Guerra, mudança climática, inflação: múltiplas crises levaram a um boom da fome global

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Outubro 2022

 

À sombra das forças globais, a irmã Monica Moeketsi vê, ouve e sente as tensões ao seu redor.

 

A inflação está pressionando todos os aspectos da vida em sua pequena nação do sul da África, Lesoto. O que custava 18 loti (1 dólar estadunidense) em fevereiro agora custa três vezes mais. Comida, sabão, suprimentos médicos – tudo está sendo afetado.

 

E isso, disse Moeketsi, levou a um aumento nas brigas, roubos, roubos e até assassinatos. As famílias lutam para manter os empregos. A violência está aumentando entre os alunos em suas escolas.

 

A reportagem é de Chris Herlinger, publicada por Global Sisters Report, 13-10-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

“É muito grave essas tensões que as famílias estão experimentando”, disse Moeketsi, irmã das Servas do Imaculado Coração de Maria (Irmãs do Bom Pastor de Quebec) e secretária-geral da Conferência de Liderança Católica da Vida Consagrada em Lesoto. “Estou seriamente preocupada”.

 

A irmã Mary Lilly Driciru vê problemas semelhantes em Uganda: a alta inflação afeta os preços dos alimentos e combustíveis – que em alguns casos dobraram apenas nas últimas semanas – e o clima imprevisível varia entre seca e inundação, tudo em um momento em que os ugandenses esperavam tempos melhores após dois anos de bloqueios relacionados à covid-19 e desacelerações econômicas.

 

“É esperança contra esperança”, disse Driciru, que disse ouvir histórias de desânimo e estresse e de pessoas que trabalham dia e noite para tentar ficar à frente em áreas pobres de Kampala, capital de Uganda.

 

 

“Muitas pessoas vivem com o mínimo necessário, e outras estão literalmente passando fome”, disse Driciru, religiosa das Irmãs Missionárias de Maria Mãe da Igreja, ao Global Sisters Report.

 

Driciru e Moeketsi, como agentes humanitárias que também conversaram com o GSR, veem uma tempestade perfeita que começou com o início da guerra na Ucrânia, em 24 de fevereiro, que abalou os mercados econômicos internacionais e interrompeu as exportações de grãos para muitas partes do mundo, levando a um aumento da fome global que não será facilmente resolvido no curto prazo.

 

Isso é particularmente pungente, já que a comunidade global marca o Dia Mundial da Alimentação em 16 de outubro.

 

Algumas coisas melhoraram nos últimos oito meses. Como parte de um acordo de grãos de julho, a Rússia aliviou o bloqueio de embarques de grãos dos portos ucranianos, o que reduziu os preços globais dos alimentos. Em setembro, a chefe de comércio das Nações Unidas, Rebeca Grynspan, disse que “1,6 bilhão de pessoas no mundo enfrentam um aumento no custo de vida, especialmente por causa do aumento dos preços dos alimentos”.

 

Mas Grynspan reconheceu que, como noticiou o UN News em setembro, as quedas de preços ainda não se refletiram nos mercados domésticos locais, como os de Lesoto e Uganda. Como resultado, os países em desenvolvimento ainda estão lutando com os altos preços dos alimentos, inflação e desvalorizações da moeda, informou a agência de notícias.

 

Apesar da retomada das exportações de grãos da Ucrânia, o mundo está “caminhando para os estoques de grãos mais apertados em anos”, informou a agência de notícias Reuters em setembro. Um problema é que a seca e o mau tempo “em regiões agrícolas importantes, dos Estados Unidos à França e China, estão diminuindo as colheitas de grãos e os estoques, aumentando o risco de fome em algumas das nações mais pobres do mundo”.

 

Ainda assim, a guerra na Ucrânia continua sendo o símbolo mais visível dos desafios para o abastecimento global de alimentos.

 

Seu impacto “recai pesado no continente africano”, disse Driciru, jornalista e comunicador de formação que atua como coordenador de comunicações e fé e justiça na África para a Associação de Religiosos em Uganda.

 

Embora o bloqueio inicial de grãos não tenha afetado diretamente países como Uganda, prejudicou a economia global de outras maneiras, com uma redução no comércio que causou estragos no câmbio, disse ela.

 

“Dado o fato de que a África ainda está se recuperando da pandemia de covid-19 com seus efeitos negativos de desemprego e tendências de negócios em declínio, a guerra russa na Ucrânia é mais um novo golpe na economia africana”, escreveu ela recentemente em uma reflexão que compartilhou com GSR.

 

“O conflito está prestes a elevar os preços dos alimentos já em alta em todo o mundo. Ucrânia e Rússia, que está sob pesadas sanções econômicas por invadir seu vizinho, respondem por um terço das exportações globais de grãos”, escreveu Driciru. “Os desafios econômicos que devem afetar o mundo também afetam a África como parte da comunidade global”.

 

Desafios semelhantes nas Américas

 

Outras partes do mundo enfrentam dinâmicas semelhantes, incluindo as Américas.

 

Lola Castro, representante regional do Programa Mundial de Alimentos para a América Latina e o Caribe, disse em entrevista ao GSR que, no início do ano, havia cerca de 8,3 milhões de pessoas na região com “grave insegurança alimentar”, sem acesso a uma fonte regular de alimentos.

 

Esses números aumentaram cerca de 15% desde o início do ano, disse Castro. Ao todo, 74 milhões de pessoas enfrentam insegurança alimentar moderada a grave, o que corresponde a cerca de 40% da população dos 11 países e territórios considerados, disse a porta-voz do Programa Mundial de Alimentos, Norha Restrepo.

 

Os números da inflação em alguns países são reveladores, acrescentou Castro: a Colômbia teve 2% de inflação de alimentos em 2019 e cerca de 25% este ano, disse ela.

 

“Todos os países onde trabalhamos também importam mais do que produzem, ou pelo menos meio a meio, mas temos países que importam 80% do que consomem”, disse. “E, obviamente, embora na América Latina e no Caribe não estejamos comprando diretamente do Mar Negro, compramos indiretamente, e também compramos fertilizantes muito diretamente. Portanto, estamos vendo um impacto geral nos preços globais dos alimentos”.

 

E embora os preços dos alimentos tenham caído nas últimas semanas, eles ainda não voltaram aos níveis anteriores, e muitas pessoas ainda não podem comprar os alimentos de que precisam, disse Castro.

 

Os desafios da inflação global são apenas um fator nas atuais dificuldades econômicas na região, disse ela.

 

“A covid-19 trouxe uma enorme desaceleração econômica e aumento da pobreza e perda de ganhos da classe média e de desenvolvimento” que foram obtidos ao longo de quase três décadas, disse Castro. “Embora não devamos esquecer os mais pobres dos pobres que são os que mais sofrem, a covid trouxe a classe média da América Latina a níveis quase de pobreza por não ter uma almofada”.

 

Outra dinâmica preocupante: as mudanças climáticas. No mês passado, dois grandes furacões – Fiona e Ian – atingiram a República Dominicana e Cuba, respectivamente. Embora Ian tenha ganhado força sobre a Flórida, seus efeitos sobre Cuba foram consideráveis, disse Castro.

 

“O que aconteceu em Cuba, no oeste de Cuba, é uma grande perda, também, da produção que eles tiveram de tabaco, banana, mandioca e outros produtos”, disse ela. “A crise climática continua sendo um problema e um problema para a segurança alimentar na região”.

 

Acrescente a guerra na Ucrânia, e “está agravando as crises, uma após a outra, e a resiliência das pessoas é corroída, basicamente. Eles não podem mais lidar. Quero dizer, você é uma família, uma mulher que cultiva no corredor seco de Honduras, e você tem o furacão Eta [2020]”, disse ela. “Além disso, você tem a covid-19, onde você não pode plantar ou não pode mover sua colheita. E então você percebe que tudo o que você compra tem o dobro do preço”.

 

Pressões semelhantes existem nos Estados Unidos, disse a irmã dominicana Donna Markham, presidente da Catholic Charities USA (Cáritas dos EUA).

 

As pessoas economicamente pobres nos Estados Unidos agora são tão “vulneráveis quanto as pessoas em qualquer parte do mundo”, disse Markham em entrevista à GSR. O resultado, disse ela, é que os serviços da Catholic Charities, como despensas de alimentos, estão sendo levados ao limite, e a fadiga dos doadores está aumentando.

 

“Estes são tempos difíceis e desafiadores”, disse Markham.

 

Além das preocupações atuais nos Estados Unidos, estão o trauma e o sofrimento contínuos da pandemia, as divisões políticas sérias e muitas vezes feias e a escassez de moradias que fez com que os preços das casas disparassem.

 

Tais problemas afetam as áreas urbanas e rurais nos Estados Unidos, disse Markham.

 

“Há grandes necessidades em todos os lugares”, disse ela.

 

Irmãs e grupos de ajuda fazem o melhor com o que têm

 

Desvendar todas essas grandes necessidades globalmente pode levar pelo menos dois a três anos, disse Shaun Ferris, consultor técnico sênior para agricultura, meios de subsistência e mercados da organização humanitária Catholic Relief Services, com sede em Baltimore.

 

Como há menos divisas no mundo desde o início da guerra na Ucrânia, Ferris disse que os governos estão mais limitados sobre o que podem fazer para combater alguns dos desafios.

 

Isso significa um fardo maior para os grupos humanitários para preencher as lacunas.

 

“A situação é muito séria e há uma necessidade [de responder] para aqueles em crise”, disse Ferris, que mora em Nairóbi, no Quênia. Isso inclui assistência de longo prazo aos agricultores pelos próximos cinco a 10 anos e até mesmo além, devido aos desafios da seca e das mudanças climáticas em grande parte do mundo.

 

Na África Oriental, a falta de chuva está “se tornando um problema a cada ano”, disse ele. “Os efeitos das mudanças climáticas estão se tornando mais graves”.

 

Ação para combater as mudanças climáticas nas áreas afetadas ainda é possível aumentar a produção agrícola em partes da África, disse Ferris. “A África pode percorrer um longo caminho para se alimentar, mas precisa de apoio”.

 

Como está agora, a África Oriental está à beira de uma grande crise de segurança alimentar por causa dos efeitos das mudanças climáticas, a diminuição dos mercados devido aos desafios relacionados à covid, a guerra na Ucrânia e o aumento dos preços dos alimentos, disse Ferris .

 

“Todos estão tendo um efeito cascata, com vários fatores acontecendo ao mesmo tempo”, disse ele.

 

Um resultado: uma perda geral de confiança, disse ele.

 

“Quando milhões de pessoas perdem a esperança no futuro, isso não é bom para nenhuma sociedade”, disse ele.

 

Moeketsi no Lesoto disse que as congregações religiosas podem se sentir frustradas em um ambiente incerto em que os líderes políticos percebidos como corruptos não estão fazendo o suficiente para enfrentar a crise atual.

 

Sua congregação está fazendo o possível para fornecer alimentos quando necessário.

 

Em Uganda, Driciru vê desafios e problemas semelhantes. Ela disse que a corrupção do governo mina qualquer esperança real de mudança substancial e significativa.

 

“Tirar proveito dos pobres faz parte da ordem do dia”, disse ela sobre o atual clima político.

 

As oito congregações que administram escolas no Lesoto estão mantendo o foco em ajudar os alunos a vislumbrar um futuro melhor – parte dos esforços, disse Moeketsi, para que as congregações “façam um esforço extra”.

 

Driciru disse que isso é importante durante um período de tensão e incerteza global e local.

 

“É hora de estarmos atentos uns aos outros”, disse ela, “assim como Jesus respondeu às necessidades de seu tempo”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Guerra, mudança climática, inflação: múltiplas crises levaram a um boom da fome global - Instituto Humanitas Unisinos - IHU