Sobre o segredo sinodal, o Papa Francisco arrisca destruir a aldeia para salvá-la?

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Setembro 2023

"Na verdade, o efeito mais óbvio de um decreto de sigilo é garantir que a narrativa relativa ao Sínodo será dominada pelas suas vozes mais extremistas, ou seja, pessoas com agendas para impulsionar e eixos para trabalhar, que falarão sobre o que está acontecendo independentemente do que aconteça, o livro de regras pode dizer".

O artigo é de John L. Allen Jr., jornalista vaticanista e editor, publicado por Crux, 14-09-2023. 

Eis o artigo. 

Conforme relatado pela primeira vez ontem por Loup Besmond de La Croix, o Papa Francisco aparentemente está considerando impor segredo pontifício ao próximo Sínodo dos Bispos sobre a sinodalidade, não apenas sobre opiniões e votos, como era prática passada, mas sobre todas as questões abordadas durante as discussões sinodais. O objetivo declarado seria proteger a franqueza e a honestidade dessas discussões. De acordo com Besmond, tal disposição está atualmente no projeto de regulamento do Sínodo que está sendo considerado pelo papa. Supondo que o relatório esteja correto, certamente se compreende a preocupação subjacente.

Se algo controverso ou desafiador for dito dentro do sínodo e imediatamente transmitido para o mundo, isso será rapidamente alimentado no moedor de salsichas das brigas ideológicas entre esquerda e direita nas redes sociais e transformado em uma causa célebre antes mesmo que alguém tenha um oportunidade de pensar a respeito, provavelmente endurecendo posições e tornando o consenso mais difícil de alcançar.

Qualquer pessoa minimamente informada reconhece que este é um medo real, sugerindo que um desafio definitivo para o Sínodo será resistir ao perigo de uma arma ideológica dos seus procedimentos. Por outro lado, é razoável perguntar se uma imposição de segredo pontifício neutralizaria esse risco, ou na verdade o tornaria pior.

Para começar, há uma questão de ótica. O Papa Francisco é um papa reformador e uma pedra angular da sua campanha de limpeza desde o início tem sido uma promessa de transparência. Numa sessão de 2015 com os cardeais de todo o mundo antes de um consistório, por exemplo, Francisco apelou aos responsáveis do Vaticano para um compromisso com a “transparência absoluta” como a única forma de superar o legado duvidoso dos escândalos passados.

O fato do Papa iniciar uma assembleia destinada a ser o coroamento da conquista do seu papado com uma imposição de segredo, portanto, pareceria estar em total acordo com essas promessas. Colocando a questão de outra forma, num esforço para evitar a divisão, ele correria o risco de gerar polêmicas desde o início – um caso clássico, talvez, de destruição da aldeia para salvá-la. Num nível mais prático, há um bom argumento de que uma imposição de segredo pontifício simplesmente não funcionará.

Quando cheguei a Roma, há mais de 20 anos, os Sínodos dos Bispos terminavam com um conjunto de propostas a serem apresentadas ao Papa, todas elas votadas pelos participantes. O conteúdo dessas proposições e os totais de votos eram cobertos pelo segredo pontifício, e os bispos e outros participantes receberam advertências estritas para não divulgá-los.

Contudo, como um relógio, as agências de notícias italianas publicariam o texto completo das propostas juntamente com os totais de votos imediatamente após a votação, em alguns casos apenas algumas horas mais tarde.

Muito pouco mudou ao longo dos anos. Durante o Sínodo dos Bispos de 2018 sobre a juventude, por exemplo, o sigilo pontifício alegadamente foi aplicado às opiniões expressas durante as discussões sinodais, mas as notícias diárias estavam repletas de detalhes precisamente sobre as opiniões expressas durante a sessão do dia anterior.

Benjamin Franklin disse a famosa frase que três pessoas podem guardar um segredo, mas apenas se duas delas estiverem mortas. Num Sínodo dos Bispos, não estamos a falar de apenas três pessoas, mas de mais de 400, contando não apenas os bispos e outros participantes, mas também assessores, funcionários, tradutores e outros que, por uma razão ou outra, estão presentes na salão sinodal.

A ideia de reunir um grupo tão grande de pessoas por quase um mês e manter um controle sobre o que está sendo dito e feito é pouco mais que uma fantasia, e é indiscutivelmente perigoso se entregar. Na verdade, o efeito mais óbvio de um decreto de sigilo é garantir que a narrativa relativa ao Sínodo será dominada pelas suas vozes mais extremistas, ou seja, pessoas com agendas para impulsionar e eixos para trabalhar, que falarão sobre o que está se passando independentemente do que aconteça, o livro de regras pode dizer.

As pessoas com maior probabilidade de levar a sério a exigência de sigilo, em contraste, são aquelas vozes moderadas dentro do Sínodo que tentam genuinamente entrar no seu espírito e desempenhar um papel construtivo. Se amordaçarmos esses indivíduos, as únicas vozes que restarão serão precisamente aquelas cuja propensão para o combate ideológico mais temem.

É certo que estas vozes não falarão necessariamente em voz alta, à vista do público. Em vez disso, farão isso por meio de vazamentos oportunos e de terceiros, mas isso será mais do que suficiente para preencher colunas, tempo de transmissão e postagens nas redes sociais com todo tipo de material para críticas e sarcasmo. Tal dinâmica colocaria os porta-vozes do Sínodo na defensiva desde o início, lutando para neutralizar uma narrativa venenosa com as duas mãos amarradas nas costas, porque, oficialmente falando, não seriam capazes de oferecer nenhuma informação em contrário.

A conclusão é que, por mais infalível que um papa possa ser em questões de fé e moral, não está ao seu alcance impedir divulgações públicas sobre um Sínodo dos Bispos. A única escolha real é se essas revelações acontecerão nos termos dele ou de outra pessoa, e veremos em breve qual caminho o Papa Francisco decidirá seguir.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sobre o segredo sinodal, o Papa Francisco arrisca destruir a aldeia para salvá-la? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU