Síria. "Os bispos ortodoxos sequestrados estão bem”

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Jonas | 28 Mai 2013

Os dois bispos sequestrados em fins de abril, próximo de Alepo, o sírio Yohanna Ibrahim e o greco-ortodoxo Boulos Yazij, “estão bem”, disse hoje, em Istambul, um dirigente da Coalizão da oposição síria. Por ocasião de uma reunião da Coalizão, que está sendo realizada desde a quinta-feira passada, na metrópole turca, o representante da oposição, Abdul Ahad Steipho, disse aos jornalistas que “há dois ou três dias um médico visitou os bispos: estão bem”. Steipho não deu mais detalhes sobre os sequestradores.

A reportagem é publicada no sítio Vatican Insider, 25-05-2013. A tradução é do Cepat.

Os religiosos foram sequestrados por homens armados, no dia 22 de abril, enquanto voltavam para a cidade de Alepo, na fronteira turca. Seu motorista foi assassinado. Fontes da Igreja greco-ortodoxa de Alepo haviam apontado que os sequestradores eram jihadistas chechenos. Desde então, não houve reivindicações por parte de nenhum grupo, assim como também não houve pedidos de resgate. Expoentes da oposição, num primeiro momento, tinham apontado que os sequestradores pertenciam às forças do regime de Damasco.

Muitos pediram expressamente sua libertação, incluindo o papa Francisco. Segundo a televisão libanesa, Al Manar, ligada ao Hezbollah, os dois bispos estariam nas mãos do grupo extremista jihadista “os soldados do califado islâmico”.

Hoje, Steipho apontou que o comitê constituído pela Coalizão da oposição (que tem uma forte influência da Irmandade Muçulmana) não conseguiu estabelecer um contato telefônico direto com os bispos e que recebeu informação “contraditória sobre a identidade dos sequestradores”. O representante da oposição acrescentou que “estes sequestros, às vezes, são obra de grupos criminais, às vezes das forças do regime e, às vezes, (é preciso ser honestos), das brigadas do exército sírio livre, para realizar trocas de prisioneiros”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Síria. "Os bispos ortodoxos sequestrados estão bem” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU