Mistério de bondade

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

14 Junho 2019

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo João 16,12-15 que corresponde à Festa da Santíssima Trindade ciclo C, do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. 

Ouça a Leitura do Evangelho.

 

Eis o texto

Ao longo dos séculos, os teólogos têm-se esforçado por aprofundar o mistério de Deus mergulhando conceitualmente na Sua natureza e expondo suas conclusões com diferentes linguagens. Mas, com frequência, nossas palavras escondem Seu mistério em vez de revelá-lo. Jesus não fala muito de Deus. Oferece-nos simplesmente Sua experiência.

A Deus, Jesus chama-Lhe «Pai» e experimenta-O como um mistério de bondade. Vive-O como uma Presença boa que abençoa a vida e atrai Seus filhos e filhas para lutar contra o que prejudica os seres humanos. Para Ele, o mistério último da realidade que os crentes chamamos de «Deus» é uma presença próxima e amigável que abre caminho no mundo para construir, conosco e junto a nós, uma vida mais humana.

Jesus nunca separa esse Pai do seu projeto de transformar o mundo. Não pode pensar nele como alguém encerrado no Seu mistério insondável, de costas para o sofrimento dos seus filhos e filhas. Por isso, pede aos seus seguidores para se abrir ao mistério desse Deus, acreditar na Boa Nova do Seu projeto, juntar-nos a Ele para trabalhar por um mundo mais justo e feliz para todos, e procurar sempre que a Sua justiça, a Sua verdade e a Sua paz reinem cada vez mais no mundo.

Por outro lado, Jesus experimenta-se a Si mesmo como «Filho» desse Deus, nascido para impulsionar na Terra o projeto humanizador do Pai e para o levar à sua plenitude definitiva acima até mesmo da morte. Por isso, procura a todo o momento o que quer o Pai. A Sua fidelidade a Ele leva-o a buscar sempre o bem dos Seus filhos e filhas. Sua paixão por Deus traduz-se em compaixão por todos os que sofrem.

Por isso, toda a existência de Jesus, o Filho de Deus, consiste em curar a vida e aliviar o sofrimento, defender as vítimas e reclamar para elas justiça, semear gestos de bondade, e oferecer a todos a misericórdia e o perdão gratuito de Deus: a salvação que vem do Pai.

Finalmente, Jesus age sempre impulsionado pelo «Espírito» de Deus. É o amor do Pai que o envia para anunciar aos pobres a Boa Nova do seu projeto salvador. É o alento de Deus o que move a curar a vida. É a Sua força salvadora que se manifesta em toda Sua trajetória profética.

Este Espírito não se extinguirá no mundo quando Jesus estiver ausente. Ele mesmo promete assim aos Seus discípulos. A força do Espírito os fará testemunhas de Jesus, Filho de Deus e colaboradores do plano salvador do Pai. Assim, os cristãos vivem praticamente o mistério da Trindade.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mistério de bondade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU