Brasil investe só um terço do que os países ricos destinam para a educação básica

Mais Lidos

  • O Papa Francisco desafiou os teólogos. Mas somos ousados o suficiente para responder? Artigo de Agbonkhianmeghe Emmanuel Orobator

    LER MAIS
  • Por um novo humanismo planetário. Artigo de Edgar Morin

    LER MAIS
  • A denúncia da ONU: “Os palestinos em Gaza vivem em total horror”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Setembro 2023

Relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mostra Brasil nas últimas posições de investimento público no ensino básico.

A reportagem é de Marcelo Menna Barreto, publicada por Extra Classe, 14-09-2023.

O Brasil investe apenas um terço dos gastos dos países ricos na educação básica pública por aluno e ocupa a terceira pior posição no relatório Education at a Glance 2023 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Enquanto a média de investimentos da OCDE fica na ordem de US$ 10.949 por aluno anualmente, o Brasil desembolsa US$ 3.583.

A metodologia aplicada no estudo contempla todos os recursos estatais usados na educação pública no ano de 2020, divididos pelo total de matrículas no ensino fundamental e médio e os comparando com os principais indicadores na área da educação.

Os três primeiros colocados são respectivamente Luxemburgo, Suíça e Bélgica, com U$ 26.370, US$ 17.333 e US$ 16.50. Estados Unidos ocupam a sexta posição, com U$ 15.194.

O ranking contempla os 38 países do organismo e três aspirantes ao bloco, África do Sul, Argentina e o próprio Brasil.

Na frente apenas da África do Sul (40ª posição, com U$ 3.085 de investimento anual) e do México (41ª, com U$ 2.702), o Brasil fica oito casas abaixo dos latino americanos Chile (31ª posição, com U$ 6.774), quatro da Costa Rica (35ª, com U$ 4.958), três da Colômbia (34ª, com U$ 4.269) e duas da Argentina (37ª, com U$ 3.975).

Entre os países da América Latina listados, Chile, Colômbia, Costa Rica e México são integrantes da OCDE.

Os “nem, nem”, o ensino profissionalizante e superior

O estudo aponta que após a Covid-19, o Brasil reduziu 10,5% de seus recursos públicos com educação, enquanto os países integrantes da OCDE realizaram uma elevação média de 2,1%.

Na faixa etária dos 18 a 24 anos, o relatório faz um destaque sobre o número de jovens que não estudam nem trabalham.

O Brasil fica com o sexto pior indicador, com um total de 24,4% diante de uma média de 15%.

Entre os países pesquisados, a Holanda é a melhor posicionada, com apenas 4% de percentual.

No ensino profissionalizante, o Brasil é o terceiro pior em acesso, com 11% dos estudantes de 15 a 19 anos matriculados. A média da OCDE nessa mesma faixa etária é de 37%.

No entanto, a pesquisa destaca que a modalidade tem pouca atenção. “Programas escolares e práticos combinados permanecem raros em muitos países.

Em média, apenas 45% de todos os estudantes de educação profissionalizante do ensino médio superior estão matriculados em tais programas em toda a OCDE”, aponta o relatório, afirmando que o ensino profissionalizante ainda é visto como “opção alternativa para estudantes com dificuldades para estudar ou que têm pouca motivação”.

A melhor performance do Brasil no ranking se deu no ensino superior. Nele, os investimentos governamentais ficam próximas da média da OCDE, que é de US$ 14.839.

Com US$ 14.735 investidos anualmente por aluno em sua rede pública de ensino superior, o Brasil fica a frente dos sul-americanos e Estados Unidos.

Veja o ranking de investimento no ensino básico:

Luxemburgo – U$ 26.370
Suíça ­- U$ 17.333
Bélgica – U$ 16.501
Áustria – U$ 16.144
Noruega – U$ 15.551
Estados Unidos – U$ 15.194
Islândia – U$ 15.163
Coreia – U$ 14.525
Suécia – U$ 14.093
Dinamarca – U$ 13.162
Austrália – U$ 12.416
Finlândia – U$ 12.366
Holanda – U$ 12.312
Canadá – U$ 12.260
Reino Unido – U$ 12.064
Itália – U$ 11.178
Espanha – U$ 10.819
Portugal – U$ 10.643
República Checa – U$ 10.616
Irlanda – U$ 9.910
Eslovênia – U$ 9.572
Estônia – U$ 9.265
Israel – U$ 8.865
Nova Zelândia – U$ 8.808
Polônia – U$ 8.457
Lituânia – U$ 8.168
Eslováquia – U$ 8.132
Letônia – U$ 7.400
Croácia – U$ 7.307
Grécia – U$ 7.021
Chile – U$ 6.774
Hungria – U$ 6.586
Bulgária – U$ 5.820
Romênia – U$ 5.129
Costa Rica – U$ 4.958
Colômbia – U$ 4.269
Argentina – U$ 3.975
Turquia – U$ 3.607
Brasil – U$ 3.583
África do Sul – U$ 3.085
México – U$ 2.702

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil investe só um terço do que os países ricos destinam para a educação básica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU