Papa Francisco destaca perigo de liturgias sérias que 'negam o Concílio Vaticano II'

Mais Lidos

  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Para onde estamos indo? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Os equilíbrios de Lula no Brasil pós-Bolsonaro. Artigo de Bernardo Gutiérrez

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

12 Mai 2022

 

"É quando a liturgia se torna uma expressão ideológica e não eclesial que o Espírito Santo é excluído e a quebra do mistério divino é anulada", escreve Michael Sean Winters, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 11-05-2022.

 

Eis o artigo.

 

Há um velho ditado: "Durante a Semana Santa, não há nada mais inútil do que um jesuíta". As magníficas liturgias daquele tempo mais sagrado exigem um profundo sentido litúrgico. Os membros da Companhia de Jesus nunca foram conhecidos por seu talento litúrgico e o Papa Francisco não é exceção. Quando ele preside, é de uma maneira muito simples e direta.

 

Consequentemente, suas palavras aos membros do Pontifício Instituto Litúrgico no último fim de semana (7 de maio) foram um pouco surpreendentes. Ninguém deveria se surpreender que um homem de tal solidez espiritual tenha profundos sentimentos espirituais sobre a liturgia, mas ouvi-lo compartilhá-los foi uma rara visão do que faz o Santo Padre agir.

 

Grande parte da atenção concentrou-se em suas observações sobre o formalismo litúrgico. “Gostaria de sublinhar o perigo, a tentação do formalismo litúrgico : ir atrás das formas, das formalidades em vez da realidade, como vemos hoje naqueles movimentos que tentam retroceder e negar o próprio Concílio Vaticano II”, disse o papa. "Dessa forma, a celebração é recitação, é algo sem vida, sem alegria." (Ênfase no original.)

 

A frase-chave ali é "negar o Concílio Vaticano II". Todos nós assistimos a liturgias pós-conciliares que carecem de alegria. Mas é quando a liturgia se torna uma arma nas guerras culturais, quando se levantam dúvidas sobre o Vaticano II e sua legitimidade, quando a liturgia se torna uma expressão ideológica e não eclesial, é que o Espírito Santo é excluído e a quebra do mistério divino é anulada.

 

Francisco não mediu palavras aqui: “Quando a vida litúrgica se torna uma espécie de bandeira de divisão, há o odor do diabo, o enganador, ali”.

 

Seus comentários sobre mudanças anteriores, como quando Pio XII reintroduziu a Vigília Pascal, foram adequados. Os opositores ficaram chateados com a ação de Pio, mas o fato é que a restauração da grande vigília ajudou o Concílio Vaticano II a se concentrar no papel dos batizados de maneiras novas e importantes. Lex orandi, lex credendi: A lei da oração é a lei da crença.

 

Da mesma forma, o papa disse isso sobre a unidade eclesial:

 

A vossa dedicação ao estudo litúrgico, tanto por parte de professores como de alunos, vos faz crescer também na comunhão eclesial. Com efeito, a vida litúrgica abre-nos ao outro, ao mais próximo e ao mais distante da Igreja, na pertença comum a Cristo. Dar glória a Deus na liturgia encontra sua contrapartida no amor ao próximo, no compromisso de viver como irmãos e irmãs nas situações cotidianas, na comunidade em que nos encontramos, com seus méritos e suas limitações. Este é o caminho da verdadeira santificação. Portanto, a formação do Povo de Deus é tarefa fundamental para viver uma vida litúrgica plenamente eclesial.

 

Um sábio pastor e talentoso homilista disse uma vez do púlpito da igreja que frequento: "Se você não reconhece Jesus Cristo nos pobres, como você pode reconhecê-lo na Eucaristia? E se você não o reconhece na Eucaristia, como você pode reconhecê-lo nos pobres?"

 

Não devemos deixar o papa fora do gancho aqui. Ele saltou do estudo da liturgia em Santo Anselmo para as reivindicações normativas sobre a liturgia para aqueles de nós que não estudam no instituto litúrgico! Eu gostaria que ele tivesse detalhado um pouco mais detalhadamente como a liturgia "nos abre para o outro" e esboçado como render glória pode levar, na prática, ao amor ao próximo. Como ele desenha essa conexão para si mesmo? Francisco contou, ele não apareceu, e muitos de nós que observam esse papado com grande atenção prefeririam que ele nos mostrasse o que queria dizer ou revelasse algumas anedotas pessoais para aprofundar seu significado.

 

Francisco então se concentrou na relação da liturgia com a missão, observando que toda liturgia termina com o envio, raiz etimológica de nossa palavra "missão".

 

“O que vivemos e celebramos leva-nos a ir ao encontro dos outros, a encontrar o mundo que nos rodeia, a encontrar as alegrias e as necessidades de muitos que talvez vivam sem conhecer o dom de Deus”, disse. "A genuína vida litúrgica, especialmente a Eucaristia, sempre nos impele à caridade, que é sobretudo abertura e atenção aos outros. Esta atitude sempre começa e se funda na oração, sobretudo na oração litúrgica. E esta dimensão abre-nos também ao diálogo, ao encontro, ao espírito ecumênico, ao acolhimento".

 

Há muito o que descompactar lá, mas a frase "dom de Deus" salta da página. Em nossos tempos ativistas, tendemos a nos concentrar nos objetivos, não nas fontes, de nossa atividade. A luta pela justiça não é mais considerada “ constitutiva ” com a pregação do Evangelho, mas exaustiva. No entanto, o Compêndio da Doutrina Social da Igreja deixa claro que a graça e o dom são a fonte da solidariedade cristã. Toda a graça cristã brota e brota decisivamente do mistério da paixão, morte e ressurreição do Senhor, que celebramos em cada Eucaristia.

 

Desejo que o papa tenha discutido o papel da estética na liturgia. É verdade que diferentes estilos de liturgia atraem pessoas diferentes, mas também é verdade que ouvimos Mozart e esquecemos Salieri porque um é melhor que o outro. Eu gostaria, também, que o papa tivesse relacionado a liturgia à sinodalidade.

 

Enquanto a Igreja nos Estados Unidos se prepara para um reavivamento eucarístico, quão vital é que nos lembremos, como Francisco, que a Missa não está sozinha, separada do resto de nossa fé. Eucaristia é um substantivo porque é primeiro um verbo.

 

A liturgia nos forma como Igreja e nos educa nos caminhos da graça e dom, do sofrimento e da oração e da obediência, que são as forças mais essenciais da Igreja. A liturgia nos une a Cristo e, assim mesmo, uns aos outros, ensinando a todos o que significa carregar nossa cruz e esperar na ressurreição. A liturgia é o ar para os pulmões da Igreja. O papa está nos convidando a refletir não apenas sobre como a Igreja respira, mas também sobre o que somos e o que fazemos quando respiramos profundamente na liturgia.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco destaca perigo de liturgias sérias que 'negam o Concílio Vaticano II' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU