“A paz da Colômbia nas mãos de políticos é muito arriscada”, disse o sacerdote Francisco de Roux

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Agosto 2017

O sacerdote jesuíta Francisco “Pacho” de Roux afirmou que a paz na Colômbia não deve ser uma “bandeira política” porque tudo na política tem um preço e a “paz é um valor ético”, pelo qual “se luta gratuitamente”.

A reportagem é publicada por TeleSur, 07-08-2017. A tradução é do Cepat.

O religioso colombiano afirmou que o país sul-americano, golpeado por um conflito de 52 anos, deve mudar, mas para isso “todos temos que mudar”.

“A paz é uma causa maior que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia Exército do Povo (FARC-EP), Uribe e Santos”, afirmou De Roux, e acrescentou: “A reconciliação é uma meta espiritual”.

De Roux ressaltou o trabalho da Igreja como acompanhante no processo de paz na Colômbia e mão amiga dos homens e mulheres nas zonas veredais.

Em relação à visita do Papa Francisco ao país colombiano, De Roux afirmou que o Sumo Pontífice chega “no marco do perdão das vítimas. Sua visita terá um efeito no tema da paz”. O sacerdote acrescentou que o Papa defenderá o processo de paz e a não polarização da sociedade colombiana.

De Roux disse que a reunião entre as FARC-EP e as vítimas foi um “evento belo”, em razão da generosidade mostrada pelas vítimas que aceitaram o perdão dos ex-combatentes. No entanto, “perdão não significa abandonar a lembrança e a memória das coisas duras, mas supõe compreender que caminhamos para um país distinto, onde há um futuro para os camponeses, indígenas, afrodescendentes e o empresariado, que poderá fazer uma economia mais forte e equitativa”.

“Não podemos permitir que o processo de paz na Colômbia fracasse e espero que o sangue derramado pelas vítimas nos ajude a tirar o país desta etapa obscura”, foi o que expressou o Papa Francisco, na Praça da Revolução, em Cuba, em 2016.

Assista ao vídeo clicando no link da imagem: 

Francisco De Roux (Foto: TeleSur) 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A paz da Colômbia nas mãos de políticos é muito arriscada”, disse o sacerdote Francisco de Roux - Instituto Humanitas Unisinos - IHU