Como as mudanças climáticas afetam os oceanos?

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Fevereiro 2022

 

Os oceanos estão se tornando mais ácidos à medida que absorvem mais CO2 da atmosfera e, simultaneamente, os níveis de oxigênio estão diminuindo

Os oceanos desempenham um papel crítico na regulação do clima, mas quão saudáveis são nossos oceanos hoje e que tipo de impacto as mudanças climáticas estão causando?

Sentamos com Charlotte De Fontaubert, líder global para a economia azul do Banco Mundial, para aprender sobre o estado de nossos oceanos e o que o Banco Mundial está fazendo para ajudar a mantê-los saudáveis e produtivos.

 

A entrevista com Charlotte De Fontaubert foi realizada por World Bank, reproduzida por EcoDebate, 13/02/2022. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

 

Eis a entrevista.

 

Como as mudanças climáticas afetam os oceanos?

A mudança climática é uma grande ameaça à saúde dos oceanos em todo o mundo e que se soma a outras ameaças antropogênicas em andamento – em outras palavras, mudanças ambientais causadas pela atividade humana. Estamos começando a entender melhor esses impactos e aprendendo mais sobre a extensão e o alcance do problema. Primeiro, as mudanças climáticas estão causando algumas mudanças sérias nos oceanos, incluindo aumento da temperatura, aumento do nível do mar e acidificação.

Os oceanos estão se tornando mais ácidos à medida que absorvem mais CO2 da atmosfera e, simultaneamente, os níveis de oxigênio estão diminuindo. Mudanças significativas nos padrões das correntes oceânicas também estão ocorrendo. Todos esses fatores afetam a saúde dos oceanos e as espécies marinhas. Por exemplo, os recifes de coral, que são ecossistemas marinhos críticos, estão ameaçados por um trio de acidificação, aumento da temperatura do mar e aumento do nível do mar. Mas a acidificação também é uma questão muito mais ampla, pois interrompe o sequestro de carbono por outras espécies, incluindo moluscos e crustáceos.

A mudança dos padrões das correntes oceânicas ameaça o recrutamento de estoques de peixes – o número de peixes nascidos em um determinado período de tempo que atingem o estágio juvenil – com impactos muito reais e diretos nas comunidades costeiras que dependem desses recursos. Os impactos das mudanças climáticas nos oceanos são, portanto, inumeráveis, complexos e inter-relacionados.

 

Qual o papel dos oceanos na mitigação das mudanças climáticas?

Os oceanos são o maior dissipador de calor do planeta. Eles absorvem 90% do excesso de calor causado pelas mudanças climáticas. Os oceanos também são um sumidouro de carbono muito eficiente, absorvendo 23% das emissões de CO2 causadas pelo homem. Ecossistemas como manguezais, que crescem em áreas costeiras, mas com raízes na água do mar, bem como pântanos de maré e prados de ervas marinhas, sequestram e armazenam mais carbono por unidade de área do que as florestas. Também sabemos que algumas partículas de carbono foram sequestradas nos sedimentos do fundo do mar ao longo de milênios, embora esse fenômeno não seja tão bem compreendido ou mesmo medido.

Mas o papel dos oceanos como sumidouro de carbono é diretamente afetado pelos impactos das mudanças climáticas na saúde dos oceanos, criando um ciclo vicioso. Do jeito que está, estamos apenas começando a entender a importância das funções ecológicas dos oceanos, mas as mudanças climáticas já os estão impactando. Provavelmente é justo dizer que apenas começamos a entender até que ponto as mudanças climáticas vão causar estragos na saúde dos oceanos.

 

 

Qual o papel dos oceanos na adaptação às mudanças climáticas?

 

A maneira mais importante pela qual os oceanos contribuem para a adaptação é por meio de ecossistemas costeiros, como manguezais, recifes de corais e leitos de ervas marinhas. As zonas costeiras são áreas de energia muito alta – pense nas marés ou na ação das ondas – e para proteger as comunidades costeiras, essas forças incessantes devem ser gerenciadas. Você pode gerenciá-los construindo infraestrutura cinza, como molhes ou diques, ou pode usar infraestrutura verde, como manguezais, ou uma combinação de infraestrutura verde e cinza.

Os manguezais não apenas apoiam a pesca e a biodiversidade, mas também fortalecem a capacidade das comunidades costeiras de resistir aos impactos das mudanças climáticas. Novas pesquisas em Bangladesh estimam que, em um poderoso ciclone, os manguezais reduziriam o aumento dos níveis de água do mar entre 4 e 16,5 centímetros e reduziriam a velocidade do fluxo de água para entre 29% e 92%. Assim, as comunidades podem realmente se beneficiar da proteção dos manguezais.

 

O que o Banco Mundial está fazendo para apoiar a saúde dos oceanos? 

 

O Banco Mundial desenvolveu a abordagem da Economia Azul, que se concentra na gestão sustentável e integrada de áreas costeiras e marinhas em oceanos saudáveis. Nosso fundo fiduciário de vários doadores, PROBLUE, apoia os governos em seus esforços para melhorar a pesca, combater a poluição marinha, gerenciar recursos costeiros e limitar os impactos de setores-chave como turismo, transporte marítimo e energia renovável offshore na saúde dos oceanos. Esta é uma agenda crítica para o Banco. Os oceanos contribuem com US$ 1,5 trilhão anualmente para a economia global, e espera-se que esse número dobre para US$ 3 trilhões até 2030.

Em 2021, nosso portfólio de projetos relacionados ao oceano ultrapassou US$ 9 bilhões e apoiou projetos que vão desde pesca sustentável até proteção de habitat marinho e combate à poluição marinha. Por exemplo, estamos ajudando nossos países clientes a desenvolver abordagens novas e mais sustentáveis para o turismo costeiro ligado a áreas marinhas protegidas. Também apoiamos mais de 105 milhões de hectares de áreas marinhas protegidas onde as atividades humanas são geridas de forma significativa, incluindo áreas centrais onde todas as atividades são restritas.

Também estamos focados na descarbonização do transporte marítimo. Muitos navios funcionam com combustível de bunker – a forma mais suja de combustível fóssil usada hoje. Cerca de 90% das mercadorias internacionais são transportadas por via marítima, e o volume de embarques deve triplicar até 2050 – portanto, a necessidade de descarbonizar o setor é urgente. E à medida que os oceanos se recuperam, trabalhamos para desenvolver meios de subsistência alternativos para as comunidades afetadas à medida que se adaptam às mudanças atuais e futuras impulsionadas pelo clima.

E por último, mas não menos importante, concentramos grande parte de nossos esforços na redução e gestão da poluição marinha por plásticos. Os plásticos são mais uma ameaça à saúde dos oceanos e uma das mais visíveis. A poluição plástica é causada em parte pela má gestão de resíduos sólidos, mas estamos enfrentando o problema em toda a cadeia de valor do plástico, desde a produção até a mudança para uma economia circular e, se tudo mais falhar, a limpeza de praias. Como a tarefa é assustadora, muitas partes do Grupo Banco Mundial precisam estar envolvidas e temos muito mais a fazer, mas se os plásticos marinhos não forem enfrentados com seriedade, os oceanos simplesmente não poderão desempenhar seu papel vital na mitigação das mudanças climáticas.

 

O que será necessário para garantir que os oceanos sejam saudáveis e possam nos ajudar a combater as mudanças climáticas no futuro?

 

Levou séculos para levar os oceanos ao limite e restaurar a saúde dos oceanos é um tremendo desafio. O Banco não está sozinho nessa empreitada e podemos ver um crescente compromisso global em torno do esforço. Alguns países estabeleceram metas de saúde oceânica como parte de suas contribuições nacionalmente determinadas para o Acordo de Paris – e muitos outros deveriam fazê-lo. Alguns países estão adotando o planejamento oceânico integrado que contempla o desenvolvimento de vários setores oceânicos de forma integrada e sustentável.

Esta é a ruptura com os negócios habituais que precisa ocorrer: simplesmente não podemos continuar no caminho que nos trouxe até aqui. Na COP26 em Glasgow, os negociadores aprovaram novas regras para os mercados de carbono que podem ajudar a valorizar melhor os sumidouros de carbono baseados no oceano, como manguezais e recifes de coral, e criar incentivos para sua preservação. Não há bala de prata, mas podemos e devemos continuar trabalhando juntos para restaurar a saúde dos oceanos.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Como as mudanças climáticas afetam os oceanos? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU