo.

Acidificação maior em oceanos frios

A acidificação medida nos últimos 30 anos corresponde a cerca de 0,1 na escala de pH. Os pesquisadores estimam que o valor do pH diminuirá mais 0,3 na próxima virada do século se os níveis de dióxido de carbono continuarem a subir na atmosfera como estão hoje. O impacto será maior nos oceanos mais frios. A temperatura da água determina quanto dióxido de carbono pode ser dissolvido no oceano. Mais água doce do gelo marinho derretido também resulta em um maior efeito de acidificação pela absorção de dióxido de carbono da atmosfera devido a mudanças na química da água do mar.

Fortes correntes no Oceano Pacífico estão levando água rica em nutrientes para os oceanos polares e durante os longos dias de verão no Ártico, uma alta taxa de produção primária de fitoplâncton está ocorrendo em suas águas sem gelo. O fitoplâncton absorve muito dióxido de carbono durante a fotossíntese e, quando a água flui mais para o norte sob o gelo polar, fica subsaturada com dióxido de carbono. Mas agora que a cobertura de gelo marinho é menos extensa durante o verão, a absorção de dióxido de carbono pela água do mar pode continuar e os oceanos estão se tornando mais ácidos.

As borboletas do mar podem ser afetadas negativamente

Os pesquisadores já conseguiram notar que a acidificação afeta a vida marinha nos oceanos polares.

“O fitoplâncton, que absorve dióxido de carbono, está se beneficiando das mudanças climáticas. Para outras espécies, no entanto, as notícias não são tão boas. As borboletas marinhas são uma espécie de caracol marinho predador que possui conchas de aragonita que se formam a partir de íons de cálcio e carbonato. Medimos níveis de saturação de aragonita cada vez mais baixos no oceano em nossas expedições”, diz Leif Anderson.

As borboletas marinhas são uma espécie-chave e um alimento básico importante para muitas baleias que normalmente migram para o Oceano Ártico para se alimentar e engordar. Mas agora pode haver menos comida na despensa.

A redução da cobertura de gelo marinho é um fator importante para que os oceanos polares se tornem mais ácidos, e outro é o aquecimento da alta tundra do Ártico. Grandes quantidades de carbono orgânico estão sendo liberadas e transportadas para os rios do Ártico, onde se decompõe em dióxido de carbono, entre outras coisas, o que resulta em valores de pH mais baixos.

“Todos esses fatores são consequências das mudanças climáticas, e mais águas abertas no Ártico estão amplificando seus efeitos”, diz Leif Anderson.

Artigo na revista Science intitulado Climate change drives rapid decadal acidification in the Arctic Ocean from 1994 to 2020, disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudança climática acidifica o Oceano Ártico e afeta a cadeia alimentar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU