Grito dos Excluídos e Excluídas: fazer ecoar o grito daqueles que estão excluídos de quase tudo

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

08 Setembro 2021

 

Um país dividido, onde o enfrentamento está se tornando uma realidade perigosa, onde a luta por direitos, por vida para todos se tornou uma urgência, comemorava neste 7 de setembro o Dia da Pátria. As ruas de muitas cidades se tornaram palco de manifestações, de um lado os apoiadores do atual presidente, do outro aqueles que reclamavam por um país com maior igualdade e direitos para todos.

A reportagem é de Luis Miguel Modino.

A Igreja católica, desde 1995 em que aconteceu o 1º Grito dos Excluídos defendeu essa Vida para todos em primeiro lugar. Ao longo dos anos, essa procura por vida foi se concretizando de diferentes modos. Em 2021, o 27º Grito dos Excluídos e Excluídas, centrou sua luta na participação popular, saúde, comida, moradia, trabalho e renda, lutas urgentes num país que passa por momentos de grave dificuldade.

 

27º Grito dos Excluídos e Excluídas (Foto: Luis Miguel Modino)

 

Tem sido muitas as dioceses no país que tem organizado este momento neste 7 de setembro, onde além das Pastorais Sociais, diversos movimentos sociais, sindicatos, partidos políticos, têm clamado por soluções diante da crise atual, com grande aumento da fome e do desemprego, da população de rua, e das ameaças aos direitos dos povos originários reconhecidos pela Constituição Federal.

Em Manaus, o ato contou com a presença do arcebispo local, Dom Leonardo Ulrich Steiner. Ele insistiu na necessidade de fazer uma leitura da realidade, de lermos as necessidades marcadas neste ano de 2021 para o Grito dos Excluídos e Excluídas. O arcebispo insistiu em que a Vida está em primeiro lugar, “não o dinheiro, não a ganância, não o prazer, não a dominação, mas a vida. A vida que somos nós, a vida que são os pobres, a vida que são os necessitados, a vida que são os doentes, a vida que são as crianças, a vida que são as mulheres, tão atacadas ultimamente, a vida dos nossos irmãos e irmãs, são os negros, os indígenas”.

 

Dom Leonardo Ulrich Steiner no 27º Grito dos Excluídos e Excluídas (Foto: Luis Miguel Modino)

O arcebispo de Manaus enfatizou que “o ser humano deve estar em primeiro lugar, mas o ser humano não vive só, ele vive com as criaturas, com a natureza”. Por isso, Dom Leonardo fez um chamado a “nos movimentarmos cada vez mais no cuidado com a natureza”, denunciando que quando não cuidamos da natureza, não estamos cuidando da vida. Isso faz com que “nós acabamos nos enterrando a nós mesmos, destruindo a nós mesmos”, segundo o arcebispo.

 

27º Grito dos Excluídos e Excluídas (Foto: Luis Miguel Modino)

 

Lembrando os elementos presentes no lema do 27º Grito dos Excluídos e Excluídas, o arcebispo lembrou “quantas pessoas sem moradia, quantas pessoas sem comida”, recordando que a Arquidiocese de Manaus, através da Caritas e das comunidades, atende oitenta mil pessoas. Junto com isso, Dom Leonardo abordou a necessidade da busca pela paz, “num momento de muita dificuldade, um momento de tanta tensão, de tanta violência, violência nas palavras, violência nos gestos, tantas agressões”, algo presente na política, na justiça, no poder, realidades diante das quais, “as vezes ficamos de braços cruzados”.

 

Dom Leonardo Ulrich Steiner no 27º Grito dos Excluídos e Excluídas (Foto: Luis Miguel Modino)

 

Nessa conjuntura, o Grito dos Excluídos e Excluídas tem que ser “momento de nos manifestarmos, de novo de dizermos da necessidade de marcarmos presença como cristãos, de marcarmos presença como cidadãos e cidadãs, para que não se perca nenhum dos nossos irmãos e irmãs”, segundo o arcebispo de Manaus. Ele chamou a “fazer ecoar o grito daqueles homens e daquelas mulheres que estão excluídas da justiça, da educação, da saúde, da moradia, da ecologia”. Um grito por vida, por vida para todos e todas, em primeiro lugar, a exemplo de Jesus que veio para que todos tenham vida em abundância.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grito dos Excluídos e Excluídas: fazer ecoar o grito daqueles que estão excluídos de quase tudo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU