‘Minha nomeação é um impulso ao diálogo com o islã’. Entrevista com o neocardeal Cristóbal López

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • Wim Wenders, Dias Perfeitos – 2023. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Setembro 2019

O salesiano espanhol Cristóbal López está à frente da arquidiocese de Rabat, um lugar chave no diálogo inter-religioso e na defesa dos direitos dos migrantes.

A entrevista é de Ricardo Benjumea, publicada por Alfa y Omega, 02-09-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Apenas um ano e meio depois de sua ordenação episcopal, o salesiano espanhol Cristóbal López (Vélez Rubio – Almeria – 1952) será ordenado cardeal em 5 de outubro. Como arcebispo de Rabat, preside uma pequena comunidade católica de pouco mais de 20 mil fiéis, todos estrangeiros, majoritariamente jovens subsaarianos. Porém como dizia o próprio López a esse semanário em janeiro de 2018, “a igreja não é como a Coca-Cola, que tenta ganhar mercado da Pepsi”. O desafio “não é fazer a Igreja crescer, mas sim o Reino de Deus”, e isso somente se consegue trabalhando pela “justiça e a paz”. Essa é a convicção de um missionário, jornalista de formação, que se encontrou com o episcopado quando estava já a ponto de se aposentar depois de vários anos na Bolívia e Paraguai, ou no próprio Marrocos, onde passou 8 anos em Kenitra (2003-2011), a alguns quilômetros de Rabat, onde foi diretor do colégio e do centro de formação profissional Dom Bosco.

Eis a entrevista.

Depois de tão pouco tempo como bispo, é surpreendente que a alguém seja considerado cardeal

Sempre, imagino, é surpreendente. Ao menos para mim foi uma surpresa total.

Como se inteirou da notícia?

Já não sabia nada, ninguém me notificou nada da nomeação, me inteirei ao acabar a Missa da manhã na catedral, porque uma pessoa me ligou por telefone depois de que o Papa tivesse dito no Ângelus. Foi de rebote, sem ter recebido nenhuma notificação. “Deixa de fazer piada, com essas coisas não se brinca”, falei a essa pessoa. Porém já então vi uma mensagem que me havia enviado o núncio, e compreendi que a coisa ia em sério.

O que isso significa para a Igreja no Marrocos e no norte da África, uma Igreja – como todo mundo pode ver durante a recente viagem do Papa – jovem, rosto migrante, de grande vitalidade?

É evidente que essa nomeação não é em mérito a minha pessoa, não tive sequer tempo para fazer esses méritos. Os méritos são dessa Igreja, a Igreja do norte da África. O Papa com cada nomeação transmite uma mensagem. E creio que nesse caso está dizendo: “quero impulsionar o diálogo inter-religioso e islâmico-cristão”, está dizendo: “Ânimo, Igrejas minoritárias do norte da África, vosso testemunho é importante, não somente aí onde estás, mas sim para a Igreja universal, vossa contribuição vai ser levada em conta...”.

E eu creio que também um sinal ao Reino do Marrocos, que tanto fez e está fazendo para favorecer um islã moderado; que tanto fez porque a visita do Papa em março foi um êxito. É também um reconhecimento ao Marrocos, ademais de um sinal à Igreja do norte da África e ao diálogo inter-religioso. Eu acredito que essas três pistas poderiam explicar o fato bastante surpreendente de que depois de um ano e meio de episcopado façam de alguém cardeal.

E você vê uma mensagem sobre as migrações? Outra nomeação surpresa foi a do padre Michael Czerny, subsecretário da Seção de Migrantes e Refugiados do Vaticano. E a Igreja no Marrocos nos últimos anos tem sido caracterizada por seu forte compromisso com os direitos dos migrantes, especialmente através do até recentemente arcebispo de Tânger, Santiago Agrelo.

Aqui a voz de Santiago Agrelo sempre esteve muito presente, principalmente por causa de sua relação com a Espanha, onde qualquer impacto dele teve um grande impacto e acho que ele continuará a tê-lo como bispo emérito. Estou um pouco mais longe desse aspecto da migração. Tânger é muito diferente de Rabat a esse respeito e estava muito pessoal e diretamente envolvido na atenção aos migrantes que estavam se acumulando nas florestas para dar o pulo à Ceuta e Melilla.

Aqui a realidade é diferente. Mas, de qualquer maneira, não quero que essas coisas sejam vistas como posições pessoais: é a Igreja que está em Marrocos, que adotando a postura evangélica do bom samaritano, atende a nossos irmãos que estão em situação de migração. Quem está doente é ajudado a recuperar sua saúde; Quem precisa de educação é oferecido; quem precisa fazer procedimentos burocráticos e legais e não sabe como, ajuda... E todo mundo tenta abrir os olhos para que as decisões que eles tomam livremente sejam mais equilibradas e ponderadas, para que não fiquem de olhos vendados em direção a uma realidade que muitas vezes leva à morte ou muito sofrimento. É a posição de toda a Igreja, não é a posição de um bispo.

Que mensagens de parabéns chamaram sua atenção nesses dias?

A reação mais entusiástica, mais do que alegria, foi no Paraguai. Lá eu mantenho, graças a Deus, muitos amigos. O Paraguai é um país de muita prática religiosa, um país onde a Igreja é tudo, onde 99% da população é católica..., mas eles nunca tiveram um cardeal e, como eu sou naturalizado paraguaio (tenho dupla nacionalidade), eles levaram as coisas para esse lado: “Finalmente o Paraguai tem um cardeal”. De lá, recebi centenas, senão milhares de mensagens. Sem exagerar. Eles também brincaram com vantagem em termos de horário, porque quando o anúncio foi feito no Vaticano, eram 6 da manhã, então eles tomaram o café da manhã com as notícias, que corriam como pólvora. No entanto, no Marrocos, as notícias começaram a ser conhecidas às 13 horas de um domingo, e aqui a mídia não está atenta a essas coisas, talvez nem saibam o que é um cardeal.

Você disse no Twitter logo após ser nomeado que não considera isso uma promoção.

Insisto que ser nomeado cardeal não significa subir mais um passo na hierarquia. Isso é importante destacar. Infelizmente, a mentalidade mais difundida não é essa. Muitos padres me felicitam pela ascensão, pela promoção. E digo a todos: “Que ascensão? Promoção? Não posso ser promovido porque já estou no topo: sou filho de Deus pelo batismo. Existe algo mais alto que isso? ”. Devemos banir essa mentalidade de carreirismo. Continuarei minha vida como de costume, porque o diploma que tenho e que rege minha vida é o batismo, e nisso estamos todos na mesma altura, na mesma distância do centro, que é Cristo. Se não mudarmos essa mentalidade em relação à Igreja, sempre teremos problemas, porque se houver uma escada de oito degraus e acontecer que as mulheres só podem subir o primeiro ou o segundo, elas se sentirão justamente discriminadas. Mas se o ponto mais alto é ser filho de Deus, todos temos a mesma dignidade. Eu acho que a mídia cristã teria que explicar isso. Porque, se não, não sairemos do mesmo de sempre: “Parabéns por uma promoção. Agora, o que vem a seguir, ser Papa? ”. É risível, uma coisa ridícula.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

‘Minha nomeação é um impulso ao diálogo com o islã’. Entrevista com o neocardeal Cristóbal López - Instituto Humanitas Unisinos - IHU