“Só seremos uma Igreja autenticamente sinodal se superarmos a marginalização das mulheres”

Foto: Cathopic

22 Dezembro 2021

 

Birgit Weiler, coordenadora do Documento de Discernimento Comunitário da Assembleia Eclesial da América Latina e Caribe, participa do II Colóquio Vedruna “Mulheres na Igreja e na sociedade”;

• “ Cada vez mais jovens, mulheres e também homens, com maior acesso a uma educação que os ajude a refletir criticamente, não estão dispostos a aceitar relações de dominação mais hierárquicas e clericalizadas ... De que Deus estão falando se Deus prefere o homem e só ele quer ser representado pelo homem? eles se perguntam”.

 

A reportagem é publicada por Provincia Vedruna Europa, 16-12-2021. 



Como Igreja, “jogamos muito” na erradicação da desigualdade contra as mulheres. “Isso não é apenas para mulheres; tem a ver com a missão, com a nossa credibilidade no mundo de hoje”. Estas são as palavras da geral da Congregação Vedruna, María Inés García, no II Colóquio "Mulheres na Igreja e na sociedade". O evento serviu como a apresentação de um questionário realizado na Congregação durante a celebração do Conselho Geral Amplo (AGC), em abril passado, no qual os participantes, representando todas as províncias da Congregação (África, América, Índia, Japão e a delegação das Filipinas) votou a discriminação contra as mulheres na Igreja como uma das questões prioritárias a serem trabalhadas até 2023, data do próximo capítulo geral.

 

Na véspera do início da CGA, María Inés García, geral da congregação, estrelou o I colóquio sobre as mulheres na Igreja com a superiora das Filhas de Jesus (Jesuítas), María Graciela Francovig, e Pedro Aguado, geral dos Escolapios, assim como Mamen Barrena, coordenador geral do Laicato Vedruna. Todos os palestrantes concordaram na necessidade de dar muito mais atenção ao problema do machismo eclesial, sem medo de levantar uma voz crítica, mas apontando para a sinodalidade - o compromisso do Papa Francisco com uma Igreja mais horizontal e participativa - como uma solução. A sinodalidade e a igualdade das mulheres, insistiu María Inés García, devem "andar de mãos dadas".

 

O diagnóstico é amplamente compartilhado pelas irmãs Vedruna. Os resultados da pesquisa apontam para o clericalismo como a grande causa de discriminação na Igreja. A demanda dos participantes não é apenas um maior acesso das mulheres às instâncias decisórias, mas também novas formas de exercício de autoridade e uma maior educação para a igualdade. Ou seja, uma sinodalidade maior.

 

Neste segundo colóquio, no dia 4 de dezembro, a teóloga alemã Birgit Weiler, missionária no Peru e professora da Pontifícia Universidade Católica do Peru, falou e encontrou grandes coincidências entre as conclusões do estudo da Vedruna e as demandas pela igualdade das mulheres que se verificam hoje na Igreja da América Latina. A religiosa, da Congregação das Irmãs Médico-Missionárias, acaba de participar da Primeira Assembleia Eclesial da América Latina e Caribe, onde foi uma das coordenadoras do Documento de Discernimento Comunitário. Em 2019 ela foi uma das especialistas convidadas pelo Papa para participar como especialista do Sínodo da Amazônia.

 

Ao lado de Weiler, falaram a Vedruna Inma Eibe, teóloga, enfermeira e integrante do grupo musical Ain Karen, e o autor do estudo, Ricardo Benjumea. A jornalista Patrizia Morgante moderou.

 

"Neste Deus não podemos acreditar"

 

Para Birgit Weiler, a reivindicação da igualdade das mulheres na Igreja ganhou “uma força como nunca tivemos na América Latina” e está intimamente ligada à credibilidade da Igreja, problema que hoje atinge todos os continentes.

 

“Cada vez mais jovens, mulheres e também homens, com maior acesso a uma educação que os ajude a refletir criticamente, não estão dispostos a aceitar relações de dominação mais hierárquicas e clericalizadas ... De que Deus estão falando se Deus prefere o homem e só Ele quer ser representado pelo homem ?, eles se perguntam. Eles não querem acreditar neste Deus. O Cardeal Hollerich [presidente da COMECE, Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia] disse-me que experimenta algo muito semelhante com os jovens [que lhe dizem]: 'Neste Deus não podemos acreditar. Ou mude algo ou vamos buscar outras maneiras de viver nossa fé'.

 

Com o patriarcalismo “todos perdemos: nós, os homens, também. A própria igreja fecha as portas do futuro, adoece e envelhece sem remédio”, assinalou Inma EIbe na mesma linha. "Quantas pessoas escolherão não pertencer e permanecer em uma área onde, desde o início, a desigualdade é tão clara e evidente?".

 

Por um lado, reconheceu a religiosa Vedruna, nos últimos anos tem havido “passos importantes”, particularmente no que diz respeito ao acesso das mulheres às áreas de responsabilidade, “mas são insuficientes; são insuficientes para mim ”. Com notáveis exceções, como as vividas em muitas "pequenas paróquias, comunidades cristãs, experiências intercongregacionais ...", a realidade é que "a desigualdade é uma realidade objetiva" que causa muito abuso de poder e muito sofrimento em muitas pessoas. Diante disso, muitas vezes a Vida Religiosa feminina opta por calar "porque nos assusta, porque nos sentimos inseguras, sem conforto ...". No entanto, esta não é uma batalha que deve ser travada "apenas por nós, mas pelas mulheres e homens que virão depois de nós".

 

Eibe recorreu à imagem da mulher cananéia, “uma mulher que não é judia e convence Jesus por meio de um longo diálogo”. A primeira resposta que você recebe é não. Mas “ela insiste continuamente, não por ela, mas por sua filha”, para a admiração do próprio Jesus. Essa é a atitude, em sua opinião, que deve ser mantida. Primeiro, "muito treinamento, não apenas teológico", sobre esse problema. E depois, doses fortes de “perseverança”, sabendo que, como a mulher cananéia, “vamos receber muitas vezes da Igreja um não como resposta”.

 

Dirigindo-se em particular à Família Vedruna, irmãs e leigos, o especialista bíblico destacou que “temos real potencial, real poder”, devido à forte presença social da pastoral Vedruna em vários campos, desde a educação aos hospitais, passando pelo trabalho com Jovens. "Não tenhamos medo do poder", disse ele. “Podemos e devemos utilizá-lo de forma adequada para promover o caminho da igualdade, valorização e promoção das mulheres, como fez Joaquina de Vedruna, também no âmbito eclesial”.

 

Uma nova concepção de poder

 

O caminho não começa do zero. Birgit Weiler destacou a contribuição da Igreja de muitas mulheres ao longo da história para recuperar a igualdade que prevalecia nas primeiras comunidades cristãs. Em particular, a missionária deteve-se na teologia feminista surgida a partir dos anos 70 do século XX, “no espírito de Jesus, que ousou desafiar as relações de dominação entre homens e mulheres na sua cultura e no seu tempo”.

 

Apesar dessa forte raiz evangélica, "não é fácil falar livremente na América Latina de uma teologia feminista, porque é facilmente interpretada como contra os homens, contra a hierarquia ...", reconheceu. O objetivo, porém, é “libertar as pessoas, começando pelas mulheres, mas também convidando os homens neste movimento contra o que nos oprime, que não nos permite viver livremente com a dignidade que Deus nos deu. É disso que se trata, uma libertação para uma vivência mais autêntica do Evangelho, que requer “a mudança das estruturas patriarcais” e uma revisão “de como entendemos o poder”.

 

Um grito da América Latina

 

Passos importantes estão sendo dados. Inma EIbe referiu-se a várias respostas no inquérito de religiosos que indicaram que não lhes era permitido ler na Eucaristia ou não tinham acesso aos estudos de teologia. As recentes reformas do Código de Direito Canônico tornaram definitivamente históricas essas situações.

 

Sobre a situação específica da América Latina, Weiler referiu-se à solicitação do Papa à Pontifícia Comissão para a América Latina de organizar uma jornada de reflexão sobre a presença das mulheres na Igreja e na sociedade, que finalmente aconteceu em março de 2018. das conclusões, destacou, “foi reconhecida a invisibilidade das mulheres e sua exclusão de muitos âmbitos eclesiais”, além da proposta de um sínodo sobre as mulheres.

 

Nesta linha de reflexão, continuou em novembro a Primeira Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe, com a participação de mais de 70.000 pessoas.

 

Na Síntese final há uma forte exigência, “já um clamor por um novo lugar para as mulheres na Igreja e na sociedade”, frisou a teóloga, uma das escolhidas para coordenar o Documento de Discernimento Comunitário da Assembleia.

 

É abertamente reconhecido, continuou citando textualmente, que na esfera eclesial "algumas autoridades, em muitos casos, são conservadoras, sexistas e clericais", e dificultam "o acesso das mulheres a cargos de liderança ou gestão em uma Igreja dominada por homens, quando são a grande maioria do povo de Deus, missionários, religiosos, etc”.

 

Se a Igreja “marginaliza os leigos em geral, ainda mais as mulheres”, lê-se em outra das citações do documento, junto com a denúncia de que “a voz dos religiosos às vezes foi ignorada (minimizada)”. Indica também “uma teologia patriarcal, que não é libertadora, que não considera o pensamento das mulheres e não se adaptou à nova realidade” e que não “abre seriamente a reflexão sobre a possibilidade de receber ministérios encomendados às mulheres, quando a Igreja é povoada principalmente por mulheres”.

 

Como conclusão final, diante do sínodo sobre a sinodalidade em 2023, Birgit Weiler considera que “só seremos uma Igreja verdadeiramente sinodal se superarmos o clericalismo e a marginalização e exclusão das mulheres”.

 

Além disso, ele avisou que, apesar da força que esse movimento está tomando, muitos momentos de desânimo serão vividos. Uma coisa é falar e outra, quando chega o momento de agir. “Quando os homens acham que isso é sério, especialmente clérigos e bispos, a experiência é dolorosa. Mesmo bem-intencionados, eles agem a partir de um sistema onde é muito claro quem tem o poder. Você tem que assumir que isso vai ser um processo, não vai mudar da noite para o dia”.

 

Enquanto isso, disse ela, as mulheres "precisam acompanhar umas às outras em nossas várias experiências", positivas e negativas. “A solidariedade entre nós é muito importante”; "Tem um efeito muito transformador".

 

 

Leia mais

 

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV