Pesquisa indica potenciais do Brasil na produção de hidrogênio verde

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Janeiro 2023

O hidrogênio verde tem potencial para descarbonizar diferentes setores, entre eles, destacam-se indústrias química e petroquímica, bem como as indústrias de alumínio, metais e de cimento.

A reportagem é publicada por EcoDebate, 26-12-2022.

País tem uma das matrizes elétricas mais limpas do mundo, recursos naturais abundantes e deve se preparar para demanda de produção a partir de 2030 e 2035.

A matriz energética de alto potencial renovável do Brasil e a abundância dos recursos naturais colocam o país como potencial protagonista na liderança de produção de hidrogênio verde no mundo. A avaliação faz parte da Pesquisa Hidrogênio Verde e O Futuro das Matrizes Energéticas, realizada pela PwC Brasil.

Cerca de 85% da energia elétrica no país é gerada a partir de fontes renováveis, uma das matrizes elétricas mais limpas do mundo. Para se ter uma ideia desse potencial, grandes economias mundiais utilizam cerca de 30% a 40% de fontes renováveis para geração de energia elétrica.

“Sendo um dos países líderes no potencial de produção de hidrogênio verde, o Brasil está muito bem posicionado. Além de oferecer recursos naturais em abundância e a preços competitivos, o país também tem boa localização geográfica para exportar para a Europa. A região Nordeste se destaca neste contexto, especialmente os Estados do Ceará e de Pernambuco. Fora da região, o Rio de Janeiro também tem conduzido projetos importantes para a produção de hidrogênio verde”, comenta o sócio da PwC Brasil, Adriano Correia, responsável pelo estudo.

Em resposta à corrida do setor industrial por uma nova tecnologia renovável, o combustível é a aposta para uma transição energética sustentável. Sem emitir gases que causam o efeito estufa, o hidrogênio verde é o elemento mais abundante e leve do mundo, com uma ampla gama de aplicações, de refino a petroquímica e fabricação de aço. Ele é também uma rica fonte de energia, muito mais eficiente do que outros combustíveis.

O estudo ainda aponta que a tecnologia para produção já está consolidada e que o grande desafio seria o custo de produção. Neste aspecto, há uma tendência mundial de queda que, se alterada a curva de custo, permitirá criar uma oportunidade significativa para viabilizar projetos e impulsionar o crescimento econômico sustentável, acelerando a substituição dos combustíveis fósseis.

“Os cenários de moderada e alta ambição apresentam uma demanda de hidrogênio mais forte a partir de 2030 e outro forte aumento a partir de 2035. Para cumprir as metas climáticas de Paris, o planejamento da infraestrutura deve começar agora”, completa Adriano Correia.

Para que o hidrogênio verde será usado?

O hidrogênio verde tem potencial para descarbonizar diferentes setores, entre eles, destacam-se indústrias química e petroquímica, bem como as indústrias de alumínio, metais e de cimento. Além disso, poderá ser utilizado como combustível para meios de transporte (carros, navios, caminhões, ônibus) e como fonte alternativa para o sistema energético.

Entretanto, não há como evoluir sem colocar foco na construção de marcos regulatórios que tragam segurança aos investidores, incentivo à pesquisa, ao desenvolvimento de tecnologias e adoção das melhores práticas internacionais para exportação. Recentemente, o governo publicou duas novas portarias que definem regras e diretrizes complementares para cessão de uso de áreas fora da costa, além de fixar normas para criação do Portal Único para Gestão do Uso de Áreas Offshore para Geração de Energia.

“Um desafio para esse tema, em particular, é ter um pouco mais de clareza em relação à regulamentação. As portarias são um primeiro passo importante. É preciso ter isso claro para dar maior segurança aos projetos e investidores”, destaca Adriano Correia.

Demanda por hidrogênio verde

Outro ponto fundamental para a viabilidade de projetos de infraestrutura em hidrogênio verde é a garantia de demanda mínima estável ao longo prazo. O estudo da PwC Brasil indica que as projeções de demanda podem variar significativamente devido a diferentes premissas, como desenvolvimento das atividades econômicas, demanda global de energia, preços de eletricidade renovável, intensidade de uso em diferentes setores, implantação de tecnologia, como eletrificação ou captura e utilização/armazenamento de carbono e desenvolvimento do quadro regulatório.

Neste contexto, destacam-se, em primeiro lugar, os atuais projetos de hidrogênio em construção e em operação. E, em segundo lugar, o planejamento e a construção da infraestrutura para uso de hidrogênio em grande escala, como dutos ou terminais de exportação/importação. Idealmente, a infraestrutura necessária será construída em paralelo à crescente demanda, a custos decrescentes, para garantir que seja comercializado e transportado nas quantidades e prazos necessários.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pesquisa indica potenciais do Brasil na produção de hidrogênio verde - Instituto Humanitas Unisinos - IHU