Bispo afirma que muçulmanos têm o direito de islamizar a Nigéria

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Outubro 2017

O comentário do prelado foi feito depois que os cristãos criticaram o governo por investir em um título de dívida vinculado à Sharia.

A reportagem é do sítio La Croix International, 16-10-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O bispo nigeriano Emmanuel Adetoyese Badejo acredita que os muçulmanos têm o direito de islamizar o seu país, acrescentando que os cristãos fracassaram em usar a sua “vantagem”.

Dom Badejo, da diocese de Oyo, disse que concorda com o cardeal John Olorunfemi Onaiyekan, arcebispo de  Abuja e Nigéria, sobre o fato de que os muçulmanos têm uma agenda de islamização na Nigéria.

“Eles têm o direito de tê-la”, disse Dom Badego, noticiou o jornal Nigerian Tribune, no dia 15 de outubro.

“Os cristãos têm uma agenda de cristianização? Sim, eu espero que sim, e nós temos o direito de tê-la. Os muçulmanos estão seguindo uma agenda. Por que nós não estamos seguindo a nossa?”

Ele estava respondendo às recentes críticas ao governo nigeriano, que, supostamente, teria adquirido um título sukuk de 100 bilhões de nairas (277 milhões de dólares). Os grupos cristãos afirmam que, por se tratar de um título de dívida vinculado à Sharia, ele viola o artigo 10 da Constituição, que proíbe que os governos federal e estadual favoreçam uma religião.

O bispo disse que, durante muitos anos, a Nigéria teve um número maior de cristãos no poder, mas fracassou nos seus próprios esforços de evangelização.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispo afirma que muçulmanos têm o direito de islamizar a Nigéria - Instituto Humanitas Unisinos - IHU