Ministros peruanos pedem demissão coletiva a Humala

Mais Lidos

  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS
  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Julho 2012

Todos os ministros do Peru apresentaram ontem sua renúncia ao presidente do país, Ollanta Humala, cuja popularidade vem caindo em razão dos conflitos sociais que seu governo enfrenta. Essa é a terceira mudança de gabinete da gestão que completa um ano no sábado, uma situação inédita no Executivo peruano nas últimas décadas.

A informação é publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 24-07-2012.

Humala nomeou ontem à noite Juan Jiménez Mayor, ministro da Justiça no gabinete demissionário, como novo chefe do Conselho de ministros no lugar de Oscar Valdés, que comandou a repressão aos protestos no Departamento de Cajamarca. A atuação das forças policiais deixou cinco manifestantes mortos no início do mês e, segundo analistas políticos do Peru, a substituição de Valdés é uma das principais mudanças do governo.

Os habitantes da região, onde o governo federal impôs um estado de emergência, têm se manifestado contra um projeto que prevê novas instalações da mineradora Yanacocha - que pertence à empresa americana Newmont - com medo de que fontes de água sejam contaminadas ou sequem.

Ao menos 17 pessoas morreram em manifestações populares durante o governo Humala, que enfrenta atualmente 169 conflitos sociais ativos e outros 68 "latentes", segundo informações da Defensoria Pública peruana.

Além de Jiménez, advogado especialista em direitos humanos, outro ministro demissionário tinha sido cotado para substituir Valdés: Manuel Pulgar Vidal, do Meio Ambiente. O governador do Departamento de Moquegua, Martín Vizcara, também teria sido cogitado pelo presidente para chefiar o Conselho de Ministros.

Humala anunciou ontem à noite seu novo gabinete, mas manteve no cargo o ministro das Finanças, Luis Miguel Castilla, favorito dos investidores, além do ministro das Minas e Energia, Jorge Merino, responsável por um projeto de investimento de US$ 50 bilhões nos gasodutos do principal exportador do mundo.

Popularidade

Segundo dados de uma pesquisa publicada no domingo pela imprensa peruana, a popularidade do presidente caiu 5 pontos porcentuais entre junho e julho - ela estaria em 36%. A desaprovação ao governo de Humala, segundo a sondagem do instituto GfK, aumentou 2 pontos, chegando a 55%.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ministros peruanos pedem demissão coletiva a Humala - Instituto Humanitas Unisinos - IHU