Comunidades de fé precisam olhar criticamente a situação das mulheres, defende Conic

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Mai 2022

 

As religiões e os movimentos de espiritualidade precisam assumir que é impossível resolver as desigualdades de gênero sem o compromisso de serem promotores dos direitos das mulheres, destaca o e-book “Mulheres: Fé, Direito e Justiça”, editado pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), que abraçou o apoio a lideranças femininas nas igrejas para a superação da desigualdade. Ao integrarem a sociedade e promoverem princípios e valores contribuindo para um mundo melhor, elas “têm o dever de olhar, em profundidade e criticamente a situação das mulheres no mundo”.

 

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

 

A cultura brasileira, aponta o texto, “é fortemente influenciada pela visão religiosa, especialmente cristã, sobre o papel e o lugar das mulheres na sociedade e nas igrejas”. A experiência religiosa de igrejas se caracteriza pela presença majoritária de homens nos espaços de decisão das comunidades de fé, que reproduzem a cultura patriarcal

 

Essa situação é reforçada pela teologia. “A exaltação das representações masculinas de Deus como pai, senhor, salvador, juiz guerreiro” induz à crença de que os homens estão mais próximos de Deus. “As experiência religiosas das mulheres não são incorporadas como experiências salvíficas em muitas religiões; por isso, as imagens de Deus que conhecemos são imagens masculinas”, reforça o texto. 

 

Esse olhar crítico implica, segundo o Conic, “denunciar o injusto, antiético e amoral, que as mulheres, pelo fato de serem mulheres, precisam viver em situações de desigualdade”. Também significa reconhecer que as mulheres são, na maioria das comunidades de fé, “as construtoras diárias da sobrevivência desses espaços”, sem que elas sejam respeitadas em seus direitos e dignidade. Por isso é preciso “promover espiritualidades que resgatem uma reconciliação dos seres humanos, entre eles mesmos e com o planeta”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Comunidades de fé precisam olhar criticamente a situação das mulheres, defende Conic - Instituto Humanitas Unisinos - IHU