ONU, OCDE e Banco Mundial pedem aos governos que invistam na economia de baixo carbono

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Dezembro 2018

Investimentos na economia de baixo carbono e infraestruturas resilientes são necessários para limitar os efeitos das mudanças climáticas

A reportagem é de ONU News, reproduzida por EcoDebate, 30-11-2018.

Organizações internacionais lembram a necessidade de investir em infraestruturas resilientes para limitar os efeitos das mudanças climáticas. (Foto Banco Mundial)

Os 20 países mais desenvolvidos do mundo, G20, devem permitir uma mudança radical de investimento na economia de baixo carbono e em infraestruturas resilientes para limitar os efeitos das mudanças climáticas.

O apelo foi feito esta quinta-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, Ocde, a agência da ONU para o Meio Ambiente, ONU Meio Ambiente, e o Banco Mundial.

Relatório

Em relatório intitulado “Financiar o Clima do Futuro: Repensar as Infraestruturas”, entregue ao G20 na Cimeira que começou esta quinta-feira, em Buenos Aires, as três organizações afirmam que os governos devem adotar uma agenda mais transformadora que invista na economia de baixo carbono e que seja resiliente ao clima.

Segundo o documento, só assim será possível alcançar a meta definida no Acordo de Paris de eliminar as emissões de dióxido de carbono na segunda metade do século.

A chefe de pessoal da Ocde, Gabriela Ramos, considera que “investir em baixo carbono e em infraestruturas resilientes é vital para o futuro do planeta e pode fomentar o crescimento econômico.”

Conselhos

O relatório sublinha que a energia, os transportes, os edifícios e as infraestruturas hídricas representam mais de 60% das emissões de gases com efeito de estufa.

As organizações internacionais apresentam seis maneiras de alinhar os fluxos financeiros públicos e privados com os objetivos de Paris, em particular no financiamento de infraestruturas.

Para tal, recomendam o planejamento de infraestruturas sustentáveis e resilientes para um futuro com baixas emissões, acelerar a inovação, assegurar a sustentabilidade fiscal, redefinir o sistema financeiro, repensar o financiamento do desenvolvimento para o clima e capacitar os governos municipais para construir sociedades urbanas de baixa emissão e resilientes.

Investimentos

O relatório diz que aumentar os investimentos públicos e privados em infraestruturas de baixa emissão e sustentáveis é fundamental para aumentar a resiliência.

A análise da OCDE mostra que a mudança do investimento em opções de baixo carbono, combinada com reformas estruturais, poderia aumentar o PIB global em até 5% até 2050, enquanto se reduz as emissões. Isso inclui os efeitos de menores riscos de danos causados por eventos climáticos extremos.

De acordo com a Ocde, os governos gastam US$ 0,5 trilhão de dólares por ano para subsidiar petróleo, carvão ou gás e não estão fazendo uso suficiente dos gastos públicos como alavanca para descarbonizar as economias, investindo em infraestrutura de baixa emissão e inovação.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ONU, OCDE e Banco Mundial pedem aos governos que invistam na economia de baixo carbono - Instituto Humanitas Unisinos - IHU