Ir. Birgit Weiler: Documento para o discernimento, "discernir a realidade à luz de nossa fé compartilhada"

Foto: Vatican Media

17 Novembro 2021


O Documento para o Discernimento Comunitário da Primeira Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe acaba de ser lançado. A Irmã Birgit Weiler foi uma das coordenadoras da equipe que elaborou o Documento.

 

A entrevista é de Luis Miguel Modino

 

Eis a entrevista.

 

O que é o Documento para o Discernimento da Primeira Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe?

 

Este Documento pretende ser uma ajuda para aprofundar o discernimento dos sinais de nosso tempo na sociedade e na Igreja 14 anos depois de Aparecida e com base no que quase 70.000 pessoas contribuíram no processo de escuta. Neste processo, os participantes discerniram juntos como Povo de Deus a caminho, qual é a vontade de Deus para sua Igreja nesta região, e o que significa concretamente na situação atual na América Latina e no Caribe que todos nós somos discípulos missionários a caminho.

 

O Documento é oferecido primeiramente aos delegados da Primeira Assembleia Eclesial como apoio à missão a eles confiada; ao mesmo tempo, é um documento para todo o Povo de Deus que é chamado a continuar a participar do processo de discernimento de várias maneiras e a acompanhar a Assembleia com suas orações.

 

O Documento para o discernimento comunitário é fruto da forte experiência de sinodalidade que tem sido o processo de escuta. Este documento motiva a continuação do processo de escuta mútua e discernimento na Primeira Assembleia Eclesial, a fim de identificar e formular as orientações pastorais prioritárias para a América Latina e o Caribe. Ela propõe uma leitura pausada em uma atitude de oração e discernimento do texto e uma reflexão pessoal, que também é motivada pelas perguntas propostas no texto.

Estas perguntas convidam a contemplar os diferentes aspectos ligados a cada um dos temas centrais do documento e não apenas a fazer uma reflexão individual, mas também a buscar interação e intercâmbio com os outros em discernimento comunitário e a caminhar juntos como "peregrinos apaixonados pelo Evangelho, abertos às surpresas do Espírito", como disse o Papa Francisco na missa de abertura do Sínodo sobre a sinodalidade.

 

O Documento fala de discernimento comunitário. Uma das grandes novidades da Assembleia é que ela não é mais apenas uma assembleia de bispos, mas uma assembleia do Povo de Deus. Quão importante é a participação de todos aqueles que fazem parte do Povo de Deus neste processo de discernimento?

 

A participação de todos é fundamental porque é uma característica central da sinodalidade. O Papa Francisco tem sido muito claro ao afirmar repetidamente que sem a participação ativa do Povo de Deus não há sinodalidade. Ele nos encoraja a abraçar mais profundamente a eclesiologia do Vaticano II, pondo-a em prática. Para o Papa, a sinodalidade é o mais belo legado do Concílio Vaticano II. Ela nos chama a reconhecer-nos como membros plenos do Povo de Deus e a aprofundar nossa consciência de nossa "dignidade e liberdade" como filhos e filhas de Deus "em cujo coração o Espírito Santo habita como em um templo" (LG 9).

 

Esta dignidade pertence a todos os membros do Povo de Deus, sem exceção. No batismo, todos nós recebemos o dom do Espírito. Este dom significa também um compromisso, ou seja, assumir nossa corresponsabilidade como batizados pela missão de nossa Igreja na América Latina e no Caribe e participar ativamente do processo de discernimento. Nesta Primeira Assembleia Eclesial procuramos refletir sobre nossa missão como discípulos de Jesus Cristo e membros de uma Igreja "que é dada com todos, sem exceção", como o Papa nos lembrou em sua vídeo-mensagem de 24 de janeiro deste ano, no início do caminho rumo à primeira Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe.

 

O "sensus fidei" do Povo de Deus se expressa nos múltiplos conteúdos, nas interpelações e nas recomendações pastorais presentes nas contribuições para o Processo de Escuta. Foi feito um grande esforço para incluir muitas vozes de pessoas nas periferias sociais, culturais e existenciais de nossas sociedades, em meio às restrições devidas à pandemia. Em um processo sinodal, não devem faltar as vozes dos pobres.

 

Que passos esta Igreja tem que dar para se renovar, para se converter, para estar aberta à novidade do Espírito e para ser verdadeiramente discernida por todos?

 

Isto exige a superação do clericalismo, que é um grande obstáculo para uma Igreja sinodal. Ela impede formas de se relacionar como irmãos e irmãs na fé, formas que correspondem ao espírito do Evangelho. O Papa Francisco considera que o clericalismo é um dos grandes males da Igreja na América Latina e no Caribe; requer uma profunda conversão não apenas por parte dos sacerdotes nos diferentes níveis de autoridade em nossa Igreja, mas de todo o Povo de Deus, porque a mentalidade clerical e as atitudes e práticas correspondentes também se encontram nos leigos, religiosos e religiosas.

 

O clericalismo é caracterizado por um mau uso do poder. Isto tem sido destacado em várias contribuições ao processo de escuta, observando que "muitos membros do clero assumem este lugar como um espaço de poder e superioridade e não como um serviço", como aparece na Síntese Narrativa. Como resumido no Documento para o Discernimento Comunitário, muitas vezes "padres e bispos não compartilham suficientemente o discernimento e os processos de tomada de decisões com suas comunidades". Em muitos casos, as relações verticais ainda prevalecem em uma Igreja piramidal.

 

Para crescer na sinodalidade, é imperativo que vivamos um processo de profunda conversão para novas formas de relacionamento que permitam que as diversas vocações, carismas, ministérios e serviços em nossa Igreja floresçam e que novos ministérios também possam surgir de acordo com as necessidades pastorais nas diversas realidades eclesiais. É essencial que haja uma participação muito maior das mulheres em espaços eclesiais de discernimento e tomada de decisões, assim como em posições de liderança e governo na Igreja em diferentes níveis.

 

Isto foi mencionado com ênfase em muitas contribuições. Que tudo isso seja para o bem da Igreja, na qual todos juntos formamos o corpo de Cristo, e para sua missão de proclamar o Evangelho com palavras e sobretudo com obras, para que em Jesus Cristo nossos povos tenham vida, como aparece no Documento de Aparecida.

 

É necessário continuar com a prática consistente de escuta aberta e criteriosa do Povo de Deus e reconhecer e valorizar o "sensus fidei" deste povo como foi feito no processo de escuta da Primeira Assembleia Eclesial. Nesse processo foi feito um grande esforço para incluir, em meio às restrições devidas à pandemia, muitas vozes do povo sobre as periferias sociais, culturais e existenciais de nossas sociedades. Em um processo sinodal, não devem faltar as vozes dos pobres.

 

Para que a Igreja se torne uma Igreja que cresce na sinodalidade, é imperativo que as diretrizes sinodais contidas na Constituição Apostólica Episcopalis Communio do Papa Francisco, na qual ele dá grande importância à escuta do Povo de Deus durante todo o processo sinodal, sejam postas em prática. Ele encoraja os bispos a exercer seu ministério na consciência de que todos os batizados receberam o dom do Espírito e a "escutar a voz de Cristo que fala através de todo o Povo de Deus". Portanto, ele chama os bispos a "seguir também o nariz do Povo de Deus para encontrar novos caminhos" e "ter seus ouvidos abertos para ouvir 'o que o Espírito está dizendo às Igrejas' (Ap 2,7)".

 

É muito importante que a prática sinodal iniciada no caminho para a Primeira Assembleia Eclesial, a prática de escutar uns aos outros e de escutar o Espírito juntos, continue a crescer e a se enraizar em nossa Igreja. A metodologia criteriosa e sinodal a ser utilizada na Assembleia Eclesial será uma importante contribuição para este processo de conversão e renovação rumo a uma crescente sinodalidade. Pois, nesta metodologia cada um é convidado a tomar consciência de ser um sujeito de fé e a ser convidado a um discernimento pessoal; do pessoal e do "eu" é chamado a dar o passo em direção ao "você", compartilhando os frutos do próprio discernimento; do "você" o próximo passo deve ser dado em direção ao "nós" que discerne e decide juntos na escuta atenta do Espírito e de sua novidade.

 

No Documento de Discernimento há a proposta de escutar e discernir os sinais de nosso tempo e da Igreja. Olhando para o que o Povo de Deus da América Latina e do Caribe tem dito, o que é que gera a maior esperança?

 

Em minha opinião, gera muita esperança que o Povo de Deus na América Latina e no Caribe, em sua grande maioria, quer viver uma fé encarnada no seguimento de Jesus. Ele reconhece as interpelações nos sinais de nossos tempos, como a pandemia e as grandes desigualdades sociais que ela trouxe à luz, os crescentes danos causados à nossa casa comum, as ameaças sem precedentes colocadas pela crise climática e seus impactos desastrosos especialmente na vida das populações mais pobres e mais vulneráveis, a crescente violência em nossas sociedades e em nossas famílias e o chamado para promover a prática da não-violência ativa, para contribuir de forma mais decisiva de nossas instituições educacionais para superar as lacunas educacionais, para promover uma educação integral e transformadora, assim como para nos comprometermos com o Pacto Global de Educação e com o fortalecimento da democracia e a defesa dos direitos humanos.

 

Em todas estas áreas já existem compromissos assumidos e vividos por muitas comunidades, o que é um importante motivo de esperança. É uma questão de reforçar muitos desses compromissos diante dos desafios dos sinais dos nossos tempos. As opiniões de muitos participantes do processo de escuta também são esperançosas porque percebem em meio e ao lado das realidades preocupantes e ameaçadoras também os sinais de vida nova que estão surgindo, como no caso da pandemia.

 

E em relação aos sinais eclesiais, há um grande desejo de experimentar uma profunda transformação em nossa Igreja em direção a uma maior sinodalidade nas estruturas e práticas eclesiais; e há uma grande vontade de contribuir ativamente para esta transformação. Dá grande esperança que nos sinais eclesiais que nos desafiam, sejam identificadas áreas prioritárias nas quais a Igreja é chamada a se renovar para ser uma Igreja sinodal e para proclamar o Evangelho com credibilidade. Discute-se a necessidade de uma conversão para uma Igreja de todos e para todos, que supere as diversas formas de discriminação e exclusão que existem não apenas em nossas sociedades, mas também na Igreja.

 

Também foi mencionado o grande desafio de anunciar o Evangelho às famílias de hoje, reconhecendo suas diversas realidades, e foi destacada a necessidade da Igreja, com suas paróquias, comunidades e órgãos eclesiais, de se abrir mais aos jovens, para que possam ser protagonistas da pastoral juvenil e abrir novos caminhos e explorar caminhos inovadores no trabalho pastoral. Também enfatiza a grande necessidade de uma renovação da presença da Igreja nas cidades e de passar de uma pastoral tradicional nas cidades para uma pastoral urbana que implica a exploração de novos caminhos na pastoral e acolhe muitas propostas valiosas de Aparecida a este respeito.

 

Como já mencionado, em muitas contribuições ao processo de escuta há uma clara consciência das transformações necessárias em nossa Igreja para superar o clericalismo e o abuso de poder ligado a ele e para lidar decisivamente com casos de abuso na Igreja, para quebrar o silêncio, para trabalhar por recompensas abrangentes para as vítimas e para estabelecer medidas de prevenção abrangentes e para monitorar sua implementação na prática.

 

A esperança é certamente que em todas estas áreas não só há muito que precisa ser feito, mas ao mesmo tempo há práticas transformadoras já em andamento. O grande estímulo e compromisso que está sendo gerado ao longo deste processo sinodal da Primeira Assembleia Eclesial dá muita esperança de que também na fase pós-sinodal o processo de renovação da Igreja na América Latina e no Caribe continuará graças ao poder transformador do Espírito que sopra onde quer e nos inspira com a audácia de caminhar por novos caminhos.

 

Leia mais

 

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV