Arcebispo de Canterbury na Austrália: a Igreja Anglicana sente vergonha pelas divisões do passado e do presente

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Outubro 2022

 

Justin Welby reforça sua mensagem de unidade olhando para o passado da Austrália.

 

A reportagem é de Muriel Porter, publicada por Church Times, 10-10-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

O Arcebispo de Canterbury está “entristecido e desapontado” pela recusa da diocese conservadora de Sydney em reconhecer o status episcopal da Arcebispa de Perth, a reverenda Kay Goldsworthy, a líder feminina mais importante da Igreja australiana.

 

Falando durante a etapa de Perth de sua visita australiana de duas semanas, o arcebispo Justin Welby disse que foi doloroso para a arcebispa Goldsworthy e outras mulheres que se acreditavam chamadas e que a Igreja reconheceu como chamadas. “Nós apenas temos que trabalhar nosso caminho de forma constante com isso”, disse ele. Welby e Goldsworthy devem se reunir com o Arcebispo de Sydney, o reverendo Kanishka Raffel e sua esposa durante uma visita a Sydney que começa na terça-feira.

 

No domingo, o arcebispo Welby pregou em um culto de canto na Catedral de São Paulo, em Melbourne, para comemorar o 175º aniversário da diocese de Melbourne. O serviço também contou com a presença do Arcebispo Católico Romano de Melbourne, dom Peter Comensoli: a diocese católica romana foi fundada no mesmo ano, 1847.

 

No sermão, o arcebispo Welby se referiu à vergonha causada pela recusa do primaz anglicano de Melbourne, Charles Perry: “Gostaria que Perry tivesse abraçado seu confrade católico romano”, disse ele. “Graças a Deus seguimos em frente”.

 

Ele disse contar com seu colega inglês, o arcebispo de Westminster, cardeal Vincent Nichols, como um de seus amigos mais próximos. “Sempre que há uma crise, conversamos – o que significa que, no momento, na Inglaterra, cerca de hora em hora”, brincou, acrescentando que “não deve se desviar para a política”.

 

Ele continuou: “Quem pode nos livrar? Os anglicanos? Nós a Igreja em seu sentido mais amplo, incluindo Roma? Quem pode nos livrar do nosso passado? Pois nosso passado tem tanta vergonha. Tanto em que, no escuro da noite, dizemos a nós mesmos, gostaria que não tivessem feito isso...”.

 

“Gostaria que eles não tivessem tratado os habitantes originários desta terra como ‘selvagens’, como ignorantes, como subumanos, como não dignos de vida, como não dignos de respeito, como pessoas a serem deslocadas... Eu gostaria que eles não tivessem feito isso”.

 

Acrescentou:

 

“Gostaria que eles tivessem vindo com vivenciando a boa nova de Jesus Cristo, assim como falando; compartilhada, mas não imposta. Eu gostaria que não houvesse gerações perdidas. Eu gostaria que nossa sociedade fosse mais justa, quando tanto dela se originou na vida da Igreja”.

 

Welby visitará várias comunidades indígenas em Sydney e North Queensland durante sua visita, no momento em que a Austrália está se preparando para um referendo proposto sobre uma ‘Voz Indígena ao Parlamento’ constitucionalmente reconhecida. Questionado sobre sua opinião sobre a proposta em uma entrevista de rádio, ele disse que era “um assunto para o povo australiano” e que não iria interferir.

 

Ele disse desejar que a Igreja não tivesse se dividido no século XVI. “Quem pode nos livrar de uma Igreja que, só nos Estados Unidos, tem 36 mil denominações? Se Deus pode ressuscitar Jesus Cristo dentre os mortos, então Deus pode transformar nossa Igreja”.

 

Ele ansiava por uma Igreja que fosse “mais uma vez sal e luz na sociedade, perdoada, transparente, cheia de integridade, uma bênção para nossa sociedade, uma esperança para os perdidos, uma força para os fracos. Servimos a um Deus que é capaz de libertação”.

 

Referindo-se às enormes diferenças sociais na Comunhão Anglicana, ele disse que não era surpreendente que houvesse pontos de vista diferentes. “O coração do chamado de Deus a todos os cristãos não é que eles sejam unânimes”, disse ele, “mas que eles sejam unidos e aprendam a divergir bem”. Deus nos chama, disse ele, “a discordar em amor profundo”.

 

Ele se recusou a se basear nas divisões dentro da Igreja Anglicana Australiana sobre a criação de uma diocese da Gafcon. Falando em uma entrevista de rádio, ele disse que, embora sempre ficasse triste ao ver um grupo de pessoas que sentiam que precisavam se separar da Igreja, isso era “um assunto muito importante para a Igreja na Austrália”. Sobre as questões de liberdade religiosa, comentou que “precisamos aprender melhor a lidar com elas”.

 

Na segunda-feira, Welby se encontrou com os bispos anglicanos australianos na reunião nacional em Melbourne.

 

Leia mais 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Arcebispo de Canterbury na Austrália: a Igreja Anglicana sente vergonha pelas divisões do passado e do presente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU