Mais de cinco milhões de mortes por ano podem ser atribuídas a temperaturas anormais

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Inaugurado o novo escritório do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados na UNISINOS: um sonho de Pedro Arrupe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Julho 2021

 

Mais de cinco milhões de mortes extras por ano podem ser atribuídas a temperaturas quentes e frias anormais, de acordo com um primeiro estudo internacional liderado pela Monash University.

A informação é publicada por Monash University e reproduzida por EcoDebate, 07-07-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

O estudo constatou que as mortes relacionadas às altas temperaturas aumentaram em todas as regiões de 2000 a 2019, indicando que o aquecimento global devido às mudanças climáticas agravará esse número de mortalidade no futuro.

A equipe de pesquisa internacional, liderada pelo professor Yuming Guo da Monash University, Dr. Shanshan Li e Dr. Qi Zhao da Shandong University na China e publicada hoje no The Lancet Planetary Health analisou dados de mortalidade e temperatura em todo o mundo de 2000 a 2019, um período quando as temperaturas globais aumentaram 0,26°C por década.

O estudo, o primeiro a vincular definitivamente as temperaturas acima e abaixo das ótimas (correspondentes às temperaturas mínimas de mortalidade) aos aumentos anuais na mortalidade, concluiu que 9,43 por cento das mortes globais podem ser atribuídas a temperaturas quentes e frias. Isso equivale a 74 mortes a mais para cada 100.000 pessoas, com a maioria das mortes causadas pela exposição ao frio.

Os dados revelam diferenças geográficas no impacto de temperaturas não ótimas sobre a mortalidade, com a Europa Oriental e a África Subsaariana tendo as maiores taxas de mortalidade em excesso relacionadas ao calor e ao frio.

É importante ressaltar que a morte relacionada ao frio diminuiu 0,51 por cento de 2000 a 2019, enquanto a morte relacionada ao calor aumentou 0,21 por cento, levando a uma redução na mortalidade líquida devido às temperaturas quentes e frias.

O maior declínio da mortalidade líquida ocorreu no Sudeste Asiático, enquanto houve aumento temporal no Sul da Ásia e na Europa.

O professor Guo, da Escola de Saúde Pública e Medicina Preventiva da Universidade Monash, disse que isso mostra que o aquecimento global pode “reduzir ligeiramente o número de mortes relacionadas à temperatura, em grande parte por causa da diminuição da mortalidade relacionada ao frio, porém no clima de longo prazo espera-se que a mudança aumente a carga de mortalidade porque a mortalidade relacionada ao calor continuaria a aumentar. ” .

O professor Guo disse que estudos anteriores analisaram a mortalidade relacionada à temperatura em um único país ou região.

Infográfico explicando a mortalidade por país devido a temperaturas anormais ao longo de 2 décadas. (Foto: Monash University)

“Este é o primeiro estudo a obter uma visão geral da mortalidade devido a condições de temperatura não ótimas entre 2000 e 2019, o período mais quente desde a era pré-industrial”, disse ele.

“É importante ressaltar que usamos dados de base de 43 países em cinco continentes com climas, condições socioeconômicas e demográficas diferentes e diferentes níveis de infraestrutura e serviços de saúde pública, de modo que o estudo teve um tamanho de amostra grande e variado, ao contrário de estudos anteriores”.

Os dados de mortalidade deste estudo inovador da Monash são significativamente mais elevados do que o segundo maior estudo publicado em 2015, que foi baseado em 74 milhões de mortes em 13 países / regiões e estimados 7,7 por cento das mortes foram relacionadas a temperaturas frias e quentes.

O professor Guo disse que mostrou “a importância de obter dados de todos os pontos do globo, a fim de obter uma compreensão mais precisa do impacto real das temperaturas não ótimas sob a mudança climática”.

Das mortes globais atribuídas ao frio e calor anormais, o estudo descobriu:

Mais da metade ocorreu na Ásia, particularmente no Leste e Sul da Ásia.

A Europa teve as maiores taxas de excesso de mortalidade por 100.000 devido à exposição ao calor.

A África Subsaariana teve as maiores taxas de mortalidade por 100.000 devido à exposição ao frio.

O professor Guo acrescentou que a compreensão dos padrões geográficos de mortalidade relacionada à temperatura é importante para a colaboração internacional no desenvolvimento de políticas e estratégias de mitigação e adaptação às mudanças climáticas e proteção da saúde.

 

Mortes anuais devido a temperaturas anormais por região:

África: 1,2 milhão

Ásia: 2,6 milhões

Europa: 835.000

América do Sul: 141.000

Reino Unido: 52.000

Estrados Unidos: 173.600

China: 1,04 milhão

Índia: 74.000

Austrália: 16.500

 

Mortes anuais devido a temperaturas frias por região:

África: 1,18 milhão

Ásia: 2,4 milhões

Europa: 657.000

América do Sul: 116.000

Reino Unido: 44.600

Estados Unidos: 154.800

China: 967.000

Índia: 655.400

Austrália: 14.200

 

Mortes anuais devido a altas temperaturas, por região:

África: 25.550

Ásia: 224.000

Europa: 178.700

América do Sul: 25.250

Reino Unidos: 8.000

Estados Unidos: 18.750

China: 71.300

Índia: 83.700

Austrália: 2300

 

Referência:

Global, regional, and national burden of mortality associated with non-optimal ambient temperatures from 2000 to 2019: a three-stage modelling study. The Lancet Planetary Health, Volume 5, ISSUE 7, e415-e425, July 01, 2021. Disponível aqui.

 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de cinco milhões de mortes por ano podem ser atribuídas a temperaturas anormais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU