O Papa, a Jon Sobrino: “Obrigado pelo seu testemunho”

Mais Lidos

  • Papa Francisco revela aos reitores latino-americanos o título da “segunda parte” da Laudato Si’: Laudate Deum

    LER MAIS
  • “Não existe no país uma reivindicação de demarcação da praia de Copacabana, quanto menos de todo território nacional”, explica jurista

    LER MAIS
  • Que padre, para que Igreja. Artigo de Francesco Cosentino

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Outubro 2018

Jon Sobrino com o papa Francisco (Foto: Religión Digital)

A canonização de Romero serviu para Jon Sobrino, um dos mais importantes teólogos da libertação, se encontrar com o Papa Francisco e manter com ele uma breve conversa, que tem muito de reabilitação do outrora ‘perseguido’ jesuíta basco naturalizado salvadorenho.

A reportagem é de José Manuel Vidal, publicada por Religión Digital, 17-10-2018. A tradução é de André Langer.

O encontro entre o Papa e o teólogo aconteceu na Sala Paulo VI, para onde Francisco se dirigiu, para saudar os mais de seis mil salvadorenhos ali reunidos para participar da missa de ação de graças pela canonização de São Oscar Arnulfo Romero.

O Papa entrou na sala depois da missa presidida pelo cardeal Rosa Chávez e concelebrada, em sinal de comunhão, por todos os bispos de El Salvador e pelo cardeal hondurenho Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga.

E desatou-se o delírio entre as pessoas que se aglomeravam no estreito corredor pelo qual Francisco ia passando, cumprimentando, abençoando e parando aqui e ali. Entre as pessoas e precisamente ao lado de Jon Sobrino e outro companheiro jesuíta salvadorenho estava Javier Sánchez, capelão da prisão de Nalvalcarnero, amigo pessoal do teólogo e entusiasta de dom Romero e de “sua Terra Santa salvadorenha”.

Javier Sánchez (Foto: Religión Digital)

Ainda emocionado, o capelão conta o encontro entre Francisco e Sobrino.

“Quando passou por nós e já estava se voltando para o outro lado do corredor, o jesuíta salvadorenho disse ao Papa:

- Santidade, aqui está Jon Sobrino.

E o rosto de Francisco se iluminou, sorriu abertamente, aproximou-se e deu ao teólogo jesuíta um abraço efusivo e carinhoso”.

Este foi o diálogo rápido entre os dois:

- Ah, Jon.

- Deixei-lhe o último livro que publiquei e que se chama Conversações. Imagino que vão lhe entregá-lo.

-Obrigado, Jon, pelo livro, mas especialmente pelo seu testemunho.

E outras mãos puxavam o Papa pela batina, e Francisco continuou, não sem antes dedicar outro sorriso sincero e agradecido ao teólogo que salvou sua vida, quando os esquadrões da morte mataram Ignacio Ellacuría e seus companheiros jesuítas, pelo fato de que não se encontrava em casa nesses dias.

E Javier, o capelão da prisão de Nalvalcarnero, analisa o encontro que viveu de perto: “Pareceu-me um momento excepcional. Chamou-me a atenção, sobretudo, a expressão do Papa e como, ao ouvir o nome de Sobrino, mudou a expressão do rosto, como se agradecesse a quem estava ali e pudesse cumprimentá-lo e agradecer-lhe por sua vida, pelos seus livros e por seu testemunho. Uma espécie de reabilitação completa”.

E isso que, como depois confessaria a Religión Digital, Sobrino não concordava com a canonização do seu amigo dom Romero. Primeiro, porque já era, há muito tempo, São Romero da América. E, segundo, para que não seja domesticado ou instrumentalizado. Mas, enfim, ali estava ele, regozijando-se com a alegria de seu povo salvadorenho, que, como nos tempos de Romero, ainda continua “crucificado”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa, a Jon Sobrino: “Obrigado pelo seu testemunho” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU