Uma em cada três pessoas está exposta a agrotóxico potencialmente prejudicial

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Fevereiro 2022

 

Uma em cada três pessoas em uma grande pesquisa mostrou sinais de exposição a um agrotóxico chamado 2,4-D, de acordo com um estudo publicado por pesquisadores da Universidade George Washington.

 

A reportagem é de Henrique Cortez, publicada por EcoDebate, 10-02-2022.

 

Esta nova pesquisa descobriu que a exposição humana a este produto químico tem aumentado à medida que o uso agrícola aumentou, uma descoberta que levanta preocupações sobre possíveis implicações para a saúde.

“Nosso estudo sugere que as exposições humanas ao 2,4-D aumentaram significativamente e prevê-se que aumentem ainda mais no futuro”, disse Marlaina Freisthler, estudante de doutorado e pesquisadora da Universidade George Washington. “Essas descobertas levantam preocupações sobre se esse herbicida muito usado pode causar problemas de saúde, especialmente para crianças pequenas que são muito sensíveis a exposições químicas”.

O autor principal Freisthler e seus colegas procuraram biomarcadores do agrotóxico encontrado em amostras de urina de participantes da Pesquisa Nacional de Exame de Saúde e Nutrição. Eles estimaram o uso agrícola de 2,-D estudando dados públicos e privados de uso de agrotóxicos de 2001 a 2014.

Dos 14.395 participantes da pesquisa, quase 33% tinham níveis detectáveis de 2,4-D na urina. Os pesquisadores descobriram que os participantes com níveis urinários desse agrotóxico passaram de um mínimo de 17% no início do estudo em 2001-2002 para um máximo de quase 40% dez anos depois.

Outras descobertas importantes do novo estudo:

  • À medida que o uso do herbicida aumentou durante o período de estudo, o mesmo aconteceu com as exposições humanas. Crianças de 6 a 11 anos tiveram mais que o dobro do risco de aumentar a exposição ao 2,4-D.
  • Além disso, as mulheres em idade fértil tiveram quase o dobro do risco de exposição aumentada em comparação com os homens na mesma faixa etária.
  • As exposições humanas provavelmente aumentarão ainda mais no futuro próximo, à medida que o uso desse herbicida continuar aumentando. O 2,4-D foi desenvolvido na década de 1940 e logo se tornou um herbicida popular para os agricultores que queriam aumentar o rendimento das colheitas. Além disso, os proprietários que procuram um gramado verde e limpo também recorreram ao 2,4-D, muitas vezes em combinação com outros produtos químicos para gramado.

A exposição a altos níveis deste produto químico tem sido associada ao câncer, problemas reprodutivos e outros problemas de saúde. Embora os cientistas não saibam qual pode ser o impacto da exposição a níveis mais baixos do herbicida, eles sabem que o 2,4-D é um desregulador endócrino e este estudo mostra que crianças e mulheres em idade fértil correm maior risco de exposição.

As crianças podem ser expostas se brincarem descalças em um gramado tratado com o herbicida ou se colocarem as mãos na boca depois de brincarem ao ar livre, onde o solo ou a grama podem estar contaminados com o produto químico. As pessoas também podem ser expostas ao comer alimentos à base de soja e por inalação. O uso agora generalizado de 2,4-D em soja e algodão transgênicos leva a mais 2,4-D se movendo no ar, o que pode expor mais pessoas a esse produto químico, de acordo com os pesquisadores.

“Mais estudos devem determinar como o aumento da exposição ao 2,4-D afeta a saúde humana – especialmente quando a exposição ocorre no início da vida”, disse Melissa Perry , professora de saúde ambiental e ocupacional e autora sênior do artigo. “Além da exposição a esse agrotóxico, crianças e outros grupos vulneráveis também estão cada vez mais expostos a outros agrotóxicos e esses produtos químicos podem atuar sinergicamente para produzir problemas de saúde.”

Os consumidores que desejam evitar a exposição a agrotóxicos podem comprar alimentos cultivados organicamente, que são menos propensos a serem cultivados com herbicidas. Eles também podem evitar o uso de 2,4-D ou outros agrotóxicos em seu gramado ou jardim, disseram os pesquisadores.

 

Uso agrícola estimado de 2,4-D por ano em milhões de libras (gráfico de barras do eixo y esquerdo) e porcentagem de participantes do NHANES com alta (> 0,4µg/L urina (ou 0,4 ppb) 2,4- D concentrações urinárias (gráfico de linha do eixo y direito, com barras de intervalo de confiança de 95%) por ano de conclusão da pesquisa NHANES.

 

Referência

 

Freisthler, M.S., Robbins, C.R., Benbrook, C.M. et al. Association between increasing agricultural use of 2,4-D and population biomarkers of exposure: findings from the National Health and Nutrition Examination Survey, 2001–2014. Environ Health 21, 23 (2022). https://doi.org/10.1186/s12940-021-00815-x

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma em cada três pessoas está exposta a agrotóxico potencialmente prejudicial - Instituto Humanitas Unisinos - IHU