COP26: O que há de novo no Acordo sobre Florestas?

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

30 Outubro 2021

 

Há quatro temas prioritários para o governo do Reino Unido na COP26 em Glasgow: carros, carvão, dinheiro e árvores. É sobre esses temas que os anfitriões reunirão mais esforços para obter acordos que possam representar o sucesso do evento.

A reportagem é de Cínthia Leone, publicada por Instituto ClimaInfo, reproduzida por EcoDebate, 29-10-2021.

No que se refere às árvores, um acordo sobre florestas é esperado na terça-feira, 2 de novembro, durante a Cúpula Mundial de Líderes. Abaixo está um resumo do que pudemos apurar sobre este acordo:

 

O que há de novo no Acordo sobre Florestas?

 

O acordo recomprometerá os países a deter e reverter a perda e degradação das florestas até 2030. Esta promessa já tinha sido feita na declaração de Nova Iorque sobre florestas em 2014. A novidade é que este acordo estabelecerá pela primeira vez um pacote de medidas para ajudar a cumprir essa meta, o que incluirá:

  • Povos Indígenas: Um compromisso de proteger as comunidades indígenas como guardiãs do mundo natural e um pacote específico de apoio de fontes públicas e filantrópicas. Espera-se ainda que os anúncios de financiamento público incluam novos financiamentos para proteger especificamente a Floresta do Congo. Um resumo sobre o papel crítico dos povos indígenas para proteger as florestas está aqui

  • Finanças: Vários agentes financeiros públicos e privados devem enfatizar seus compromissos para combater o desmatamento, incluindo o anúncio de portfólios livres de desmatamento. Também são esperados anúncios adicionais sobre a iniciativa LEAF – uma parceria público-privada que busca mobilizar pelo menos US$ 1 bilhão para proteger as florestas.

  • Sinais regulatórios: Legisladores e reguladores devem destacar os riscos materiais associados ao desmatamento, e é provável que haja sugestões de endurecimento de medidas regulatórias. Também é possível que sejam anunciadas novas legislações destinadas a garantir que as cadeias de abastecimento internacionais estejam livres do desmatamento – o que já está em consideração na União EuropeiaEUA, e Reino Unido.

  • Comércio internacional e cadeias de fornecimento: O acordo provavelmente fornecerá mais detalhes sobre as iniciativas existentes que reúnem grandes produtores e grandes consumidores de produtos ligados ao desmatamento, como carne bovina, soja e óleo de palma. Por exemplo, o Fact Dialogue (Floresta, Agricultura e Comércio de Commodities), supervisionado pelos governos britânico e indonésio, deve apresentar um roteiro voluntário para reduzir o desmatamento de commodities impulsionado pelo desmatamento.

 

Quem apoia o Acordo?

 

A União Europeia, a Indonésia e a República Democrática do Congo estão entre as partes que já concordaram em apoiar um acordo com essas bases. O Brasil está entre os governos federais que alegadamente ainda não sinalizaram positivamente para a assinatura, mas partes do acordo são ativamente apoiadas por empresas brasileiras, governos estaduais e organizações da sociedade civil.  

 

O acordo será efetivo?

 

O Forest Deal parece ser um grande passo à frente em termos de escala e qualidade da resposta internacional ao desmatamento. Com ele, mais países passam a estar envolvidos em discussões sobre como parar o desmatamento, mais recursos estarão disponíveis de fontes públicas e privadas, e uma gama de ferramentas políticas, de regulamentação e financeiras passam a ser colocadas em prática para enfrentar o problema.

O acordo está em grande parte focado na prevenção do desmatamento. Embora este seja um primeiro passo essencial, muitos especialistas dizem que esta é apenas uma parte da solução e enfatizam a necessidade de apoio aos países para fazer a transição para economias mais sustentáveis que proporcionem benefícios sociais e econômicos para as milhões de pessoas que vivem dentro e ao redor das florestas.

 

Por que um acordo sobre florestas está sendo buscado na COP26?

 

As florestas desempenham um papel fundamental na regulação do clima local, nacional e global. Elas absorvem dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, ajudando a manter a temperatura média global mais baixa. De acordo com o World Resources Institute, florestas absorvem atualmente 30% de todas as emissões de CO2.

O desmatamento significa que menos CO2 é absorvido, ao mesmo tempo em que mais emissões são feitas, especialmente em regiões tropicais. Isto porque as florestas liberam o carbono armazenado naturalmente quando a madeira é queimada, quando as árvores morrem ou quando são deixadas para apodrecer depois de terem sido cortadas. Entre 2019-20, a perda florestal tropical emitiu 2,6 bilhões de toneladas métricas de CO2, equivalente às emissões anuais de 570 milhões de automóveis.

De acordo com o IPCCtodos os cenários para limitar o aquecimento a 2°C neste século dependem de reduções no desmatamento e na degradação das florestas. O IPCC também constatou que proteger as florestas existentes é uma maneira mais rápida, melhor e mais barata de estabilizar o clima global do que o plantio de novas árvores.

Além de alimentar a crise climática global, o desmatamento tem um grande impacto sobre o clima e temperatura locais e padrões de chuva regionais. Por exemplo, na Amazônia brasileira e no Cerrado, o desmatamento está levando a temperaturas mais altas, estações secas mais longas e estações chuvosas mais curtas.

 

Biomas em destaque nas negociações do Forest Deal:

 

  • Amazônia: a maior floresta tropical do mundo é um enorme sumidouro de carbono, armazenando o equivalente de quatro a cinco anos de emissões humanas de carbono. O desmatamento, em grande parte alimentado pela expansão da pecuária e da soja, atingiu níveis recordes pelo terceiro ano consecutivo em 2021 no Brasil. Isto está minando a capacidade da Amazônia de agir como um sumidouro de carbono e empurrando-a perigosamente para perto de um ponto de viragem – o tipping point – a partir do qual o bioma não será capaz de se autorregular.

  • Bacia do Congo: as árvores da segunda maior floresta tropical do mundo absorvem cerca de 1,2 bilhão de toneladas de CO2 a cada ano. Mas o calor extremo e a seca causados pela mudança climática estão afetando a capacidade do bioma de absorver carbono. O desmatamento é impulsionado em grande parte por agricultura, infraestrutura e extração de madeira. No ritmo atual, estima-se que toda a floresta primária poderá se perder até o final do século.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

COP26: O que há de novo no Acordo sobre Florestas? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU