Ucranianos, russos e a Via Sacra: sim, junto com o Filho crucificado

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Abril 2022

 

Ninguém deveria chegar a pensar que é inoportuno que os cristãos se prostrem juntos diante do Filho crucificado e peçam a Ele a paz que nós aqui embaixo não sabemos fazer.

 

O comentário é de Marco Tarquinio, diretor do jornal Avvenire, 13-04-2022. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis o texto.

 

Se nem mesmo diante da cruz de Cristo, na Sexta-Feira Santa, então onde? Onde os russos e os ucranianos – irmãos por história e fé, e agora em feroz guerra porque o irmão agrediu o irmão – podem pedir a Deus a uma só voz: “Livrai-nos do mal”?

 

Mas os homens da diplomacia e até os homens da Igreja pensam sobre a inoportunidade que em Roma – seguindo Jesus na subida ao Calvário e ao lado do papa, que continua pedindo a todos e para todos trégua e paz – se entrelacem as vozes de uma família ucraniana e uma russa que fazem parte do grupo ao qual Francisco confiou os textos da Via Sacra no Coliseu.

 

Pressiona-se para que essas famílias, amigas e feridas pela guerra e pelo ódio que a guerra sempre gera e alimenta, mas não presas do ódio, não meditem nem rezem juntas diante dos olhos do mundo.

 

É preciso se prostrar perante toda dor e toda dúvida desencadeadas pelo massacre da humanidade que a guerra, desta vez esta guerra “abominável” deflagrada por Vladimir Putin, sempre recomeça.

 

Mas ninguém deveria chegar a pensar que é inoportuno que os cristãos se prostrem juntos diante do Filho crucificado e peçam a Ele a paz que nós aqui embaixo não sabemos fazer.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ucranianos, russos e a Via Sacra: sim, junto com o Filho crucificado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU