Martin Scorsese está fazendo um filme sobre Jesus. Aqui estão quatro armadilhas que ele deve evitar

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Junho 2023

"Martin Scorsese fazendo outro filme sobre Jesus é motivo de empolgação. Mal posso esperar para ver o que ele fará com isso. Só espero que seja uma surpresa", escreve o jesuíta estadunidense Jim McDermott, em artigo publicado por America, 01-06-2023.

Eis o artigo.

No fim de semana, Martin Scorsese anunciou que está prestes a começar a filmar um novo filme sobre Jesus. Em uma coletiva no Vaticano, Scorsese descreveu o projeto como uma resposta "ao apelo do papa aos artistas", ao qual ele disse ter respondido "da única maneira que sei: imaginando e escrevendo um roteiro para um filme sobre Jesus".

Seu filme não é o único filme ou programa de TV de destaque sobre Jesus em andamento. A sequência de Mel Gibson para seu polêmico “A Paixão de Cristo”, com o subtítulo “A Ressurreição”, também deve ser lançada em 2024, assim como a 4ª temporada de “Os Escolhidos”, o popular programa de streaming que detalha todo o ministério de Jesus. Neste Natal também veremos uma versão musical live-action da história de Maria e José chamada “Journey to Bethlehem”, com Antonio Banderas como o rei Herodes.

Mas enquanto o caminho para criar uma grande história sobre Jesus está cheio de boas intenções, também há muitas minas terrestres. Aqui estão alguns pensamentos sobre onde ficam essas minas terrestres e como evitá-las.

1. Vá com calma na reverência

A hagiografia tem muito valor, principalmente como meio de inspiração. Mas também pode acabar parecendo não terrivelmente relacionável. Nós entendemos, Jesus era o Senhor. Mas se você continuar dizendo isso repetidamente, não há muito espaço para nós mesmos observarmos e sentirmos. Isso não é um filme, realmente; é um sermão – e não um grande. Scorsese é um dos maiores cineastas do mundo. Seus filmes são repletos de personagens incandescentes e mundanos, lutando fortemente com grandes ideias católicas como pecado, ganância e sacrifício.

E, no entanto, seus filmes explicitamente católicos anteriores, “A Última Tentação de Cristo” e “Silêncio”, às vezes tiveram problemas para superar o que parece ser um desejo tremendo (e comovente) da parte dele de apresentar Jesus e aqueles que o seguem em reverência. Quando “A Última Tentação” foi lançado, foi considerado controverso porque imaginava Jesus sendo tentado a se afastar de seu chamado para se estabelecer e ter uma família. Mas, mesmo assim, a maneira como Jesus e seus discípulos são apresentados e realizados parece de alguma forma capturada no âmbar da devoção e do sacrifício.

O mundo não precisa de um Jesus desbocado que atira em bandidos ou dá festas em Hollywood Hills. Mas seria emocionante e potencialmente muito significativo ver um cineasta tão talentoso quanto Martin Scorsese considerar Jesus com o tipo de ousadia que ele trouxe para tantos outros assuntos. Como o Papa Francisco disse no fim de semana passado a Scorsese e outros artistas reunidos, Jesus não deve ser domesticado.

2. Faça algo novo

Quase todos os filmes de Jesus parecem ter a intenção de contar toda a história de seus anos de ministério, culminando em sua crucificação e morte. Isso é compreensível. Mas, neste ponto, temos muitas versões dessa história para escolher. E há tantas outras possibilidades a considerar. Por exemplo, em vez de sentir que precisa contar toda a história, por que não se concentrar em um único momento ou período da vida de Jesus?

Seria fascinante seguir Jesus nos primeiros meses de seu ministério, observando-o aprender por tentativa e erro quem exatamente ele é e o que deveria fazer. Ele é um ser humano como nós, tentando entender as coisas.

Ou um filme poderia investigar algum aspecto de sua vida sobre o qual não sabemos nada (o que é a maior parte). Conte-me uma história sobre Jesus no ensino médio, sendo apenas um garoto normal e tendo uma aventura com seus amigos. Pense em “The Goonies” ou “Stand by Me”, mas no Antigo Oriente Médio. Podemos até tentar trabalhar em um gênero diferente. Eu adoraria um filme assustador sobre Jesus e o endemoninhado geraseno, que vagueia entre túmulos fora da cidade, rejeitado, assustador e com medo. Uma coisa é um homem dizer que quer sair de casa e ajudar as pessoas. Mas lidar com uma pessoa que diz ter toda uma legião de demônios dentro de si? Como Jesus compreendeu isso, e lidou com isso?

3. Não tenha medo do prazer Não faz muito tempo, Adam Sandler ganhou o Prêmio Mark Twain por sua comédia. Ao considerar seu corpo de trabalho, notei que o Sandler sempre contou histórias do tipo do Messias. Repetidas vezes, seus heróis acabam se sacrificando para salvar suas comunidades. Sandler e muitos outros como ele conseguem contar esse tipo de história ao mesmo tempo em que fornecem um fluxo constante de prazer. Seus filmes nos fazem rir e nos sentir bem, mas seus próprios heróis também têm prazer na vida. O mundo pode ser difícil para eles, mas também é um lugar maravilhoso com infinitas novas experiências para saborear.

Jesus tinha que ser alguém que amava a vida, porque as pessoas não deixam suas casas e famílias para seguir solitários excêntricos, pregadores que os ameaçam ou mesmo milagres por muito tempo. (Depois de conseguir o seu milagre, eventualmente você vai para casa.) Não, seguimos pessoas que têm uma visão da vida que torna nossas próprias vidas mais significativas, o que inclui ser mais agradável, mais prazeroso, mais divertido.

Se Jesus era alguém em quem as pessoas acreditavam tão profundamente, ele tinha que ser alguém que tinha um sentimento de alegria e era uma fonte regular disso para os outros também. Simplificando: pelo menos parte do tempo, Jesus deve ser divertido.

4. Tenha bons consultores

Isso parece um pouco de autopromoção descarada, então leve isso com um grande grão de sal, mas acho que o principal problema com muitas histórias de Jesus é que as pessoas que as fazem estão operando sem muito conhecimento ou experiência de Jesus. Não acho que você precise ser um crente para ter uma história convincente sobre Jesus; no mínimo, suspeito que um descrente possa ter uma história mais interessante para contar. Mas se você vai contar uma história sobre Jesus, você deve ter alguns profissionais à disposição para oferecer feedback, senso de contexto e sugestões. É como a maioria das coisas; você nem sabe o que não sabe até trazer alguém com mais experiência.

Não tenha medo de olhar além dos suspeitos de sempre: o fato de um cara ser padre não significa que ele tenha acesso especial a Jesus. Em minha experiência, alguns dos católicos mais profundos espiritualmente hoje podem ser encontrados entre as ordens de mulheres religiosas que lutam e pregam por justiça. E se você está escrevendo um filme sobre a vida de Jesus, um judeu do Oriente Médio, por que não consultar um teólogo judeu? Ou alguém que é realmente do Oriente Médio?

Martin Scorsese fazendo outro filme sobre Jesus é motivo de empolgação. Mal posso esperar para ver o que ele fará com isso. Só espero que seja uma surpresa.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Martin Scorsese está fazendo um filme sobre Jesus. Aqui estão quatro armadilhas que ele deve evitar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU