Uma mulher padre? Talvez. Na Checoslováquia

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

30 Mai 2016

Quem pensa que o debate sobre as diaconisas pertença somente à Igreja das origens, se engana. Durante o Comunismo, para a sobrevivência do catolicismo se usaram métodos não convencionais, até o ponto de ordenar sacerdotes homens e mulheres.

A reportagem é de Simone M. Varisco, publicada por Caffè Storia, 25-05-2016. A tradução é de Benno Dischinger.

É a história da Igreja clandestina checoslovaca e de um dos seus membros mais controversos, a saber, Ludmila Javorová. Quando, em 1948, o comunismo ateu tomou o poder na Checoslováquia, para os cristãos do País iniciou uma das épocas da mais cruenta perseguição. Condenada à clandestinidade, a Igreja católica se organizou para resistir. Fundado no final dos anos sessenta, o grupo Koinotés – nome derivado de koinonia, palavra grega que significa “comunhão” – constitui um dos ramos da Igreja clandestina na Checoslováquia comunista. Não podendo atuar publicamente, Koinonés se confiou a estruturas informais e a singulares personalidades eclesiásticas. Chegaram a fazer parte do movimento 15 bispos ordenados secretamente e uns 160 sacerdotes. Trabalhadores de dia e cristãos clandestinos de noite, os membros de Koinonés o núcleo de uma Igreja formada por grupos particulares de sacerdotes e fiéis reunidos em torno dos próprios bispos. Entre estes, os bispos Peter Dobovsky, Jan Blaha e, sobretudo o controverso Felix Maria Davidek

Leitor entusiasmado do cientista e teólogo jesuíta Teilhard de Chardin, bem como de Karl Rahner, de Yves Congar e de Henri-Marie de Lubac, cujo pensamento teria jogado um papel-chave nas elaborações teológicas do Concílio Vaticano II, Felix Maria Davidek se tornou conhecido sobretudo após a sua morte, ocorrida em agosto de 1988, por causa das suas ordenações sacerdotais, bem diversas do que convencionais.

Com a intenção de limitar as suspeitas do regime comunista, Davidek ordenou sacerdotes homens casados, primeiro enquadrando-os na Igreja católica de rito grego, onde a existência de padres casados é admitida. Mas, com a dissolução da Igreja greco-católica, forçadamente incorporada pelo regime comunista na ortodoxa, Davidek não hesitou em ordenar sacerdotes casados biritualistas latino-bizantinos e até mesmo bispos casados.

No decurso dos anos Davidek se lançou além, chegando a ordenar também um pequeno grupo de mulheres. Não simples diaconisas, e sim verdadeiras e próprias sacerdotisas encarregadas de desenvolver sua atividade pastoral entre as mulheres, em particular nos cárceres femininos, onde religiosas e leigas foram aprisionadas em grande número. A ordenação de mulheres rachou Koinotés como nem sequer o Comunismo tinha conseguido fazer. Em dezembro de 1970, colocada em votação a questão num sínodo pastoral convocado para a ocasião, metade dos membros votou contra a decisão de Davidek. Não obstante isso, poucos dias após o bispo ordenou sacerdotisa Ludmila Javorová, que já era seu vigário geral.

Nascida numa família católica, na vida de Ludmila a vocação religiosa – difícil de realizar durante a época comunista – e aquela para o magistério se misturaram com os horrores da guerra, concretizados na perda do irmão mais velho e na invalidez de outro. Adaptando-se a trabalhar como civil, Javorová não perdeu a ocasião de colaborar com a Igreja católica clandestina com Koinótés, sobretudo após o encontro com o bispo Davidek, amigo de família.

De professora de religião, a mulher se tornou primeiro responsável pela segurança dos encontros do grupo e depois vigário geral do bispo. Até dezembro de 1970, quando para Ludmila chegou também o sacerdócio. “Um dom que não pode ser restituído”, dirá anos depois a mulher.

A notícia da ordenação de homens casados e de mulheres não tardou em chegar a Roma. No verão de 1977, John Bukovsky, padre verbita e futuro núncio apostólico na România e na Rússia, foi enviado à Checoslováquia para indagar. A realidade das ordenações foi confirmada, mas não sua validade. Remédios extremos para os males extremos de uma Igreja perseguida? Certamente remédios ilegítimos, cabendo ao bispo clandestino Blaha – responsável pela ordenação sacerdotal do próprio Davidek – e à Santa Sé tomarem posição.

João Paulo II, que ainda como cardeal havia ordenado padres clandestinos para a martirizada Checoslováquia, se pronunciou em 1994 com a Carta apostólica Ordinatio Sacerdotalis, na qual, “a fim de eliminar toda dúvida sobre uma questão de grande importância, atinente à própria divina constituição da Igreja”, declarou “que a Igreja não tem de nenhum modo a faculdade de conferir às mulheres a ordenação sacerdotal e que esta sentença deve ser observada de modo definitivo por todos os fiéis da Igreja”.

Foram necessários anos para resolver as irregularidades de alguns dos ordenados da Igreja checa. Aos 11 de fevereiro de 2000 chegou o pronunciamento da Congregação para a Doutrina da Fé, da qual era prefeito o então cardeal Joseph Ratzinger. Já após a queda da cortina de ferro, João Paulo II havia proibido a Ludmila Javorová de desenvolver qualquer função sacerdotal e em 1997 havia regularizado a posição de 22 sacerdotes latinos casados, autorizando-os a passarem ao rito bizantino eslavo. Destes sacerdotes, 18 foram ordenados sub conditione na abadia pré-monstratense de Zeliv.

Permaneceu aberta a questão dos sacerdotes que escolheram não aceitar as normas aprovadas pelo Santo Padre, considerando já terem sido validamente ordenados e, sobretudo aquela dos bispos casados, cuja posição era inconciliável tanto com a lei canônica da Igreja católica, tanto de rito latino quanto oriental, como também com a tradição das Igrejas orientais, que não admitem a compatibilidade do estado matrimonial com o ofício episcopal. No documento da Congregação não se faz referência às mulheres ordenadas.

Em 2011 Koinótés foi premiada pela Fundação Herbert Haag pela “liberdade na Igreja”. A receber o prêmio em nome do grupo foi a própria Javorová. Presente à cerimônia esteve também Hans Küng, teólogo suíço castigado por João Paulo II com a cassação do mandato canônico, que voltou a fazer falar de si há poucos dias por haver recebido do Papa Francisco uma carta que responde à solicitação de “uma livre discussão sobre o dogma da infalibilidade” papal. Ludmila Javorová ensinou gramática até os 81 anos. Agora com 84 anos, católica, vive em Brno e é um membro ativo de sua paróquia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma mulher padre? Talvez. Na Checoslováquia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU