O novo desafio do fascismo e como derrotá-lo

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Novembro 2022


Bolsonaro encena seu Capitólio e estimula a sabotagem nas estradas — que tem a cumplicidade da PRF. Igual a Trump, presidente derrotado tentará manter-se como sombra e emparedar Lula. Novo governo precisará mobilizar as ruas

O comentário é de Antonio Martins, editor de Outras Palavras, publicado por Outras Palavras, 01-11-2022.

Eis o texto.

Auto-enclausurado no Palácio da Alvorada desde a derrota nas urnas, Jair Bolsonaro emergiu na tarde desta terça-feira (1º/11) para uma fala patife. Procurou dissociar-se dos bloqueios feitos por seus partidários em centenas de estradas, terminais rodoviários e aeroportos, afirmando em teoria o direito de ir-e-vir. Por certo, teme complicar-se ainda mais nos processos que enfrentará, após apeado dos privilégios e imunidades do poder. Mas não convocou os promotores da sabotagem a abandoná-la. Quer tê-los junto a si, como tropa de choque política. Acariciou-os, dizendo que “são frutos de indignação e sentimento de injustiça de como se deu o processo eleitoral”. Também não reconheceu a derrota nem anunciou o início da transição do poder a Lula. Mas pediu ao ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, que o fizesse, aparentemente em seu nome.
 
A fala em subterfúgios e ziguezagues expõe a tática geral que o fascismo brasileiro perseguirá, nos próximos quatro anos. É cópia da de Donald Trump. Bolsonaro sabe que não tem, agora, chance alguma de evitar a posse de seu adversário. Mas quer demonstrar força e sugerir que reuniu instrumentos para, a qualquer momento, parar o país. Tem bandos dispostos a seguir suas ordens. Tem, ao menos no momento, a cumplicidade de setores importantes do aparato de segurança do Estado – a Polícia Rodoviária Federal (PRF) é o símbolo maior. Ao manter-se na disputa pelas ruas, quer obrigar Lula a abandoná-las e a se refugiar nos acertos com as instituições, o que seria fatal.

Há um antídoto. Inclui uma proposta clara de governo (algo que o futuro presidente esboçou, nos discursos pós-vitória) e a quebra dos sigilos decretados por Bolsonaro (que Lula já havia prometido). Mas também exigirá recorrer, ao longo de todo o governo, a intensa mobilização popular.

* * *
Na noite desta terça (1º/11), o quadro de cumplicidade entre os bandos bolsonaristas que bloqueiam as estradas e a PRF permanecia nítido. Havia 235 trechos de rodovias cortadas, sempre por pequenos grupos. Seus integrantes não pareciam dispostos a recuar, após a fala de Bolsonaro. Pediam “intervenção militar” contra a vitória de Lula nas urnas e se utilizam de caminhões atravessados nas pistas ou barreiras de pneus incendiados. Mas não pareciam ser, em sua maioria, caminhoneiros. Havia registros de carros e motos de luxo envolvidos.

Dezenas de rodovias que ligam rotas cruciais (São Paulo-Rio, por exemplo) estavam cortadas. Os acessos a aeroportos como os de Guarulhos e Viracopos e a algumas artérias urbanas (como as marginais dos rios Tietê e Pinheiros), em São Paulo tinham sido interrompidos, de modo intermitente, ao longo do dia. O caos estendia-se aos terminais rodoviários. Milhares de passageiros afligiam-se diante da impossibilidade de viajar e muitos outros haviam sido forçados a cancelar seus deslocamentos.

Porém, os bandos que tentavam paralisar o país só tinham força por contarem com o apoio sem disfarces da PRF. Os noticiários exibiram inúmeras imagens em que as viaturas policiais, além de não desfazerem os bloqueios, os engrossavam e até colaboravam com eles [1 2 3]. Em muitas das cenas, fica claro que havia mais agentes da PRF que “manifestantes”. O número destes era tão exíguo que um grupo de torcedores do Atlético Mineiro, desejoso de chegar a São Paulo para assistir a uma partida de seu time, não teve dificuldade alguma em expulsá-los (vale a pena ver o vídeo).

 

 

Em condições normais, este tipo de atitude, por parte da polícia rodoviária já seria um acinte à população. Mas agora há o agravante de contrariar ordem judicial explícita da corte mais alta do país. Na noite de segunda-feira (31/10), o ministro Alexandre Moraes, do Supremo Tribunal Federal, determinou à PRF a liberação das rodovias a partir da meia noite – sob pena de multa milionária e prisão em flagrante de seu comandante, Silvinei Vasques. Na madrugada, o plenário do STF, convocado em caráter de urgência, formou maioria em favor da decisão.

Ela foi solenemente ignorada pela PRF e Silvinei ao longo do dia. Trata-se da mesma polícia que, no dia das eleições, realizou supostas “operações de vistoria” seletivas – apenas no Nordeste – que dificultaram o acesso de centenas de milhares de eleitores às urnas. Trata-se do mesmo comandante que, em 30/10, publicou em rede social (e depois apagou), post favorável a Bolsonaro. E é, também, o mesmo órgão que, conforme relatou com brilhantismo o repórter Allan de Abreu na revista Piauí, foi meticulosamente aparelhado por Bolsonaro, para se transformar em uma espécie de polícia política antirrepublicana.

* * *

Do ponto de vista imediato, os bloqueios estão fadados a fracassar. Além de pouco numerosos, seus integrantes estão isolados. No Brasil, a vitória de Lula foi reconhecida por todo o espectro político – inclusive pelo vice-presidente Hamilton Mourão. O mesmo se dá no exterior. Se as ações prosseguem mesmo assim, é porque fazem parte de um projeto maior. Vale examinar, como sugeriu Boaventura de Sousa Santos, o caso dos Estados Unidos, Donald Trump e Steve Bannon. De lá provém, como foi fartamente documentado nos últimos anos, a orientação política para a extrema direita brasileira – a começar de Jair Bolsonaro e seus filhos.

Toda a tática de Trump, a partir da “tomada” do Capitólio, visou dois objetivos centrais:

a) indicar que a extrema direita está pronta para agir e disposta a usar a força;

b) ganhar a batalha crucial pela supremacia nas ruas.

Este segundo ponto é o mais importante. Ele empareda as forças que desejam a mudança. Se são incapazes de mobilizar a sociedade, elas tornam-se reféns das instituições – Congresso, Judiciário, mídia – onde pode não haver fascismo, mas há certamente compromisso com os privilégios das minorias.

* * *

Não deve haver ilusões. Os bloqueios criminosos pós-eleições são muito mais que a ação de grupos tresloucados, ou de populares bolsonaristas que lamentam a derrota eleitoral. São parte de um projeto para garantir – a partir de agora, e o quanto antes – a volta do fascismo ao governo.

Felizmente, é possível enfrentá-lo. Na noite do último (30/10), um milhão de pessoas coalharam a Avenida Paulista, para ouvir um Lula vitorioso e eletrizado. Enormes manifestações espalharam-se por todo o país. O presidente recém-eleito voltou a mencionar um tema-chave, que tem feito parte de seus discursos mais recentes: a reconstrução do Brasil, em novas bases.

Em ocasiões anteriores, ele havia mencionado a disposição de quebrar os sigilos decretados por Bolsonaro sobre atos de governo, o que pode abrir caminho para que o Judiciário promova o processo e condenação criminal.

São excelentes pontos de partida. Mas é preciso compreender que mobilizações como a de domingo – tão raras nos últimos tempos – precisarão se repetir muito, nos próximos quatro anos. A ideia da reconstrução nacional livra Lula de uma postura voltada para o passado, que havia prevalecido em boa parte de sua campanha. A quebra dos sigilos de cem anos pode ajudar a colocar Bolsonaro na defensiva – e quiçá, na cadeia. E os fatos gravíssimos dos últimos dias apontam a necessidade de uma vasta limpeza e reestruturação no aparato policial – principalmente na PRF. Mas o bolsonarismo não acabará tão cedo, nem se dissolverá. E ter supremacia nas ruas será essencial para derrotá-lo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O novo desafio do fascismo e como derrotá-lo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU