Presidente dos bispos poloneses pede ao papa que resista às exigências da Igreja alemã

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Novembro 2023

O presidente da Conferência dos Bispos da Polônia criticou duramente as demandas de mudança liberal por parte da Igreja na vizinha Alemanha e instou o papa a não permitir que elas dominem o Sínodo sobre a Sinodalidade em Roma.

A reportagem é de Jonathan Luxmoore, publicada em OSV News, 17-11-2023. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“A tomada de consciência sobre o poder da verdade sustenta a minha esperança em relação ao Sínodo em curso – que absolutamente não será manipulado ou usado para autorizar teses alemãs que contradizem abertamente o ensinamento da Igreja Católica”, disse o arcebispo Stanislaw Gadecki, de Poznan, em uma carta dirigida ao Papa Francisco e divulgada no dia 14 de novembro.

“Existe o risco de que as afirmações científicas citadas estejam erradas, como ocorreu com outra teoria outrora popular sobre o racismo. Se a competência doutrinal fosse concedida às conferências episcopais ou às assembleias continentais, então tais teses seriam consideradas católicas – e talvez impostas a outras conferências, apesar de seu caráter obviamente não católico”, disse o arcebispo.

A carta de 1.000 palavras foi publicada antes da plenária de outono dos bispos poloneses, de 20 a 21 de novembro, que deverá se concentrar nas reações ao Sínodo de outubro em Roma.

No encerramento do Sínodo realizado de 4 a 29 de outubro, foi divulgado um relatório de síntese sobre as discussões. Segue-se agora um período de reflexão de um ano para toda a Igreja, que culminará na segunda e última assembleia sinodal no fim de 2024 sobre o mesmo tema da sinodalidade.

Em sua carta, Gadecki disse que ficou alarmado com um documento de 150 páginas distribuído aos participantes do Sínodo, expondo as demandas alemãs, bem como com sugestões presentes no documento de trabalho do Sínodo, ou Instrumentum laboris, de que “os discernimentos de uma única conferência episcopal” podem conter “autêntica autoridade doutrinal”.

“Os autores desse documento parecem tão envergonhados com a forma como os bispos alemães reagiram aos relatos de abuso sexual por parte do clero que decidiram iniciar uma revolução moral e legal na Igreja universal – no entanto, parece que essa não seria uma revolução evangélica. revolução, mas sim inspirada em ideologias liberais de esquerda”, disse o presidente dos bispos poloneses ao pontífice.

“Os principais temas são a mudança na ordem da Igreja e no ensino sobre a moral sexual, e a ordenação de mulheres ao diaconato e ao presbiterado [que] a Igreja deve tornar-se o máximo semelhante possível ao mundo democrático liberal, que exemplifica o humanismo”, disse ele, criticando o Caminho Sinodal da Igreja alemã.

A Igreja Católica na Alemanha enviou seis delegados à 16ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos em Roma, e acredita-se que ela tenha influenciado a pauta por meio de suas próprias discussões do Caminho Sinodal, lançado em dezembro de 2019. O caminho, que durará até 2026, foi retomado em Essen no dia 11 de Novembro, embora vários bispos alemães, incluindo o cardeal Rainer Maria Woelki, de Colônia, tenham desistido de participar, depois de se oporem às suas exigências liberais.

Em sua carta, Gadecki disse que o Caminho Sinodal alemão apelou a Igreja a adotar o “sistema político” e a “burocracia democrática” dominantes no Ocidente, por meio da supervisão leiga sobre o clero, da transparência na tomada de decisões e de uma “estrutura de poder paralela à hierarquia”, ao mesmo tempo que exigia “a bênção de uniões não sacramentais, incluindo as uniões entre pessoas do mesmo sexo”, alegando que estas não eram pecaminosas.

“Pelo contrário, é o ensinamento da Igreja que é pecaminoso, assim como impiedoso e discriminatório – isso torna a Igreja, segundo os autores, responsável pela perseguição e pelo suicídio de pessoas trans”, disse o arcebispo polaco.

“Na realidade, as relações entre as pessoas, incluindo as relações sexuais, estão tradicionalmente sujeitas à avaliação moral no ensino da Igreja. (...) O amor não justifica tudo nem torna tudo bom. Na abordagem católica, tratamos cada pessoa com respeito, mas não cada escolha humana”, disse ele.

Os bispos da Igreja Católica, predominante na Polônia, são amplamente vistos como defensores do ensino católico conservador na Europa.

Enquanto isso, um delegado leigo polonês ao Sínodo disse ao OSV News que a carta aberta do arcebispo sinalizou “receios públicos” poloneses sobre as demandas de reforma na Igreja em geral, mas disse duvidar que qualquer bispo polonês discordasse abertamente das decisões papais, a ponto de emitirem publicamente perguntas críticas, conhecidas como “dubia”.

“A Igreja polonesa acredita que quaisquer mudanças devem ser pastorais, e não doutrinais”, disse o professor de filosofia Aleksander Banka, membro do Conselho de Apostolado Leigo da Igreja polonesa.

“Mas as dubia não são uma forma adequada de comunicação com o Santo Padre, uma vez que elas fazem pressão e o forçam a responder sobre questões que exigem delicadeza e cuidado. Qualquer bispo que tenha perguntas ou dúvidas pode resolvê-las por meio de conversas diretas com o papa. Tendo demonstrado uma lealdade pública muito maior ao Santo Padre e ao ensino da Igreja do que seus homólogos alemães, não creio que os bispos poloneses virão a público dessa forma”, disse ele.

A carta de Gadecki segue uma decisão divulgada no dia 8 de novembro pelo Dicastério para a Doutrina da Fé do Vaticano, segundo a qual as pessoas transexuais “podem receber o batismo nas mesmas condições que outros fiéis”, se isso não causar escândalo ou confusão entre outros católicos.

Em sua carta, o arcebispo polonês disse que as exigências de reforma alemãs também incluíam o não registo do gênero da criança nas certidões de batismo e o fornecimento às pessoas trans de acesso aos sacramentos, incluindo o presbiterado e a vida consagrada.

“Todo o magistério da Igreja sobre gênero, portanto, deveria ser fundamentalmente modificado, uma vez que não corresponde à autocompreensão das pessoas trans”, disse o presidente dos bispos poloneses ao papa.

“Isso tudo em nome das chamadas conquistas mais recentes das ciências sociais”, disse ele.

No entanto, Banka disse que o Vaticano demonstrou “grande reserva crítica” sobre as atuais demandas alemãs, acrescentando que a nova decisão sobre as pessoas trans reflete o impacto de “muitas vozes públicas”.

“O Vaticano está buscando sustentar cautelosamente a visão antropológica básica da pessoa humana há muito tempo articulada pela Igreja, ao mesmo tempo que reconhece que a situação atual requer uma compreensão mais profunda e sensível”, disse o delegado polonês ao OSV News.

“Ao mesmo tempo que mantém sua unidade doutrinal, ele está tentando responder às necessidades pastorais, aproximando-se dessas pessoas. É claramente necessário falar sobre isso, quaisquer que sejam os postulados que tenham surgido na Alemanha.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Presidente dos bispos poloneses pede ao papa que resista às exigências da Igreja alemã - Instituto Humanitas Unisinos - IHU