Ondas de calor extremas são cada vez mais prováveis

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

27 Julho 2022

 

“Se as medidas apropriadas não forem tomadas, a probabilidade de ocorrência de ondas de calor extremas aumentará e impactará ainda mais o equilíbrio ecológico, bem como o desenvolvimento social e econômico sustentável”.

 

A reportagem é de Institute of Atmospheric Physics, Chinese Academy of Sciences, publicada por EcoDebate, 24-07-2022. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

 

19 de julho foi o dia mais quente já registrado no Reino Unido, com temperaturas superiores a 40 graus Celsius (cerca de 104 graus Fahrenheit). A onda de calor serve como uma prévia do que os meteorologistas teorizam que será o clima típico de verão no Reino Unido em 2050. O calor continua em toda a Europa hoje, bem como nos Estados Unidos, onde mais de um terço do país está sob alertas de calor.

 

As temperaturas remontam a pouco mais de um ano atrás, quando quase 1.500 pessoas morreram durante uma onda de calor no final de junho que mais que dobrou as temperaturas médias nos Estados Unidos e no Canadá.

 

As temperaturas continuarão a subir, levando a eventos de calor extremo mais frequentes?

 

Sim, de acordo com a análise mais recente dos padrões de circulação atmosférica e emissões causadas pelo homem que levaram à onda de calor de 2021 na América do Norte. As descobertas, publicadas em 22 de julho na Advances in Atmospheric Sciences, também podem explicar a atual onda de calor do Reino Unido.

 

A equipe de pesquisa descobriu que os gases de efeito estufa são a principal razão para o aumento das temperaturas no passado e provavelmente continuarão sendo o principal fator contribuinte, com simulações mostrando que eventos extremos de ondas de calor aumentarão mais de 30 pontos percentuais nos próximos anos. A maior parte dessa probabilidade aumentada é resultado de gases de efeito estufa, de acordo com seus resultados.

 

“Uma onda de calor extraordinária e sem precedentes varreu o oeste da América do Norte no final de junho de 2021, resultando em centenas de mortes e uma morte massiva de criaturas marinhas na costa, além de terríveis incêndios florestais”, disse o principal autor Chunzai Wang, pesquisador do Laboratório de Engenharia e Ciência Marinha do Sul de Guangdong e chefe do Laboratório Estadual de Oceanografia Tropical do Instituto de Oceanologia do Mar da China Meridional, Academia Chinesa de Ciências (CAS).

 

“Neste artigo, estudamos os processos físicos de variabilidade interna, como padrões de circulação atmosférica, e forçamento externo, como gases de efeito estufa antropogênicos”.

 

Os padrões de circulação atmosférica descrevem como o ar flui e influencia as temperaturas do ar da superfície ao redor do planeta, as quais podem mudar com base no aquecimento natural do Sol e na variabilidade interna atmosférica, bem como na rotação da Terra. Essas configurações são responsáveis pelo clima diário, bem como pelos padrões de longo prazo que compõem o clima. Usando dados observacionais, os pesquisadores identificaram que três padrões de circulação atmosférica ocorreram durante a onda de calor de 2021: o padrão do Pacífico Norte, o padrão do Ártico-Pacífico Canadá e o padrão da América do Norte.

 

“O padrão do Pacífico Norte e o padrão do Ártico-Pacífico Canadá co-ocorreram com o desenvolvimento e fases maduras da onda de calor, enquanto o padrão da América do Norte coincidiu com os movimentos de decadência e leste da onda de calor”, disse Wang. “Isso sugere que a onda de calor se originou no Pacífico Norte e no Ártico, enquanto o padrão da América do Norte inaugurou a onda de calor”.

 

Mas os padrões de circulação atmosférica podem ocorrer – e aconteceram antes – sem desencadear uma onda de calor extrema, então, quanto o evento de 2021 foi influenciado pelas atividades humanas? Wang e a equipe usaram os modelos internacionalmente selecionados, testados e avaliados do Programa Mundial de Pesquisa Climática, especificamente os modelos de Comparação de Modelos de Atribuição de Detecção da Fase 6 do Projeto de Intercomparação de Modelos Acoplados (CMIP6).

 

“A partir dos modelos CMIP6, descobrimos que é provável que o aquecimento global associado aos gases de efeito estufa influencie essas três variabilidades do padrão de circulação atmosférica, o que, por sua vez, levou a um evento de onda de calor mais extremo”, disse Wang. “Se as medidas apropriadas não forem tomadas, a probabilidade de ocorrência de ondas de calor extremas aumentará e impactará ainda mais o equilíbrio ecológico, bem como o desenvolvimento social e econômico sustentável”.

 

Outros colaboradores incluem o autor co-correspondente Jiayu Zheng e dois estudantes da Universidade do CAS: Wei Lin e Yuqing Wang.

 

Foto: EcoDebate

 

Referência:

 

Wang, C., Zheng, J., Lin, W. et al. Unprecedented Heatwave in Western North America during Late June of 2021: Roles of Atmospheric Circulation and Global Warming. Adv. Atmos. Sci. (2022). Disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ondas de calor extremas são cada vez mais prováveis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU