Fumaça de incêndios florestais afeta a camada de ozônio por meses

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Março 2022

 

Pesquisadores alertam que, se os grandes incêndios se tornarem mais frequentes com as mudanças climáticas, a radiação ultravioleta mais prejudicial atingirá o solo.

 

A reportagem é publicada por EcoDebate, 18-03-2022.

 

Químicos atmosféricos da Universidade de Waterloo descobriram que a fumaça dos incêndios florestais australianos de 2019 e 2020 destruiu o ozônio atmosférico no Hemisfério Sul por meses. O escudo de ozônio é uma parte da camada estratosfera da atmosfera da Terra que absorve os raios UV do sol.

Os pesquisadores usaram dados do satélite Atmospheric Chemistry Experiment (ACE) da Agência Espacial Canadense para medir os efeitos das partículas de fumaça na estratosfera. Os resultados aparecem na revista Science.

“Os incêndios australianos injetaram partículas de fumaça ácida na estratosfera, interrompendo a química do cloro, hidrogênio e nitrogênio que regula o ozônio”, disse Peter Bernath, professor pesquisador do Departamento de Química de Waterloo e principal autor deste estudo. “Esta é a primeira grande medição da fumaça, que mostra que ela converte esses compostos reguladores de ozônio em compostos mais reativos que destroem o ozônio”.

Semelhante aos buracos nas regiões polares, esse dano é um efeito temporário, e os níveis de ozônio retornaram aos níveis pré-incêndio quando a fumaça desapareceu da estratosfera. Mas um aumento na prevalência de incêndios florestais significaria que a destruição acontece com mais frequência.

“O satélite ACE é uma missão única com mais de 18 anos contínuos de dados sobre a composição atmosférica. O ACE mede uma grande coleção de moléculas para fornecer uma imagem melhor e mais completa do que está acontecendo em nossa atmosfera”, disse Bernath. “Os modelos ainda não podem reproduzir a química da fumaça atmosférica, então nossas medições fornecem uma visão única da química nunca vista antes.”

As operações do satélite ACE são baseadas na Universidade de Waterloo, e Bernath é o principal cientista da missão. O artigo Wildfire smoke destroys stratospheric ozone foi publicado na edição de 18 de março da revista Science.

 

Referência:

Wildfire smoke destroys stratospheric ozone. Peter Bernath, Chris Boone, Jeff Crouse. Science • 17 Mar 2022 • Vol 375, Issue 6586 • pp. 1292-1295 • Disponível aqui.

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fumaça de incêndios florestais afeta a camada de ozônio por meses - Instituto Humanitas Unisinos - IHU