Só a radicalização salva os negros. Artigo de Ricardo Corrêa

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Outubro 2022

 

"Ou radicalizamos a luta, ou o racismo seguirá esmagando a todos nós", afirma Ricardo Corrêa, especialista em Educação Superior e Tecnólogo industrial.

 

Eis o artigo.

 

 

Os meus amigos estão com a saúde mental bastante fragilizada, e eu me encontro na mesma condição, afinal, somos todos negros sobrevivendo em uma sociedade descaradamente racista. Impossível escapar ileso. Aliás, como o racismo estrutura as relações sociais não temos saída, a não ser minorar as dores. A constante exposição nos adoece, ao ponto de até abreviar as nossas vidas. As doenças evitáveis nos perseguem, além das “balas perdidas”.

 

Lamentavelmente, o retrocesso civilizatório parece ser a sina dos brasileiros, é por isso que são mínimas as minhas esperanças de uma sociedade mais acolhedora. As pessoas demonstram cada vez mais um fascínio por reacionários. Tão verdade que parcela considerável dos políticos eleitos, no primeiro turno das eleições de 2022, está alinhada aos pensamentos contrários a luta pelos direitos humanos. Nesse sentido, não adianta acreditarmos que os direitos à população negra surjam naturalmente através do Estado. Mas é possível que a população negra, organizada e radicalizada, consiga melhorar a própria condição social. Para tanto, devemos nos afastar das discussões que jogam sombra ao que realmente importa no combate ao racismo, e repelir pensamentos que flertam com o individualismo, com a defesa do capitalismo e a divinização a personalidades. A nós, importa, fundamentalmente, desconstruir todos os diferentes instrumentos a serviço do racismo.

 

Porém, isso só ocorrerá ao superarmos os desafios, mencionados pelo sociólogo Clóvis Moura (1988), que impedem a massificação da consciência negra, da consciência crítica, fundamentais para o estímulo do eu revolucionário dos negros.

 

"A herança da escravidão que muitos sociólogos dizem estar no negro, ao contrário, está nas classes dominantes que criam valores discriminatórios através dos quais conseguem barrar, nos níveis econômico, social, cultural e existencial a emergência de uma consciência crítica negra capaz de elaborar uma proposta de nova ordenação social e de estabelecer uma verdadeira democracia racial no Brasil."

 

Os poucos radicais negros que aparecem são cooptados pelo sistema; e os que resistem, sabotados. Afinal, os mesmos colocam em risco o projeto de alienação das pessoas oprimidas, defensoras do status quo e do próprio sofrimento. O radical é um farol na luta! E, diferente do que muitos acreditam, ele não é sectário e defensor da violência. Conforme o educador Paulo Freire (1987), o radical é uma pessoa com apurado senso crítico. É contra a passividade diante da violência do dominador. Está sempre junto das massas e se comunica de forma clara. Elabora análises e estratégias relacionando a realidade concreta e a subjetividade.

 

Vamos pensar juntos. De acordo com o IBGE (2022), os negros totalizam 56% da população brasileira. Imagine se a maioria dessas pessoas não recuasse um só milímetro perante o racismo. Homens e mulheres negros denunciando os comportamentos racistas dos brancos. Organizando amplos protestos de combate ao racismo, não apenas quando acontecem casos brutais de violência racista. Elegendo políticos negros compromissados com as pautas antirracistas e anticapitalistas. Construindo e participando de agremiações focadas na cultura negra e na defesa dos direitos humanos. Elaborando boicotes contra empresas e comércios com histórico racista. Educando jovens negros e adultos negros acerca das questões raciais. Trabalhando coletivamente para desmantelar toda lógica racista institucional (justiça, economia, política) que impede o nosso acesso aos direitos básicos. Lembrando sempre a sociedade de que o racismo jamais será tolerado. Claro que esses exemplos são básicos, mas digo que soam revolucionários, se considerarmos que o racismo colocou na cabeça do negro um sentimento de inferioridade, o responsabilizou pelas próprias mazelas, e assim o imobilizou.

 

Os brancos, não pertencentes às classes dominantes, foram domesticados e cooperam com o racismo em troca de míseras vantagens, mesmo não sendo poupados das violências resultantes do capitalismo. Estão cegos. Assumiram o ódio, a repulsa e o silêncio perante as injustiças contra os negros; em alguns momentos ficam indignados  quando veem corpos negros tombados pela violência, mas nada que provoque uma mudança de comportamento que os estimulem a discutirem seriamente como podem utilizar os privilégios na luta antirracista. Infelizmente, participam ativamente na manutenção do racismo, de maneira consciente e inconsciente.

 

Por tudo isso, a radicalização dos negros é a única forma de mitigarmos o sofrimento. Vamos ampliar as maneiras de difusão do conhecimento para o povo negro. Recusemos as migalhas que o sistema oferece. Deixemos de lado as distrações como "preto no topo", "a favela venceu", "favela é potência" e exaltação às conquistas individuais como se fossem coletivas. Ou radicalizamos a luta, ou o racismo seguirá esmagando a todos nós. Lembre-se, estamos por nossa própria conta e − definitivamente − nada será concedido sem exigência, como ensinou o revolucionário sul-africano Steve Biko.

 

 

Referências

 

BIKO, Steve. Escrevo o que eu quero. São Paulo: Editora Ática, 1990.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Editora Ática, 1988.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Só a radicalização salva os negros. Artigo de Ricardo Corrêa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU