Federação Mundial Luterana saúda o incentivo do Papa ao combate às mudanças climáticas

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Junho 2015

A Federação Mundial Luterana – FML saudou a encíclica do Papa Francisco “Laudato Si’ – Sobre o cuidado da casa comum” como um incentivo a todos aqueles que lutam pela justiça climática.

O Rev. Martin Junge, secretário-geral da FLM, disse que a encíclica “encoraja cada um que vive neste planeta a colaborar, urgentemente, na proteção da nossa casa comum. Como FLM, nos sentimos incentivados a continuar mantendo um compromisso especial tanto em chamar a atenção para as mudanças climáticas quanto para combatê-las. Estamos ansiosos em fortalecer a colaboração ecumênica sobre esta questão vital que preocupa a todos”.

A informação é publicada pelo sítio da Lutheran Word Federation – LWF, 18-06-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Publicada pelo Vaticano, a encíclica pede, pelas palavras do chefe da Igreja Católica de Roma, por uma revolução ética, espiritual e econômica para que evitemos uma mudança climática catastrófica e travemos a crescente desigualdade no mundo.

“Saudamos a ênfase do Papa Francisco na união estreita do cuidar do planeta e cuidar dos pobres e das gerações futuras”, disse Junge. “Temos de ler a encíclica com atenção no intuito de identificarmos o denominador comum em vista do nosso atual engajamento em questões de mudança climática”, acrescentou.

A FLM se comprometeu em se focar na redução do impacto das mudanças climáticas como uma questão de responsabilidade social, econômica e ecojustiça. Muitas das igrejas-membro da FLM sofreram as consequências das crescentes e frequentes alterações climáticas que atingiram, de modo desproporcional, comunidades vulneráveis. A FLM também enfatiza o cuidado da criação como uma questão de justiça entre gerações.

Os jovens delegados da FLM lideram a defesa da organização sobre esta questão com a campanha mundial “Fast for the Climate” (Jejue pelo Clima), e representam a FLM nas conferências sobre as mudanças climáticas da ONU. A justiça climática é um dos focos de comemoração da Comunhão Luterana pelos 500 anos da Reforma, em 2017, ilustrada por um dos subtemas do evento: “A Criação não está à venda”.

Como parte de seu compromisso com a administração da criação, a FLM está trabalhando para se tornar neutra em carbono até 2050. A Federação está envolvendo os seus respectivos departamentos em iniciativas que contribuem para a redução das emissões de carbono. Muitas das igrejas-membro estão fazendo esforços semelhantes.

A Federação Luterana Mundial – FLM vai participar (de 30 de novembro a 11 de dezembro) da Conferência das Partes (COP 21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em Paris.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Federação Mundial Luterana saúda o incentivo do Papa ao combate às mudanças climáticas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU