Haiti à beira do colapso. ONGs alertam enquanto negociações da ONU sobre restauração da ordem continuam

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

21 Outubro 2022

Os haitianos atualmente enfrentam uma série de crises que estão se tornando mais mortais a cada dia com gangues, fome e surto de cólera 

A reportagem é de Luke Taylor, publicada por The Guardian, 18-10-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

ONGs que operam no Haiti alertam que o caos que envolve o país se tornou tão total e o tecido social tão dilacerado que o país está à beira do colapso, enquanto as discussões continuam no conselho de segurança da ONU sobre como restaurar a ordem.

Os haitianos estão atualmente enfrentando uma série de crises sobrepostas que estão se tornando mais mortais a cada dia, à medida que gangues fortemente armadas continuam bloqueando o principal porto e terminal de combustível do país.

O país também está passando por sua pior fome da história, à medida que um surto mortal de cólera se espalha e gangues armadas atacam cada vez mais mulheres e crianças com violência sexual como forma de guerra.

“Em 20 anos de trabalho no Haiti, nunca vimos algo assim”, disse Fiammetta Cappellini, representante nacional da Fundação Avsi. “A violência está em toda parte e atinge a todos. As pessoas mais vulneráveis estão literalmente lutando para sobreviver, pois a ajuda humanitária não chega às pessoas”.

Na segunda-feira, os EUA e o México pediram a formação de uma força multinacional não pertencente à ONU para derrubar as gangues que agora dominam grande parte de Porto Príncipe.

A violência aumentou após o assassinato do presidente Jovenel Moïse em julho de 2021, quando as gangues – muitas das quais têm ligações com políticos do establishment – exploraram um vácuo de poder para conquistar mais terreno.

Agora, as facções que dominam a maior parte de Porto Príncipe estão usando táticas cada vez mais brutais para aterrorizar a população, disse o escritório de direitos humanos da ONU nesta sexta-feira.

O estupro coletivo de meninas e de idosas se tornou uma ferramenta “para incutir medo, punir, subjugar e infligir dor às populações locais”, concluiu a ONU em seu novo relatório.

Entre as dezenas de “testemunhos macabros” coletados pela ONU, houve casos de crianças sendo estupradas por horas na frente de seus pais e, em alguns casos, por mais de meia dúzia de homens armados.

“Surpreendentemente, o número de casos aumenta a cada dia à medida que a crise humanitária e de direitos humanos no Haiti se aprofunda”, disse Nada Al- Nashif, chefe interina de direitos humanos.

A violência sexual também está sendo usada contra vítimas de sequestro, disse a ONU. A organização documentou casos de gangues que estupraram repetidamente mulheres e meninas por dias ou semanas em cativeiro. Em alguns casos, as gangues enviam gravações em vídeo dos ataques às famílias das vítimas para pressioná-las a pagar por sua libertação.

Se não for interrompida em breve, a violência sexual tornará qualquer chance de reconciliação e construção da paz no país mais desafiadora, disse a ONU.

“Esse uso desenfreado da violência sexual corre o risco de destruir ainda mais o já profundamente frágil tecido social da sociedade haitiana nos próximos anos e pode minar as perspectivas de desenvolvimento sustentável e estabilidade duradoura”, disse o relatório.

Níveis de fome já terríveis também estão atingindo níveis “catastróficos” sem precedentes, alertou o Programa Mundial de Alimentos (PAM) na sexta-feira.

Um recorde de 4,7 milhões de pessoas estão enfrentando fome aguda, com 1,8 milhão agora em nível emergencial de desnutrição.

Pela primeira vez, milhares de haitianos estão passando fome no nível 5 – o nível de alerta mais alto do PMA e muitas vezes reservado para a fome em tempos de guerra.

A desnutrição é comum nas favelas de Porto Príncipe, mas a paralisação do país pelas gangues fez com que a fome chegasse a níveis de vida ou morte.

Muitos moradores estão impossibilitados de trabalhar devido à grave escassez de gasolina e os preços dos alimentos estão subindo, deixando 65% dos habitantes de Cité Soleil com fome e 5% deles precisando de assistência humanitária urgente, diz o PMA.

À medida que os armários ficam vazios e as torneiras secam, a cólera também voltou ao Haiti em um momento cruel.

A doença bacteriana pode ser mortal – particularmente para desnutridos – e está provavelmente se espalhando por favelas de Porto Príncipe com facilidade, dizem ONGs médicas, já que há pouca água corrente para saneamento.

A penitenciária nacional de Porto Príncipe tornou-se um centro do surto, com 14 mortes registradas na prisão superlotada.

As autoridades de saúde haitianas registraram 425 casos suspeitos e 22 mortes até 14 de outubro.

O último surto de cólera no Haiti começou em 2010 e matou 10 mil nos nove anos que levou para ser eliminado.

As ONGs temem que a história se repita se não for encontrada uma solução urgente para pacificar a violência e acabar com a escassez de alimentos e água.

“O povo haitiano não pode esperar mais”, disse Judes Jonathas, que administra o programa da ONG Mercy Corps no Haiti. “Não podemos descer ainda mais neste abismo. A urgência agora é salvar o que pode ser salvo”.

À medida que o número de vítimas de doenças, desnutrição e ferimentos a bala aumenta, o acesso aos cuidados de saúde está diminuindo, pois muitos hospitais permanecem fechados devido à escassez nacional de combustível.

“A população está em uma situação dramática e sem precedentes. Agora é realmente uma questão de vida ou morte diariamente”, disse Capellini.

“A destruição progressiva do Haiti e de suas instituições fará com que qualquer programa de estabilização e reconstrução de um estado falido para uma democracia funcional seja longo e árduo”, disse Jonathas.

“Falta uma política clara e de governação a todos os níveis, estando enfraquecidas todas as estruturas necessárias para responder aos problemas do país”, disse.

Qualquer solução internacional deve incluir também os haitianos para que seja duradoura, acrescentou. As missões da ONU no Haiti reprimiram a violência no passado, mas ela retornou rapidamente assim que partiram.

“As soluções devem ser locais, entre os haitianos, mas, claro, com o envolvimento de nossos parceiros internacionais. Se falarmos de soluções e esquecermos mais uma vez os importantes atores haitianos, será uma solução de curto prazo voltar com os mesmos problemas alguns anos depois”.

Leia mais

 

 

 

 

 

 

 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Haiti à beira do colapso. ONGs alertam enquanto negociações da ONU sobre restauração da ordem continuam - Instituto Humanitas Unisinos - IHU