Qual o futuro da coalizão governista argentina para a eleição de 2023?

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Novembro 2022

Os próximos passos de Cristina Kirchner influenciaram o futuro da Frente de Todos.

A reportagem é de Fernanda Paixão, publicada por Brasil de Fato, 29-11-2022.

Em 2023, a Argentina terá eleição presidencial, e o futuro da coalizão governista argentina, a Frente de Todos (FdT), ainda é incerto.

Com um presidente com baixa popularidade e a figura política de maior força, Cristina Kirchner, na mira de uma campanha judicial e midiática, a configuração da fórmula vitoriosa em 2019 depende, em grande medida, dos passos que decidirá dar Cristina Kirchner diante desse cenário. Um cenário marcado, também, pelas profundas discórdias com o presidente Alberto Fernández.

Em seus dois últimos discursos, Kirchner deu o tom de candidatura para a eleição presidencial que a Argentina irá encarar em 2023. Ou pelo menos foi assim que boa parte da mídia argentina interpretou a postura da vice-presidenta. Foram suas primeiras aparições públicas pós-atentado de 1º de setembro, quando uma arma foi engatilhada duas vezes a centímetros de sua cabeça, mas a bala não saiu.

No dia 4 de novembro, Kirchner participou de um evento convocado pela União Obreira Metalúrgica (UOM), ao lado de dirigentes do sindicato. Emocionada por estar diante de uma plateia pela primeira vez desde a tentativa de magnicídio contra sua vida, Cristina voltou a lembrar que o caso representou a quebra de um pacto social, em que dirigentes e forças políticas podem discordar sem querer eliminar o outro.

Em seu discurso, resgatou, como de costume, políticas implementadas durante seus anos de governo (2008-2015) e o governo de seu falecido marido, Néstor Kirchner (2003-2007). Ao mencionar o aumento da classe média, foi enfática: "É possível fazê-lo, porque nós já o fizemos."

"Vou fazer o que for preciso para que a nossa sociedade possa se organizar em um projeto de país que volte a recuperar a esperança, a força e a alegria", disse ao finalizar seu discurso, entre lágrimas. "Éramos um povo alegre."

No dia 17, Dia da Militância, foi a segunda e última aparição pública de Cristina Kirchner. Ela discursou para uma plateia ainda maior, no estádio Diego Armando Maradona, na cidade de La Plata, e remeteu ao "modelo sustentável econômico e social" dos governos Kirchner. "A população deverá decidir se quer voltar a ser essa Argentina que alguma vez foi", disse.

Para o analista político Gustavo Marangoni, Cristina pode tomar diferentes papéis para a eleição do ano que vem.

"A Cristina parece querer organizar as bases doutrinárias para a oferta do ano que vem e, em todo caso, avaliar sua candidatura. Há quem acredite que isso é uma consequência natural de tudo o que ela vem fazendo: os atos, a centralidade, a fidelidade do eleitorado", comenta o cientista político. "Reafirmam essa possibilidade considerando que, escolher outra pessoa como candidato à presidência seria repetir o que não funcionou – o que, de alguma maneira, demonstra que o poder real e o poder formal devem coincidir."

"Mas devemos contemplar um cenário adicional em que ela busque chefiar da oposição em um eventual próximo governo de outro alinhamento político, tendo o controle das câmaras do Congresso, de deputados e senadores, e tentando conservar a província de Buenos Aires."

Qual será a fórmula?

Alberto Fernández desfrutou de uma alta popularidade durante o início de gestão da pandemia, incorporando uma figura paternalista com aparições frequentes em cadeia nacional, pessoalmente citando dados e gráficos que baseavam suas políticas. A aceitação de seu governo caiu não muito depois, com idas e voltas sobre decisões importantes como foi a expropriação da cerealífera Vicentin, mas com o ponto alto sobre a dívida com o FMI. O presidente apostou no corte de investimentos para as políticas econômicas do país, o que aprofundou as diferenças na coalizão.

Para vencer o então presidente Mauricio Macri em 2019, Kirchner optou por uma grande aliança de diferentes alas do peronismo. Colocou-se como vice, chamou um antigo crítico de seus governos para candidatar-se à presidência em sua chapa, refez pontes com alas que haviam migrado para a oposição. Assim nasceu a Frente de Todos.

"Naquele momento, eu tinha a responsabilidade, como força representativa, de garantir que o peronismo ganhasse as eleições", disse Kirchner na UOM. "Principalmente, contra a política de endividamento, contra a volta do FMI, contra a perseguição judicial a dirigentes políticos e sindicais".

Na ocasião, disse não se arrepender de sua decisão, referindo-se à escolha de Fernández para sua chapa. "Atingimos nosso objetivo, que não era votar contra alguém, mas contra determinadas políticas."

Apesar das diferenças entre Kirchner e Fernández, que afetaram a governabilidade, há aspectos da fórmula que devem ser mantidos. "Os três pilares estão estáveis, que são os setores que haviam sido críticos das duas gestões de Cristina; os 30% de votos fixos de Cristina; e o antigo Peronismo Federal, que traz Sergio Massa e um conjunto de governadores", observa Bárbara Ester, socióloga integrante do Centro Estratégico Latino-americano de Geopolítica (Celag).

"Parece que a reconfiguração da Frente de Todos continua sendo apostar na unidade, claramente. Não vejo grandes conflitos como em 2015, quando parte do Peronismo Federal passou à oposição. Já tiveram a experiência do que foi ser oposição com o macrismo, e todos entendem que devem apostar na unidade."

Seja com Cristina liderando a chapa da FdT ou não, o que já está consumada é a incompatibilidade entre a líder peronista e o atual presidente. Há rumores de que Alberto Fernández buscará lançar uma fórmula com o atual chefe de gabinete, o tucumano Juan Manzur, e a Ministra de Desenvolvimento Social, Victoria Tolosa Paz. Os movimentos se antecipam a uma possível mudança no processo eleitoral impulsionada pela ala kirchnerista da coalizão: buscam retirar a tradicional eleição de meio-termo do ano eleitoral no país, que define as preferências do eleitorado e organiza as listas dos partidos para a eleição geral no fim do mesmo ano.

A oposição também encara seus conflitos internos. O ex-presidente Mauricio Macri não definiu se participará das listas do Juntos por el Cambio (JxC), enquanto Horacio Rodríguez Larreta, atual chefe de governo da cidade de Buenos Aires, e a ex-ministra de Segurança de Macri, Patricia Bullrich, aparecem como favoritos na coalizão direitista. Bullrich representa a "ala dura", radicalizada, de direita – e que tem ligação com figuras apontadas nas investigações sobre o atentado contra Cristina –, e Larreta busca os votos da centro-direita, encarnando um perfil de maior diálogo.

"Ao não saber quem são os candidatos do outro lado, é difícil definir a fórmula própria", pontua Ester. "Contra Macri, Cristina poderia ganhar, inclusive ser uma referência [contra a política neoliberal do ex-presidente]. Já em uma guerra entre mulheres, por exemplo, contra Patricia Bullrich, aí o cenário muda um pouco. Porque é algo novo, porque também é uma mulher, porque poderia incluir outros setores da sociedade."

Diante das incertezas sobre o futuro da coalizão governista, nas duas ocasiões recentes em que Cristina esteve novamente diante de um público, os cantos em uníssono de "Cristina presidenta" foram contundentes.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Qual o futuro da coalizão governista argentina para a eleição de 2023? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU