Prorrogação de prazo dos lixões atende reivindicação de prefeitos, diz Confederação Nacional dos Municípios (CNM)

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Outubro 2014

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, disse nesta quarta-feira que a prorrogação do prazo para o fim dos lixões é uma reivindicação dos prefeitos, que têm dificuldades de cumprir a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10).

A reportagem é de Luiz Gustavo Xavier, publicada pela Agência Câmara Notícias, 16-10-2014.

A prorrogação até 2018 foi aprovada na noite de terça-feira pela Câmara dos Deputados, por meio de emenda à Medida Provisória 651/14. A MP ainda precisa ser votada pelo Senado.

Ziulkoski ressaltou que o custo para transformar todos os atuais lixões em aterros sanitários está estimado em R$ 70 bilhões. “Não adianta dizer que é o prefeito que tem que resolver, onde está a União para resolver isso? Onde está o próprio Congresso, que fez a lei? Onde estão os governadores? Onde está o cidadão, que é o maior poluidor?”, questionou.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos definiu os parâmetros básicos para coleta, reciclagem e destinação do lixo e estabeleceu prazo até 2 de agosto deste ano para a extinção dos lixões e para a criação de aterros sanitários. Caso não cumpram a regra, os municípios poderão responder por crime ambiental, com multas que variam de R$ 5 mil a R$ 50 milhões; e os prefeitos, por improbidade administrativa.

Desrespeito

O deputado Alfredo Sirkis (PSB-RJ) afirmou, no entanto, que a prorrogação do fim dos lixões é uma má solução para os problemas apontados pela CNM. “Teria sido muito mais inteligente negociar termos de ajustamento de conduta com o Ministério Público”, declarou.

Sirkis reconheceu que vários municípios não têm recursos e precisam de apoio dos governos federal e estaduais, mas considerou a prorrogação do prazo um desrespeito aos municípios que acabaram com os lixões. “Acho que criar uma lei e depois não respeitá-la, e criar uma outra para quem não respeitou a lei, é um desrespeito para quem de fato se esforçou e cumpriu aquele prazo”, afirmou.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse o governo é contra essa prorrogação e que a presidente Dilma Rousseff poderá vetá-la.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Prorrogação de prazo dos lixões atende reivindicação de prefeitos, diz Confederação Nacional dos Municípios (CNM) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU