Giorgio La Pira, político italiano, rumo ao processo de beatificação

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Julho 2018

O primeiro passo para o processo de beatificação de Giorgio La Pira (1904-1977). O Papa Francisco autorizou a Congregação para as Causas dos Santos promulgar o decreto sobre as “virtudes heroicas” do “prefeito santo” de Florença.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi, publicada por Vatican Insider, 05-07-2018. A tradução é do Cepat.

Advogado e político, que nasceu em Pozzallo, Sicília, em 1904, foi animador da Ação Católica quando era jovem. La Pira chegou a Florença em 1926 para se licenciar e ficou a vida toda na capital toscana. A partir de 1933, foi sua a cátedra de instituições de direito romano.

Deputado democrata-cristão que participou no processo Constituinte, foi parlamentar e depois subsecretário de Estado no ministério do Trabalho (1948-1949). La Pira também foi, por dois mandatos, prefeito de Florença, de 1951 a 1957 e de 1961 a 1966, tornando-se uma figura conhecida por suas batalhas sociais de inspiração evangélica e pelas iniciativas de distensão e paz, como a que em 1965 o levou ao Vietnã, seu sonho do Mediterrâneo como um “grande lago de Tiberíades” e seu compromisso em favor dos países em vias de descolonização.

Em várias ocasiões, João Paulo II recordou La Pira, como quando, por exemplo, apontou sua “extraordinária experiência de homem político e de crente, capaz de unir a contemplação e a oração à atividade social e administrativa, com uma predileção pelos pobres e os que sofrem”.

O presidente da Conferência Episcopal da Itália, cardeal Gualterio Bassetti, conheceu La Pira e se referiu a ele em várias ocasiões como exemplo atual para os nossos dias: “não se pode compreender sua figura sem considerar sua vocação mística, abundante na profundidade e na misericórdia”.

A causa de beatificação de La Pira começou em nível diocesano, em Florença, em 1986, e terminou em 2005. Agora, com a assinatura do Papa Francisco, o “servo de Deus” La Pira se torna “venerável” e o processo avança um passo crucial.

Além de La Pira, durante a audiência que concedeu hoje ao cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Francisco também autorizou a promulgação dos decretos sobre as virtudes heroicas do italiano Pietro Di Vitale (1916-1940), de Alessia González-Barros y González (1971-1985) e de Carlo Acutis, jovem que nasceu na Inglaterra e morreu de leucemia, aos quinze anos, em Monza (1991-2006).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Giorgio La Pira, político italiano, rumo ao processo de beatificação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU