“Marighella se encontrou com o seu público”, diz Wagner Moura ao MST na Bahia

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

10 Novembro 2021

 

Sessão do filme em território emblemático de conflito agrário mobilizou a militância e amigas(os) do movimento presentes no evento cultural e em defesa da Reforma Agrária. 

 

A reportagem é de Lays Furtado, publicado por Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST, 09-11-2021.

 

Ao longo deste sábado (6), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra promoveu um encontro histórico reunindo a militância e amigas(os), onde foi exibido o filme que conta a trajetória do líder revolucionário Carlos Marighella.

O encontro não poderia ter sido sediado em outra parte senão na Bahia, comentou João Paulo Rodrigues, da Direção Nacional do MST. Considerando que, apesar de Carlos ter militado para libertar toda a nação brasileira de regimes autoritários, o líder comunista era baiano assim como o diretor do filme, Wagner Moura, que também esteve presente no evento.

Foi um momento simbólico onde “Marighella se encontrou com o seu público”, mencionou Wagner Moura. O ato contou com a presença de inúmeras personalidades das artes, cultura, militância e política que resguardam o legado do ícone revolucionário e apoiam a luta do MST por Reforma Agrária Popular no país.

“O sentimento é muito potente… essa foi a exibição do filme mais importante que tivemos até agora!”, afirmou Wagner Moura sobre a sessão especial do filme Marighella no assentamento Agroecológico Jacy Rocha, no Prado, Bahia.

Principalmente considerando um histórico emblemático de conflitos agrários que vêm sendo sofridos por Sem Terras na região. Desde o ano passado, o Governo Bolsonaro tenta intervir por meio de órgãos federais contra o movimento no Prado, onde ocorreu a exibição do filme. Além dos ataques de milícias armadas que aconteceram na última semana.

“Não há nada mais poderoso pra mim, do que quando eu sinto que existe uma conexão verdadeira entre a luta de Marighella e a vontade que nós tivemos de falar dessas lutas, e as lutas que estão acontecendo agora no Brasil”, pontuou Wagner.

O diretor do filme declarou que o encontro simbólico e histórico entre a obra “Marighella” e seu público o faz acreditar em um futuro melhor para o país. E apontou o desejo de fazer o filme ir além do narrar a resistência à ditadura militar, sua intenção verdadeira é falar sobre todos(as) aqueles(as) que dedicaram suas vidas pela democracia e direitos no país.

“Eu não vejo luta histórica mais importante no Brasil do que a luta contra o racismo e a luta pela terra. O MST é o movimento social mais poderoso que eu conheço. A sensação que eu tive é que o filme tinha encontrado o seu público, mesmo!”, sinalizou Moura.

Antes da exibição do filme, desde a manhã do sábado (6), o assentamento foi palco de uma programação diversa de atividades, reunindo cerca de mil pessoas. Houve a Plenária dos Povos de Terreiro, Indígenas e Quilombolas, concomitante a realização da Feira Agroecológica com os produtos da Reforma Agrária de várias partes da Bahia e Armazéns do Campo.

De tarde, houve o ato político em defesa da Reforma Agrária. Na ocasião, saudaram o movimento as(os) participantes da mesa representando as siglas do Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Comunista do Brasil (PCdoB), União Nacional dos Estudantes (UNE), Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) e Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Reafirmando o compromisso com o “Plano Nacional Plantar Árvores e Produzir Alimentos Saudáveis”, foram plantadas 2 mil árvores nativas em homenagem ao líder revolucionário, com a participação de seus familiares e outras(os) convidadas(os). “Marighella também é uma semente da nossa luta”, declarou Bárbara Loureiro, coordenadora do plano nacional, lembrando que essa semana completa 52 anos de sua morte.

Em falas emocionadas durante o plantio, Bernardo, indígena Pataxó, declarou que é preciso plantar as sementes do amanhã para as futuras gerações. Pastor Henrique Vieira saudou o MST e a resistência popular em nome de Marighella, Zumbi, Dandara, entre muitas(os) outras(os) que tombaram pela humanidade. Maria Marighella, neta do guerrilheiro, afirmou que “a democracia é um arado que a gente não pode deixar de disputar”.

Além de Wagner Moura, parte do elenco do filme estiveram presentes Herson Capri, Bella Camero e Felipe Velozo. A cineasta Tata Amaral também marcou presença, assim como os atores Leandro Ramos e Ernesto Xavier. A artista Preta Rara, Otto e Pally Siqueira também compareceram ao evento, entre outras(os) influencers, políticos, sindicalistas, jornalistas e amigas(os).

 

Nota do Instituto Humanitas Unisinos – IHU

 

No dia 18 de novembro (quinta-feira), às 17h30, O Prof. Dr. Vladimir Safatle, da USP, apresentará a conferência Vida e morte de Carlos Marighella: uma resistência na encruzilhada da ditadura. A atividade integra o IHU ideias, que tem como objetivo fomentar o debate sobre temas da atualidade, abrangendo as áreas de atuação do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

 

Vida e morte de Carlos Marighella: uma resistência na encruzilhada da ditadura

 

Leia mais 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Marighella se encontrou com o seu público”, diz Wagner Moura ao MST na Bahia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU