Grech: as cartas ao Caminho Sinodal… delações, não críticas

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

31 Agosto 2022

O secretário geral do Sínodo dos Bispos, Cardeal Mario Grech, considera as cartas abertas sobre o Caminho Sinodal da Igreja alemã como uma “delação pública”.

A reportagem é publicada por Katholisch.de e reproduzida por Settimana News, 30-08-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

Em uma entrevista, publicada na edição temática do Herder Korrespondenz, destacou que a correção fraterna e o diálogo são algo positivo.

No entanto, ele discorda do método usado pelos críticos em relação ao Caminho Sinodal. "Não serve a nada. Só polariza ainda mais”- disse o cardeal.

Mesmo não comentando o conteúdo das cartas das Conferências Episcopais Polonesa e Nórdica, Grech disse ter a impressão de que certos temas discutidos na Alemanha também estivessem sendo discutidos em outros partes e Igrejas locais.

Na entrevista, o chefe do escritório sinodal também falou sobre a organização do processo sinodal mundial. O feedback da fase diocesana será avaliado por um círculo de especialistas muito mais amplo do que o habitual. Até agora, era costume que a preparação de um documento de trabalho sinodal fosse confiada a um ou dois teólogos.

Em vez disso, Grech reunirá um grupo de 24 a 30 especialistas que prepararão um primeiro esboço do documento de trabalho em um retiro de duas semanas. “Será uma experiência sinodal e espiritual”, explicou o cardeal. Os homens e mulheres que fazem parte deste grupo vêm "de todo o mundo e de diferentes áreas", e em sua maioria já estão envolvidos no processo sinodal.

Segundo o cardeal, atualmente 14 pessoas trabalham na Secretaria do Sínodo. Além disso, foram criadas quatro comissões que tratam de questões teológicas, espirituais, metodológicas e comunicativas, nas quais trabalham um total de 70 a 80 pessoas. Com o fim da primeira fase do processo sinodal mundial, mais de 100 das 114 Conferências Episcopais enviaram seus resultados. O documento de trabalho elaborado nesta base será apresentado daqui a dois meses para ser discutido posteriormente em sete assembleias episcopais continentais.

As assembleias da África, Oceania, Ásia, Oriente Médio, Europa, América Latina e Estados Unidos/Canadá devem preparar seus documentos até março de 2023, que serão incorporados a um segundo documento de trabalho para a Assembleia Sinodal dos Bispos em Roma em outubro de 2023

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grech: as cartas ao Caminho Sinodal… delações, não críticas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU