Celebrações relembram os 14 anos do assassinato de Dorothy Stang

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Fevereiro 2019

Assassinada há 14 anos, a agente pastoral Dorothy Stang tem sua morte lembrada nesta terça-feira (12). Como veio a tornar-se tradição, no dia da morte de Dorothy é realizada também a cerimônia de crisma na comunidade de Anapu, Estado do Pará, município onde a missionária foi morta e que está localizado às margens da Rodovia Transamazônica. Ao todo, sete pessoas serão crismadas em meio à programação em memória ao dia 12 de fevereiro de 2005. As atividades serão realizadas no Centro São Rafael, local onde o corpo de Dorothy está sepultado.

A reportagem é de Mário Manzi, publicada por Comissão Pastoral da Terra - CPT, 12-02-2019.

O dia de memória pela morte de Dorothy é também ocasião para relembrar a luta pela terra e pela floresta, que permitiu a milhares de famílias a possibilidade de cultivar a terra coexistindo com o respeito à floresta. As manifestações também lembram a morte das trabalhadoras e trabalhadores rurais assassinados em decorrência da luta pela terra.

A CNBB de Belém também fará memória aos 14 anos de assassinato de Dorothy, será realizada um celebração às 18 horas deste dia 12.

14 anos

Dorothy Stang foi executada com seis, no lote 55 do Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) – Esperança, no dia 12 de fevereiro de 2005. O assassinato foi encomendado, em decorrência da disputa por terras que pertencem à União, por dois fazendeiros, Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, e Regivaldo Pereira Galvão, conhecido como Taradão.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Celebrações relembram os 14 anos do assassinato de Dorothy Stang - Instituto Humanitas Unisinos - IHU