“Sermos a presença do silêncio de Deus, que fala aos mais necessitados”, pede Dom Leonardo Steiner ao clero de Manaus na Missa dos Santos Óleos

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

31 Agosto 2020

A pandemia da COVID-19 tem mudado a vida da Igreja, provocando situações desconhecidas, mas sempre querendo responder aos desafios pastorais de uma realidade nova. O afastamento social fez com que celebrações importantes fossem adiadas. Uma delas foi a missa dos Santos Óleos, que nas últimas semanas está sendo celebrada em diferentes dioceses do Brasil. Neste sábado, 29 de agosto, tem sido a vez da Arquidiocese de Manaus, que reuniu seu clero e representantes da vida religiosa e das diferentes pastorais para participar do momento em que o clero renova suas promessas sacerdotais.

A reportagem é de Luis Miguel Modino.

Em Manaus já faz dois meses que estão acontecendo celebrações presenciais, com capacidade limitada a 30% e restrição da presença de idosos e crianças. Na sexta-feira tinha acontecido o primeiro encontro presencial do clero desde o início da pandemia, momento em que foi homenageado o Padre Cairo Gama, que, com 41 anos de idade, faleceu no dia 4 de maio, vítima da COVID-19. Dom Leonardo Steiner definiu esse momento como o mais difícil desde sua chegada em Manaus, no dia 31 de janeiro.

(Foto: Luis Miguel Modino)

O arcebispo de Manaus lembrou que “na distância tivemos que fazer a despedida de alguém que era meu, mas que ainda não tinha se tornado meu”. Dom Leonardo Ulrich Steiner reconheceu que tem sido um tempo difícil, pelo fato de querer conhecer a arquidiocese e não poder. Na celebração da Missa dos Santos Óleos, ele refletiu sobre o silêncio de Deus, um silêncio que deixa ressoar a Palavra, que no caso de Jesus, revelou-lhe a vocação e a missão: anunciar o Reino de Deus.

“O silêncio concede às palavras uma nova força, um novo vigor, nova hermenêutica, pois o silêncio que recolhe as palavras, possibilita uma nova criação”, segundo o arcebispo de Manaus. Suas palavras têm especial relevância em um momento em que o silêncio tem se instalado como uma atitude presente na vida da humanidade. Por isso, Dom Leonardo Steiner afirmou que “somos Palavra nascidos do silêncio, pois nascemos no encontro, onde tudo ainda é silêncio, no encontro não existem palavras”.

(Foto: Luis Miguel Modino)

Falando sobre a unção, elemento presente na liturgia da Missa dos Santos Óleos, o arcebispo afirmou que ela “é para os pobres, os presos, os doentes e quantos estão tristes e abandonados”. A partir das palavras do Papa Francisco, ele lembrou ao clero que “a unção não é para nos perfumar a nós mesmos, e mesmo ainda para que a conservemos no frasco, pois o óleo tornar-se-ia rançoso e o coração amargo”. Dom Leonardo Steiner advertiu sobre o perigo de deixar de ser mediador e se tornar um intermediário, um gestor, algo próprio do sacerdote que não sai de si mesmo. O perigo é ser padres colecionadores de antiguidades ou de novidades, em vez ser pastores com cheiro de ovelha.

Dom Leonardo Steiner convidou os padres da arquidiocese de Manaus “a sermos a presença do silêncio de Deus, que fala aos mais necessitados”. Ele também agradeceu pela “disponibilidade de cada um, a dedicação ao povo de Deus, às nossas comunidades, a presença reconciliadora e consoladora, agradecer o que cada um realizou nesses dias de pandemia. Quanta dedicação, quanta prontidão”. Ele acrescentou sua “gratidão por ungir o povo na escuta, gratidão por abrir os olhos para perceber a presença de Deus nesse tempo em que pensávamos Ele ter nos esquecido”.

(Foto: Luis Miguel Modino)

O arcebispo de Manaus também agradeceu “aos que estão nas regiões mais pobres, vivendo pobres, gratidão por terem saído de si mesmos, sendo consolo e conforto”, a quem “foi presença confortadora nos dias mais difíceis nos nossos cemitérios”, pedindo que “não se esqueçam dos pobres”, e também “sejam presença restauradora junto aos que sofrem e não encontram lugar de liberdade e paz”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Sermos a presença do silêncio de Deus, que fala aos mais necessitados”, pede Dom Leonardo Steiner ao clero de Manaus na Missa dos Santos Óleos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU